Skip to content

CORINTHIANS BEQUIMÃO

Equilíbrio e emoção não faltaram na decisão do Campeonato Maranhense de Futebol 7 – categoria Sub-17, realizada na tarde do último sábado (23), na Arena Olynto, no Bairro do Olho d’Água. Corinthians Bequimão e Vasco Academy proporcionaram uma partida bastante disputada e decidida somente no shoot out, após empate por 1 a 1 no tempo normal. No fim, melhor para a equipe corintiana que ficou com o título estadual referente à temporada 2020.

O duelo do Sub-17 era bastante aguardado, principalmente porque os dois times estavam invictos. Dono do melhor ataque do torneio, o Corinthians Bequimão mostrou toda a sua força na etapa inicial, quando Kauê Ian abriu o placar com um belo gol: 1 a 0.

A desvantagem no marcador fez o Vasco Academy ficar ainda mais ansioso dentro de campo e abusar dos erros. Mal nas finalizações, o time vascaíno não conseguiu chegar ao empate no primeiro tempo.

Na volta do intervalo, o Corinthians Bequimão teve algumas oportunidades para matar o confronto, mas não conseguiu. Foi então que o Vasco Academy cresceu na partida e, em uma jogada bem trabalhada, Klaus Cauã fez 1 a 1 e levou a decisão para o shoot out. E, após uma longa sequência de cobranças, a equipe corintiana foi mais eficiente, fez 2 a 1 e soltou o grito de campeão.

Informações sobre o Campeonato Maranhense de Futebol 7 e as fotos da final estão disponíveis no site (www.fut7ma.com.br) e nas redes sociais oficiais da federação (@fmf7ma).

Premiações Individuais

Artilheiros: Klaus Cauã (Vasco Academy) e Calebe Assunção (Corinthians Bequimão) – 6 gols cada um

Melhor Goleiro: Hilbert Gabriel (Vasco Academy)

Melhor Técnico: Nhopir (Corinthians Bequimão)

(Fonte: Assessoria de comunicação)

O Ministério da Educação (MEC) divulgou o cronograma e procedimentos para a adesão das instituições públicas de educação superior ao primeiro processo seletivo de 2021 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O prazo de adesão é de 8 a 12 de fevereiro, e ela deve ser feita, exclusivamente, por meio do site Sisu Gestão.

O edital, publicado na última sexta-feira (22), no Diário Oficial da União, diz ainda que, para a seleção dos candidatos às vagas disponibilizadas, serão exigidos, exclusivamente, os resultados obtidos pelos estudantes no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020. Em razão da pandemia de covid-19, as provas presenciais começaram a ser aplicadas no dia 17 e terminaram ontem (24). Para esta edição, os estudantes também puderam optar pela prova digital, que será realizada de forma piloto nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

O Sisu é o programa do MEC para acesso de brasileiros a um curso de graduação em universidades públicas do país. As vagas são abertas semestralmente, por meio de um sistema informatizado e, para participar, é preciso ter garantido um bom desempenho nas provas do Enem e não ter zerado a redação. Após a divulgação do resultado do exame, o MEC publicará o edital com o prazo de inscrição e demais procedimentos para o primeiro processo seletivo do Sisu deste ano.

Além do Sisu, as notas do Enem podem ser usadas para acessar o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas de estudo em instituições privadas, e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que facilita o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior. 

Adesão das universidades

O Sisu é o sistema informatizado do MEC, no qual instituições públicas de educação superior, sejam elas federais, estaduais ou municipais, oferecem vagas a serem disputadas por candidatos inscritos em cada uma das duas edições anuais do Sisu.

É de exclusiva responsabilidade da instituição participante descrever, no documento de adesão, as condições específicas de concorrência às vagas por ela ofertadas no âmbito do Sisu. Após o período de adesão, as instituições terão de 17 a 23 de fevereiro para retificar, se for o caso, as informações constantes nos documentos de adesão, que deverão ser encaminhados ao MEC.

O edital de adesão prevê ainda que seja disponibilizado, pelas instituições, o acesso virtual para que os estudantes selecionados pelo Sisu possam encaminhar a documentação exigida e efetuar suas matrículas de forma remota, caso não possam realizar os procedimentos necessários de forma presencial.

