Saltar para o conteúdo

Ferramenta pedagógica para cegos leva professor à final de prêmio internacional para docentes

O ensino da matemática pode ir muito além do giz e quadro-negro. É possível, por exemplo, usar o tato para compreender um gráfico de plano cartesiano. Os alunos com deficiência visual do professor Rubens Ferronato sabem exatamente como é essa sensação. O paranaense teve que se reinventar em sala de aula para poder tornar acessível um conteúdo complexo: os cálculos matemáticos. Essa iniciativa rendeu a ele diversos prêmios e uma indicação para a final do prêmio Global Teacher Prize. Ferronato é o único brasileiro entre 50 docentes finalistas.

Depois de uma primeira tentativa frustrada de trabalho com um jovem cego, em 1998, o professor de matemática recebeu, novamente, a missão de tentar lecionar para deficientes visuais, em 2000. Ferronato relata que em suas primeiras aulas para Ivã José de Pádua, o único aluno cego da turma, procurava relacionar o que estava ensinando a exemplos do dia a dia, nos mínimos detalhes. Mas, depois de certo tempo, o estudante começou a se desinteressar pelo conteúdo. “Então, toda aquela expectativa do primeiro dia virou frustração”, conta ele. “Eu não queria perder esse aluno. E por quê? Porque, quando ele estava presente, eu tinha que conduzir a aula de uma forma melhor”.

Rubens decidiu que precisava encontrar uma forma de atrair o estudante e foi atrás da estratégia certa. Procurou uma loja de materiaL de construção e comprou uma placa de eucatex perfurada, a fim de montar um plano cartesiano, com seus eixos X e Y, com ajuda de rebites e elástico. Nascia, assim, a ferramenta pedagógica Multiplano. O professor descreve como Ivã José reagiu ao novo instrumento de ensino. “Ele chegou, começou a tocar naquele material e a questionar. Em poucos minutos, reconheceu o plano cartesiano inteiro e já estava montando gráficos, quando me disse: ‘olha que absurdo, eu passei uma vida inteira ouvindo dos professores que eu nunca ia conseguir fazer um gráfico. Agora, está aqui na minha mão, estou entendendo’”.

Inclusão

Depois daquele momento, Ferronato percebeu que Ivã, além de aprender novos conceitos, também passou a interagir mais com os colegas. Ao ajudar um jovem cego a superar barreiras que antes pareciam intransponíveis, Rubens percebeu um novo conceito de inclusão: a interação social em sala de aula por meio do professor. Ele afirma que, se ganhar o prêmio Global Teacher Prizer, pretende aplicar o dinheiro no aperfeiçoamento e na disseminação do multiplano.

“O plano inicial é traduzir meu método para as 12 línguas mais faladas do mundo e visitar, no período de 10 anos, 30 países” promete. “Levar para fora essa metodologia que a gente desenvolveu aqui. E, dentro do Brasil, a expectativa é trabalhar em todas as capitais nos próximos dois ou três anos”, adianta o professor. O resultado do prêmio Global Teacher Prize 2018 será anunciado no dia 18 de março, em Dubai.

Na opinião de Ivã, iniciativas como a do Multiplano podem mudar a vida de muitas pessoas com deficiência como ele. “Sempre acreditei que as pessoas cegas têm que lutar bastante. Costumo brincar que a gente precisa matar um leão por dia para mostrar que é capaz, e as pessoas ainda torcem pelo leão. Nós temos que lutar para garantir uma maior acessibilidade no mercado de trabalho. Se eu não tivesse me matriculado em um curso tão difícil como o de ciência da computação, talvez o Multiplano não tivesse existido”.

(Fonte: MEC)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *