Saltar para o conteúdo

As matrículas em escolas de tempo integral no ensino médio subiram 22% em 2017 nas escolas públicas de todo o país. O percentual de alunos matriculados nesse regime de ensino saltou, também na rede pública, de 6,7%, em 2016, para 8,4%, no ano passado. Os dados são do Censo Escolar 2017, realizado ao longo de 2017 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão vinculado ao Ministério da Educação, e divulgados nesta quarta-feira (31), em coletiva de imprensa. “O censo demonstra que as mudanças realizadas pela nossa gestão já começam a dar resultado, principalmente em um modelo de ensino médio mais atrativo para os estudantes”, comemora a ministra-substituta da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro.

O aumento das matrículas está diretamente relacionado à Política de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Só neste ano, o MEC liberou recursos de R$ 406 milhões para apoiar os Estados na implementação dessas unidades. A liberação pretende ampliar de 516 escolas financiadas pelo MEC, em 2017, para 967 em 2018, representando um aumento de 87% de instituições atendidas em todo o país. Considerados os recursos liberados também no ano de 2017, o programa deste ano alcançará o montante de R$ 700 milhões. No total, o MEC apoiará, progressivamente, 500 mil matrículas nas escolas de Ensino Médio em Tempo Integral (EMTI). Até 2020, os investimentos podem alcançar R$ 1,5 bilhão.

Além do ensino médio, o levantamento aponta que as matrículas em tempo integral do ensino fundamental na rede pública voltaram a crescer, saltando de 10,5%, em 2016, para 16,2%, no ano passado. O percentual de alunos, contando as redes pública e privada, passou de 9,1%, em 2016, para 13,9% em 2017. “O programa Novo Mais Educação, também desta gestão, foi determinante para o aumento dessas matrículas”, reforça Maria Helena, destacando que os investimentos nesse programa, juntando os anos de 2016 e 2017, foram de R$ 900 milhões. O Novo Mais Educação tem o objetivo de melhorar a aprendizagem em língua portuguesa e em matemática por meio da ampliação da jornada escolar de crianças e adolescentes em cinco a 15 horas semanais.

Também evoluíram as matrículas na educação infantil, especialmente nas creches. Entre 2013 e 2017, os registros de alunos inscritos em creches cresceram 94,5%. Só em 2017, o aumento foi de 5,2%. Além da ministra da Educação substituta, Maria Helena Guimarães de Castro, a coletiva foi conduzida pela presidente do Inep, Maria Inês Fini; pelo diretor de Estatísticas Educacionais do Inep, Carlos Eduardo Moreno Sampaio; e pelo secretário da Educação Básica, Rossieli Soares da Silva.

Outros números

No ensino fundamental regular, o número de matrículas caiu, seguindo a tendência de adequação à dinâmica demográfica. No entanto, conforme apurou a Pesquisa Nacional por Amostragem em Domicílios Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PNADC/IBGE), 99,2% da população de seis a 14 anos frequenta escola. Na faixa etária de 11 a 14 anos, o atendimento é de 98,9%, ainda de acordo com a PNADC/IBGE. “Precisamos celebrar porque, pela primeira vez, 99% das crianças estão na escola, e o Brasil está cumprindo as metas estabelecidas pelas Nações Unidas”, explica Maria Helena.

No ensino médio, a queda das matrículas no período se dá, essencialmente, por dois motivos: redução do número de concluintes do ensino fundamental que se matricularam no ensino médio e aumento do número de concluintes do ensino médio diante de um elevado percentual de evasão (11,2%). O comportamento reforça a importância da reforma do ensino médio idealizada pela atual gestão do MEC e prevista para ser executada a partir de 2019. A expectativa é que a possibilidade de o estudante traçar seu caminho profissional estimule e motive os jovens a prosseguir seus estudos, diminuindo, consequentemente, a evasão.

O Brasil tem 7,9 milhões de matrículas no ensino médio, mas a etapa segue uma tendência de queda nos últimos anos. Isso se deve tanto a uma redução da entrada proveniente do ensino fundamental (a matrícula do nono ano teve queda de 14,2% de 2013 a 2017) quanto à melhoria no fluxo no ensino médio (a taxa de aprovação subiu 2,8% de 2013 a 2017). Se há queda de matrículas no ensino médio regular, a matrícula integrada à educação profissional cresceu 4,2% no último ano, passando de 531.843, em 2016, para 554.319 matrículas, em 2017. O ensino médio é oferecido em 28,6 mil escolas no Brasil.

Educação profissional

O Brasil conta com 1,8 milhão de alunos matriculados na educação profissional, 58,8% dos quais frequentam escolas públicas. A matrícula na educação técnica de nível médio teve um crescimento de 0,9% em 2017. Já as matrículas nos cursos técnicos de nível médio da rede pública apresentaram um crescimento de 2,2% no último ano.

Educação infantil

Com 8,5 milhões de matrículas na educação infantil, o Brasil registra um potencial de ampliação da oferta dessa etapa. De acordo com a PNAC/IBGE, na faixa etária adequada à creche (até três anos de idade), o atendimento escolar é de 30,4%; já na faixa etária adequada à pré-escola (quatro e cinco anos), o atendimento escolar chega a 90,2%. Hoje, 105 mil escolas oferecem pré-escola no Brasil e atendem a 5,1 milhões de alunos, sendo que 23,2% deles frequentam a rede privada.

Ensino fundamental

O Brasil tem 27,3 milhões de matrículas no ensino fundamental, sendo 15,3 milhões nos anos iniciais e 12 milhões nos anos finais. A rede municipal tem uma participação de 68% no total de matrículas dos anos iniciais e concentra 83,3% dos alunos da rede pública. Nessa fase, 18,4% dos alunos frequentam escolas privadas. Já nos anos finais, as escolas privadas abrangem 14,9% dos alunos. A rede estadual, por sua vez, tem uma participação de 42,3% no total de matrículas dos anos finais, dividindo a responsabilidade do poder público nessa etapa de ensino com os municípios, que também possuem 42,7% dos alunos.

Educação de Jovens e Adultos

O Brasil tem hoje 3,6 milhões de alunos frequentando a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Após longo período de queda, as matrículas do ensino fundamental dessa modalidade apresentam tendência de estabilização, mesmo com um pequeno aumento em 2017. A oferta de EJA de ensino médio, entretanto, teve aumento de 3,5% em 2017.

Educação especial

O número de matrículas de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento ou altas habilidades no ensino médio quase dobrou de 2013 a 2017. De acordo com o Censo Escolar 2017, 98,9% dos alunos estavam incluídos em classe comum. Além disso, 61,3% das escolas brasileiras têm alunos com deficiência incluídos em turmas regulares. Em 2008, esse percentual era de apenas 31.

Notas estatísticas

Os dados do Censo Escolar 2017 divulgados nesta quarta-feira fazem parte das Notas Estatísticas, relatório elaborado pelo Inep com informações gerais sobre o censo. O Inep também oferece, em seu portal, os Microdados do Censo Escolar 2017, que permitem cruzamentos de variáveis diversas a partir de programas estatísticos. No início de março, serão divulgadas as Sinopses Estatísticas, com dados desagregados por Estado e município.

(Fonte: MEC)

O Programa Universidade para Todos (ProUni) oferecerá, neste semestre, o maior número de vagas desde 2005, quando foi criado: serão 242.987 vagas, em 2.976 instituições. A consulta para as vagas foi aberta nesta segunda-feira (29). O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de educação superior.

O candidato pode fazer a consulta na página do programa na internet. Os cursos de graduação e sequenciais de formação específica têm início no primeiro semestre de 2018 e o período de inscrições vai de 6 a 9 de fevereiro.

Do total de vagas, 113.863 são integrais, das quais 37.604 são para cursos na modalidade educação a distância. Já o número de bolsas parciais é de 129.124. As bolsas integrais se destinam aos candidatos que possuam renda per capita mensal de até 1,5 salário mínimo, enquanto que as parciais para aqueles com renda familiar mensal de até três salários mínimos.

A consulta da primeira chamada está prevista para 12 de fevereiro, e entre os dias 15 e 23 do mesmo mês os candidatos selecionados deverão fazer a matrícula. O resultado da segunda chamada, por outro lado, deve ser divulgado em 2 de março, e o período de comprovação de informações para matrícula será de 2 a 9 de março.

Já o prazo de inscrição na lista de espera, para quem não foi selecionado nas duas primeiras etapas será de 16 a 19 de março.

(Fonte: MEC)

A lista de candidatos aprovados na primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2018 já está disponível para consulta na internet (sisu.mec.gov.br).

Estão sendo oferecidas, ao todo, 239.716 vagas em 130 instituições, entre universidades federais, institutos federais de educação, ciência e tecnologia e instituições estaduais.

O período de matrícula dos aprovados começa amanhã (30) e vai até 7 de fevereiro.

O Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação utilizado por instituições públicas de educação superior na oferta de vagas a estudantes, com base nas notas obtidas no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem).

(Fonte: Agência Brasil)

O Ministério da Educação deve divulgar, hoje (29), a lista dos candidatos aprovados na primeira chamada do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2018. A divulgação será feita na página do programa na internet.

No total, são oferecidas 239.716 vagas em 130 instituições, entre universidades federais, institutos federais de educação, ciência e tecnologia e instituições estaduais. O período de matrícula dos aprovados começa amanhã (30) e vai até 7 de fevereiro.

O Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação (MEC), utilizado por instituições públicas de educação superior na oferta de vagas a estudantes, com base nas notas obtidas no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem).

O MEC também deve divulgar, hoje, o balanço do número de candidatos inscritos este ano. As inscrições começaram no dia 23 de janeiro e foram encerradas à meia-noite de sexta-feira (26).

(Fonte: Agência Brasil)

O livro que conta a história de Roger Federer no tênis continua sendo escrito, com novos capítulos e parece ainda longe do fim. Aos 36 anos e atuando em altíssimo nível, o atual número 2 do mundo venceu o croata Marin Cilic (6º do ranking) por 3 sets a 2, parciais de 6/2, 6/7 (5), 6/3, 3/6 e 6/1, em 3h03, para conquistar o Aberto da Austrália pela sexta vez na carreira, tornando-se o maior vencedor do torneio na Era Aberta, ao lado de Novak Djokovic. Foi, ainda, o 20º título de Grand Slam do suíço, que, agora, entra para um seleto grupo de tenistas que chegaram a duas dezenas de conquistas dessa categoria.

“O conto de fadas continua para a minha equipe. Começou no ano passado, em Perth. E continua indo em frente. É inacreditável”, resumiu Federer, sem esconder a emoção, logo após o jogo.

Considerando os títulos da Era Aberta do tênis (a partir de 1968), Federer já era o recordista entre os homens, com 20 conquistas em Grand Slams. Além do suíço, apenas Serena Williams (23) e Steffi Graf (22) chegaram a tal marca. No masculino, Rafael Nadal, com 16 troféus em Majors, é quem mais se aproxima.

O título de Federer ainda acirra a briga pelo topo do ranking mundial. Em segundo lugar no ranking, o suíço mantém os 9.605 pontos com a defesa do Aberto da Austrália e diminui a diferença para Rafael Nadal, com 9.760, para apenas 155 pontos. Federer não ocupa a primeira posição da ATP desde o dia 29 de junho de 2010, há sete anos e meio.

Apesar do vice-campeonato, Marin Cilic tem motivos para comemorar. A partir desta segunda-feira, o croata vai ocupar a terceira posição do ranking mundial com os pontos somados no Aberto da Austrália.

O jogo

Foi um primeiro set arrasador de Roger Federer. Em apenas 10 minutos, o suíço já tinha quebrado Marin Cilic duas vezes e aberto 4/0 no placar. Pouco a pouco, o croata foi se encontrando no jogo, trocou a raquete e começou a encaixar melhor seus saques e devoluções, alongando mais os pontos. Ainda assim, o atual número 2 do mundo se manteve firme para fechar o set em 6/2.

Bem diferente da primeira parcial, o segundo set foi mais disputado. Com seus golpes mais bem encaixados, Cilic colocou Federer para jogar. O croata chegou a ter dois break points logo no início e um set point em 5/4, mas deixou escapar com uma bola na rede. Com os dois tenistas confirmando seus serviços, a disputa ficou mesmo para o tie-break.

No game desempate, Federer começou melhor, com um minibreak em 3/2. Mas, logo no ponto seguinte, Cilic se recuperou com uma belíssima devolução de saque e deixou tudo igual. O lance pareceu dar confiança ao croata, que se soltou no tie-break e conseguiu ficar na frente ao ganhar um ponto no saque de Federer, abrindo 6-4, com dois set points. Na segunda oportunidade, ele não desperdiçou e empatou o jogo, fechando em 7-5.

O jogo continuou num bom ritmo, e Federer mostrou,, mais uma vez,, o motivo de ser um dos maiores tenistas da história. Sem se abalar com a derrota no tie-break, o suíço se manteve firme e sem dar vacilos com seu serviço. No sexto game, Cilic somou seguidos erros não forçados e abriu grande brecha para o número 2 do mundo, que anotou a quebra para fazer 4/2. Com seu saque, não deu chances e fechou o set em 6/3.

O quarto set não poderia começar de melhor forma para Federer. Com um break point, ele forçou Marin Cilic ao erro na cruzada e quebrou o serviço logo de cara para abrir vantagem. Mas até os melhores têm seus maus momentos. O suíço teve um péssimo serviço no sexto game, com direito a dupla falta e seguidos erros e viu Cilic quebrar seu saque pela primeira vez para empatar a parcial em 3/3.

Federer chegou a ter um break point no game seguinte, mas Cilic aproveitou o bom momento e se salvou, confirmando o serviço. Logo depois, foi o suíço quem se viu em apuros, com 15/40, dando duas chances de quebra ao rival. Federer salvou as duas chances, mas o croata voltou a jogar bem demais, acelerou o jogo e conseguiu uma nova quebra para abrir 5/3, sacando para o set. Sem dar chances, fechou em 6/3, forçando o quinto set.

Depois de um péssimo set de serviço, Federer se viu novamente em dificuldades no início do quinto set e encarou duas chances de quebra logo no game inicial, mas se salvou. Na sequência, embalou nos pontos decisivos, conseguiu o break para cima de Cilic e manteve seu serviço para abrir 3/0. Com o primeiro saque novamente afiado, Federer passou a dominar a parcial e voltou a complicar o rival, quando teve dois break points no sexto game. Cilic acertou a rede. Com 5/1, o ex-número 1 do mundo sacou firme e vibrou pela 20ª vez como campeão de um Grand Slam.

(Fonte: Portal Globo.com)

As inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni) poderão ser feitas entre 6 e 9 de fevereiro. Os estudantes interessados em participar da seleção oferecida no primeiro semestre de 2018 devem se inscrever na página do programa. O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica.

Podem concorrer brasileiros sem diploma de curso superior, que tenham participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2017 e não tenham zerado a prova.

É necessário, ainda, que o candidato atenda a alguns requisitos, como ter cursado o ensino médio completo em escola pública ou em instituição privada como bolsista integral, possuir alguma deficiência, ser professor da rede pública ou estar enquadrado no perfil de renda exigido pelo programa.

“Nós oferecemos bolsa integral para candidatos que possuem renda per capita mensal de até 1,5 salário mínimo e bolsa parcial para candidatos que possuem renda familiar mensal de até 3 salários mínimos”, detalha o coordenador de programas de educação superior do MEC, Fernando Bueno.

O processo seletivo é composto por duas chamadas sucessivas e a previsão é que o resultado com a lista dos candidatos pré-selecionados na primeira chamada seja divulgado em 14 de fevereiro. A segunda chamada está prevista para ser divulgada em 2 de março.

(Fonte: MEC)

A poucas horas do fim do prazo para inscrições na edição do primeiro semestre do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2018, o último balanço divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) mostra que, até o meio-dia desta sexta-feira (26), 1.954.849 candidatos haviam se inscrito em instituições públicas brasileiras de ensino superior de todo o país. Como cada candidato pode escolher até duas opções de curso, o total de inscrições chegou a 3.793.667.

O ritmo de inscrições continua intenso, mas não deve ser divulgado novo balanço hoje. O MEC informou à Agência Brasil que, na semana que vem, será divulgado o total de inscrições. Até ontem, os 10 cursos mais procurados eram: medicina, direito, administração, pedagogia, enfermagem, educação física, psicologia, ciências biológicas, ciências contábeis e veterinária.

O Sisu é usado por instituições públicas de educação superior na oferta de vagas a estudantes, com base nas notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Este ano, estão sendo ofertadas 239.716 vagas em 130 instituições, sendo 30 públicas estaduais – um centro universitário, sete faculdades e 22 universidades; e 100 públicas federais, com dois centros de educação tecnológica, uma faculdade, 36 institutos federais de educação, ciência e tecnologia, e 61 universidades.

(Fonte: Agência Brasil)

Ao ser aprovado para ingressar no Grupo 5 da União Matemática Internacional (IMU, na sigla em inglês), o Brasil passa a ser reconhecido como uma das potências mundiais dessa ciência. O país, que já integra a entidade desde o seu início, em 1954, passa a ser o 11º e único em desenvolvimento a fazer parte do Grupo 5, considerado a elite da matemática mundial. O anúncio foi feito nessa quinta-feira (25), na sede do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), órgão vinculado ao Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), no Rio de Janeiro. Os outros 10 países que integram o grupo são Alemanha, Canadá, China, Estados Unidos, França, Israel, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia. O Brasil passou por todas as categorias até chegar à mais seleta. Para concorrer, um relatório elaborado pelo Impa e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) foi enviada ao IMU, em 2017. O diretor do Impa, Marcelo Viana, atribui a aprovação do país, principalmente, aos avanços nas pesquisas realizadas pelo país. “Em 30 anos, o número de artigos de autores brasileiros foi multiplicado por 10. No mundo, passou de 0,4 a 2,4%. Em percentagem, foi multiplicado por seis. Isso dá uma ideia dos nossos avanços”, detalha. Ele destaca também a oferta de ensino na área, como a pós-graduação, em todo o país; a colaboração internacional com países que são referência na matemática, como Espanha, Itália e França; além de atividades realizadas internamente, como a Olimpíada Nacional de Matemática, financiada pelo MEC. Ele cita ainda discussões de inclusão, como a questão de gênero e a presença da mulher no campo da pesquisa matemática. Influência A secretária executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, acredita que o mais importante do reconhecimento, além da influência que o país terá na pesquisa mundial, é o impacto da imagem da disciplina de matemática para os jovens. “Esse reconhecimento vai incentivar crianças e jovens a estudar matemática, porque há uma certa prevenção com relação a matemática. Precisamos quebrar essa resistência, que inclusive faz muitos abandonarem os estudos”, reforça Maria Helena. “Há esforço no sentido de produzir pesquisa aplicada ao ensino de matemática, mestrados profissionais – para formar bons professores –, produzir materiais didáticos para serem acessados por meio de plataformas digitais.” O diretor do Impa concorda. “No plano interno não tenho dúvida de que nós podemos tirar proveito para termos um efeito positivo da matemática para os jovens. É algo que não é para se ter medo, pois os brasileiros são bons”, observa. Maria Helena destaca ainda o reconhecimento do país por meio do pesquisador do Impa, Arthur Avila, o primeiro brasileiro a ganhar a Medalha Fields, considerada o Nobel da matemática, em 2014. E lembra que o Brasil sedia, em agosto, o Congresso Internacional de Matemáticos, o mais importante da área e que pela primeira vez ocorre no Hemisfério Sul. Além disso, ela ressaltou que tanto o Impa como a SBM apoiaram o desenvolvimento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de matemática para o ensino fundamental, para a educação infantil e também vão apoiar na do ensino médio. (Fonte: MEC)

A população brasileira tem 51% de mulheres e 54% de negros, mas os homens brancos dirigiram 75,4% dos longas-metragens nacionais lançados comercialmente em 2016, um total de 142 filmes. Na outra ponta da tabela, as mulheres negras não assinaram a direção, o roteiro ou a produção executiva de nenhum filme nacional naquele ano.

Os dados foram apresentados, nessa quinta-feira (25), pela Agência Nacional de Cinema (Ancine) e fazem parte do estudo Diversidade de Gênero e Raça nos lançamentos brasileiros de 2016.

A pesquisa levantou 1.326 profissionais – atuando na direção, produção e como atores – envolvidos nos 142 longas lançados comercialmente em 2016. No recorte de gênero, 62% eram homens e 38%, mulheres. Já em relação à raça, 71% foram identificados como brancos, 5% como pretos e 3% como pardos, segundo a terminologia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nenhum indígena foi contabilizado nessas produções, e não foi possível determinar a raça de 21% dos profissionais.

A definição da cor da pele dos profissionais foi feita por dois analistas, que, quando entravam em divergência, submetiam a classificação a uma comissão de sete pessoas.

O estudo concluiu que 75,4% dos diretores desses longas são homens brancos e 19,7%, mulheres brancas. Os homens negros, por outro lado, dirigiram 2,1%, e as mulheres negras não assinaram a direção de nenhum dos 142 filmes.

O roteiro desses filmes também foi escrito principalmente por homens brancos (59,9%), mulheres brancas (16,2%) e parcerias entre homens brancos e mulheres brancas (16,9%). Os homens negros foram roteiristas em 2,1% dos filmes e estiveram em parcerias com homens brancos em 3,5%. Os longas-metragens brasileiros lançados em 2016 também não tiveram nenhuma mulher negra como roteirista, segundo a pesquisa.

Na produção executiva dos filmes, as mulheres brancas (36,9%) ficaram à frente dos homens brancos (26,2%). Parcerias entre mulheres e homens brancos realizaram mais 26,2% dos filmes. Os homens negros permaneceram no percentual de 2,1% nesta função, e as mulheres negras, mais uma vez, foram totalmente excluídas.

Defensora das mulheres negras no Brasil pela ONU Mulheres, a atriz, roteirista e diretora negra Kenia Maria destaca que é preciso abrir espaço para que novas narrativas transformem o imaginário da população sobre o negro no Brasil. “Têm milhares de histórias que não estão sendo contadas. E o mais grave é que, na maioria das vezes, quando elas são contadas, elas são contadas por brancos”, diz ela. “Se a gente respeita a diversidade do Brasil, são mais de 110 milhões de habitantes [negros], e a gente precisa ser ouvido, a gente tem história bonita pra contar”.

Desigualdade nos elencos

A desigualdade racial apontada nas funções de realização no cinema brasileiro continua quando observado o elenco principal dos filmes. Segundo a Ancine, apenas 13,3% do elenco dos 142 filmes eram formados por pretos e pardos.

De acordo com a pesquisa, 42% dos filmes lançados no Brasil em 2016 não tiveram ator ou atriz negro ou negra no elenco principal, e 33% dos longas foram filmados com apenas 1% a 20% de negros. Somente 9% dos filmes têm ao menos 41% dos papéis principais ocupados por negros, que representam 54% da população do país.

Financiamento público

A cineasta Sabrina Fidalgo acompanhou a apresentação dos dados e pediu a palavra para lembrar que muitos desses filmes recebem recursos públicos, pagos também pela população negra que fica de fora deles.

"Esses filmes são, em sua maioria, financiados pela Ancine com dinheiro público, e, sendo a população negra a maioria no país, a conclusão que se chega é que pessoas negras patrocinam filmes em que elas não são representadas. A população negra é mecenas de filmes de realizadores brancos, filmes excludentes racialmente ou por questões de gênero".

Segundo a pesquisa, 61,3% dos filmes analisados tiveram recursos de incentivo, sejam eles diretos ou indiretos. Apesar de a presença de mulheres ser maior entre esses filmes, a de negros fica ainda menor.