Cabe a elas, ainda, divulgar, tanto em suas páginas na internet como em locais de grande circulação de estudantes, as condições específicas de concorrência às vagas por elas ofertadas no âmbito do Sisu, conforme expressas em seus documentos de adesão, bem como editais próprios, quando couber, e a sistemática adotada para a convocação dos candidatos.

(Fonte: Agência Brasil)

O Ministério da Educação publicou hoje (25), no Diário Oficial da União, as regras para o processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) referente ao segundo semestre de 2021. O cronograma de seleção, entretanto, ainda será publicado em edital específico.

A portaria desta segunda-feira trata dos procedimentos e regras de oferta de vagas pelas instituições de educação superior, seleção das vagas a serem ofertadas, inscrição dos candidatos, classificação e pré-seleção dos candidatos, complementação da inscrição pelos candidatos pré-selecionados e redistribuição das vagas entre os grupos de preferência.

Para ter acesso ao fundo, é necessário ter renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos e ter participado de uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a partir de 2010, obtendo, no mínimo, 450 pontos na média das cinco provas do exame e não ter zerado a prova de redação. A seleção assegura apenas a expectativa de direito à vaga, já a contratação do financiamento está sujeita às demais regras e procedimentos de formalização do contrato.

O Fies é o programa do governo federal que tem o objetivo de facilitar o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas aderentes ao programa. Criado em 1999, ele é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O primeiro é operado pelo governo federal, sem incidência de juros, para estudantes que têm renda familiar de até três salários mínimos por pessoa; o percentual máximo do valor do curso financiado é definido de acordo com a renda familiar e os encargos educacionais cobrados pelas instituições de ensino. Já o P-Fies tem regras específicas e funciona com recursos dos fundos constitucionais e dos bancos privados participantes, o que implica cobrança de juros.

(Fonte: Agência Brasil)

Candidatos que não puderam participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por estarem com sintomas de covid-19 ou de outra doença infectocontagiosa e aqueles que não conseguiram fazer as provas por problemas logísticos podem, a partir de hoje (25), pedir para participar da reaplicação do Enem na Página do Participante. O sistema ficará aberto até o dia 29.

As provas do Enem impresso foram aplicadas nos dias 17 e 24 de janeiro. Nas semanas que antecederam cada uma das aplicações, os candidatos puderam enviar exames e laudos médicos ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Aqueles que ainda não o fizeram poderão, agora, acessar o sistema on-line. As provas da reaplicação serão nos dias 23 e 24 de fevereiro.

Além da covid-19, podem solicitar a reaplicação participantes com coqueluche, difteria, doença invasiva por Haemophilus influenza, doença meningocócica e outras meningites, varíola, Influenza humana A e B, poliomielite por poliovírus selvagem, sarampo, rubéola, varicela.

Segundo o Inep, para a análise da possibilidade de reaplicação, a pessoa deverá inserir, obrigatoriamente, no momento da solicitação, documento legível que comprove a doença. Na documentação, deve constar o nome completo do participante, o diagnóstico com a descrição da condição, o código correspondente à Classificação Internacional de Doença (CID 10), além da assinatura e da identificação do profissional competente, com o respectivo registro no Conselho Regional de Medicina (CRM), do Ministério da Saúde (RMS) ou de órgão competente, assim como a data do atendimento. O documento deve ser anexado em formato PDF, PNG ou JPG, no tamanho máximo de 2MB.  

Problemas logísticos

Também poderão pedir a reaplicação estudantes que tenham sido prejudicados por problemas logísticos. De acordo com o edital do Enem, são considerados problemas logísticos, por exemplo, desastres naturais que prejudiquem a aplicação do exame devido ao comprometimento da infraestrutura do local, falta de energia elétrica, falha no dispositivo eletrônico fornecido ao participante que solicitou uso de leitor de tela ou erro de execução de procedimento de aplicação que incorra em comprovado prejuízo ao participante.

No primeiro dia de aplicação, participantes foram impedidos de fazer o exame por causa da lotação dos locais de prova. Devido à pandemia do novo coronavírus, as salas deveriam ter até metade da lotação máxima. Em alguns locais, não foi possível acomodar os inscritos. De acordo com o Inep, esses casos foram relatados em, pelo menos, 11 locais de prova em Florianópolis (SC), Curitiba (PR), Londrina (PR), Pelotas (RS), Caxias do Sul (RS) e Canoas (RS). 

Também terão direito à reaplicação os 160.548 estudantes que fariam a prova no Estado do Amazonas, 2.863 em Rolim de Moura (RO) e 969 em Espigão d'Oeste (RO). O exame foi suspenso por causa dos impactos da pandemia nessas localidades. Ao todo, segundo o Ministério da Educação, foram quase 20 ações judiciais em todo o país contrárias à realização do Enem.  

Os pedidos de reaplicação serão analisados pelo Inep. A aprovação ou a reprovação do pedido de reaplicação deverá ser consultada também na Página do Participante. Os participantes também podem entrar em contato com o Inep pelo telefone 0800 616161. O Inep recomenda, no entanto, que os candidatos façam a solicitação pela internet.  

Enem 2020

O Enem 2020 tem uma versão impressa, que foi aplicada nos dois últimos domingos, 17 e 24, e uma digital, que será realizada de forma piloto para 96 mil candidatos, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. 

O Inep divulgará, até quarta-feira (27), os gabaritos das questões objetivas do Enem. Mesmo com o gabarito em mãos não é possível saber quanto se tirou no exame. Isso porque as provas são corrigidas com base na teoria de resposta ao item (TRI). A pontuação de cada estudante varia, entre outros fatores, de acordo com o desempenho do próprio candidato no exame. 

O resultado final será divulgado no dia 29 de março. Os candidatos podem usar as notas para concorrer a vagas no ensino superior, por meio de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece vagas em instituições públicas de ensino superior, e o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas de estudo em instituições privadas. 

(Fonte: Agência Brasil)

.

Sem aulas presenciais em 2020, estudantes relatam que se sentiram prejudicados no segundo dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Nesse domingo (24), os participantes fizeram as provas de matemática e de ciências da natureza. Com isso, encerrou-se a aplicação da versão impressa do Enem, que começou no último domingo (17), com as provas de linguagens, ciências humanas e redação. Os gabaritos serão divulgados na quarta-feira (27).

“O Enem não é difícil, é uma prova fácil, mas, se não tem acesso à educação básica, qualquer prova que vá fazer vai achar difícil”, disse a estudante Suelem Carvalho, 22 anos. Moradora da Maré, o maior complexo de favelas do Rio de Janeiro, ela relata que teve problemas com a conexão da internet e não conseguiu acompanhar as aulas on-line. “Temos problemas de sinal na Maré, e o pacote de internet não sustentava as aulas on-line. Ficamos muito despreparados”.

A estudante, que pretende cursar biologia, disse que só compareceu ao exame para não perder a isenção da inscrição. Os participantes isentos de pagar a inscrição do Enem perdem a isenção na aplicação seguinte caso não justifiquem a falta. O valor cobrado é de R$ 85. 

Além de se sentir despreparada, o fato de fazer o exame em meio à pandemia também deixou Suelem ansiosa. “Fazendo a prova, você toca na mesa, não sabe se a limparam, toca no olho, tira a máscara para comer. Isso já pode fazer com que pegue o vírus. E, se você mesma está assintomática, pode passar para alguém”, diz.

O estudante Samuel Serra da Silva, 19 anos, também se sentiu prejudicado. Ele conta que faltou um espaço adequado em casa para estudar e que não conseguiu se adaptar ao ensino a distância. Ele pretende cursar, novamente, o 3º ano do ensino médio este ano, possibilidade oferecida na escola pública onde estuda no Rio de Janeiro. Ele pretende cursar psicologia.

Sobre as medidas de segurança, ele conta que o espaçamento entre os estudantes aumentou em relação ao primeiro dia de aplicação. “Colocaram uma cadeira vazia entre os participantes, tinha um distanciamento maior. Sobre a máscara, achei um pouco ruim para respirar, mas é normal, é assim que saímos na rua e é assim que devemos também fazer a prova. Foi tranquilo”.

