Saltar para o conteúdo

Meus versos*

“Aprendi esta língua como se consegue o amor de uma mulher” (Valéry Larbaud)

Meus versos surgem de repente, sem anúncios
preconcebidos, e assim, a esmos e inconsúteis,
se amesendam nas múltiplas intransitividades
que na vida hei passado como poeta e bruxo.

Há entre mim e eles, uma brancura bipartida
em orgânica dualidade, simples e ressurgida,
numa cumplicidade inconsciente e consentida,
mas comedida, necessária, útil e dependente.

Há entre nós uma parceria, como se heterônimos
dalgum poeta fôssemos, onde eles, meus versos,
sorrateiros nas paráfrases se permitem comigo

logo no primeiro grito, sentir a dor que sinto,
mas que nunca em tempo algum deveras finjo.
Eles e eu somos um só Fernando, uma só Pessoa...

* Fernando Braga. In “O Sétimo Dia”, São Luís, 1997.

2 comentários em “Meus versos*

  1. Orlanda luiza de lima ferreira

    Você e seus versos, FERNANDO, uma só PESSOA.
    Magnífico. Mesmo com a dor de
    O SÉTIMO DIA.

  2. Raimundo Fontenele

    Muito tudo. Belo caminho poético até o final consentido e esperado pelos homônimos de si mesmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.