Os dados mostram que 100% dos filmes incentivados foram dirigidos por brancos e 98% também foram roteirizados por brancos. Entre os filmes não incentivados, 94% dos diretores são brancos, e 93% dos roteiristas também.

A presença de negros na direção dos filmes, segundo a Ancine, aumenta as chances de haver mais atores e atrizes negras em 65,8%. Quando o roteirista é um homem ou uma mulher negra, as chances aumentam em 52,5%.

Corrigindo diferenças

Para o cineasta mineiro Joel Zito, é preciso adotar uma medida semelhante a que foi tomada para reduzir as desigualdades entre os incentivos à produção audiovisual do Sudeste e das outras regiões do país. A agência já trabalha com indutores regionais que determinam a participação de projetos do Norte, Nordeste e Centro-Oeste em editais, respeitando exigências técnicas.

“A Ancine já tem experiência em corrigir desigualdades, e o que estou pleiteando é que essa experiência seja aplicada pra corrigir essa desigualdade de gênero e raça”, argumentou o cineasta, que considera inadmissível o nível de desigualdade entre negros e brancos no cinema brasileiro. "Não se trata de criar políticas para minorias. Se trata de criar políticas para a maioria. A maioria está excluída".

O secretário do audiovisual do Ministério da Cultura, João Batista Silva, também assistiu à apresentação e reconheceu que “há uma dívida histórica com a população negra, e uma dívida cultural com a questão de gênero”. Ele afirmou que o assunto será discutido na próxima reunião do Conselho Superior de Cinema, em 6 de fevereiro, e que o próximo edital da Secretaria de Audiovisual trará ações nesse sentido já em 7 de fevereiro.

"Estamos finalizando um grande programa de fomento da Secretaria de Audiovisual que será lançado nos próximos dias. Esse programa terá, sim, resposta para essas questões. Terá ali um tratamento bastante significativo e realista para essa questão", prometeu.

(Fonte: Agência Brasil)

A divulgação dos resultados do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja Nacional), referentes ao ensino médio, será antecipada para 5 de fevereiro. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) vai publicar as notas a partir das 18h, na Página do Participante. É preciso informar CPF e senha para acessar os resultados. Para quem esqueceu a senha cadastrada na inscrição, o Inep oferece um passo a passo para recuperação. A divulgação dos resultados do Encceja Nacional referentes ao ensino fundamental, assim como das edições para pessoas privadas de liberdade e realizadas no exterior, permanecem na data prevista: a partir de março.

Os participantes que obtiverem a nota mínima exigida em todas as quatro áreas de conhecimento e na redação devem providenciar a certificação nas secretarias estaduais de Educação e dos institutos federais de Educação Ciência e Tecnologia. É responsabilidade dessas instituições definir os procedimentos complementares e os prazos para a certificação de conclusão do ensino fundamental e de ensino médio. O participante já indicou a Secretaria Estadual de Educação ou o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia em que pleiteará a certificação ou a declaração parcial de proficiência durante a inscrição. As instituições certificadoras deverão acessar o Portal do Inep e digitar o código impresso no Boletim do Participante para validar o documento.

Os participantes que obtiveram a nota mínima apenas em algumas áreas de conhecimento também devem procurar a secretaria estadual ou o instituto federal selecionados na inscrição e solicitar a declaração parcial de proficiência. Com essa declaração, eles ficam liberados de fazer as provas dessas áreas de conhecimento em futuras edições do Encceja.

Encceja

O Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja Nacional) foi aplicado em 19 de novembro. Dos 1.575.561 inscritos, 1.272.279 (81%) buscavam a certificação do ensino médio. As provas foram realizadas em 564 municípios. Criado em 2002 para aferir competências, habilidades e saberes de jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental ou o ensino médio na idade adequada, o Encceja voltou a certificar o ensino médio em 2017. O exame é aplicado pelo Inep, mas a emissão dos documentos certificadores (certificado e declaração de proficiência) é de responsabilidade das secretarias estaduais de educação e institutos federais de educação, ciência e tecnologia, que firmaram Termo de Adesão ao Encceja Nacional.

Clique aqui para acessar a Página do Participante

(Fonte: MEC)