Em Piracuruca (PI), o estudante Edilton Brandão de Sousa, 18 anos, disse que, em exatas, se sentiu mais prejudicado por causa da falta de aulas presenciais que em humanas. "Porque exatas exigem mais as demonstrações de cálculos. E os professores precisam do quadro para mostrar para os alunos. E nossas aulas on-line foram todas pelo WhatsApp", disse.

Mesmo assim, ele reconheceu o esforço dos professores e disse que, de forma geral, achou "boas as questões. Havia poucas difíceis". Sousa quer cursar arquitetura.  

Comentários dos professores

Segundo a professora de química do ProEnem, que fez o exame, Caroline Azevedo, as provas estavam mais fáceis que em anos anteriores. "Achei mais fácil que nos últimos cinco anos. Achei a prova com muita teoria e pouco cálculo. Senti falta de alguns assuntos recorrentes, como eletroquímica. Alguns assuntos voltaram a aparecer, como radioatividade. Havia, também, muitas questões interdisciplinares [que envolvem mais de uma disciplina], com biologia e química”. 

Segundo a professora, no local onde fez prova, havia menos participantes que no primeiro dia de aplicação. “Muitos alunos faltosos, mais de 20”. No primeiro dia de aplicação, o exame teve uma abstenção recorde de 51,5%. Do total de 5.523.029 inscritos para a versão impressa do Enem, 2.842.332 faltaram às provas. 

"Sobre a prova de ciências da natureza, a gente pode dizer que foi do mesmo nível que em anos anteriores. Porém, o que chamou atenção foi a prova de biologia. Talvez tenha sido considerada a mais difícil das provas do Enem. Não no sentido do conteúdo, mas porque o aluno precisava ler muitas vezes para chegar à resolução dela", diz o professor Ademar Celedônio, diretor de Ensino e Inovações Educacionais do SAS Plataforma de Educação.

Segundo o professor, a prova de matemática teve uma boa distribuição dos assuntos, cobrando também conteúdos do ensino fundamental. "Porcentagem, regra de três, média, geometria. Mantendo um padrão, a prova trouxe, também, 14 questões de diversos assuntos em que eram abordados gráficos e tabelas", disse. 

Enem 2020

O Enem 2020 tem uma versão impressa, que começou a ser aplicada no último domingo (17) e terminou nesse domingo, e uma digital realizada de forma piloto para 96 mil candidatos, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

As medidas de segurança adotadas em relação à pandemia do novo coronavírus são as mesmas tanto no Enem impresso quanto no digital. Haverá, por exemplo, um número reduzido de estudantes por sala, para garantir o distanciamento entre os participantes. Durante todo o tempo de realização da prova, os candidatos estarão obrigados a usar máscaras de proteção da forma correta, tapando o nariz e a boca, sob pena de serem eliminados do exame. Além disso, álcool em gel estará disponível em todos os locais de aplicação.

Candidatos com sintomas de covid-19 ou outra doença infectocontagiosa foram orientados a não comparecerem ao exame. Eles devem notificar o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) pela Página no Participante e terão direito a fazer o exame na data da reaplicação, nos dias 23 e 24 de fevereiro.

O exame foi suspenso no Estado do Amazonas, onde 160.548 estudantes estão inscritos para as provas; em Rolim de Moura (RO), onde há 2.863 inscritos; e, em Espigão d'Oeste (RO), com 969 inscritos, devido aos impactos da pandemia nessas localidades. Esses estudantes poderão fazer as provas também na reaplicação. Segundo o Ministério da Educação, foram cerca de 20 ações judiciais em todo o país contrárias à realização do exame.

(Fonte: Agência Brasil)

Presidente do Inep

O segundo dia de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 teve 55,3% de faltas, abstenção recorde no exame, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Do total de 5.523.029 inscritos no exame, menos da metade, 2.470.396, compareceu aos locais de prova. O índice foi maior que no primeiro dia, quando 51,5% dos inscritos não compareceram às provas. 

A média histórica de abstenção no Enem, segundo o Inep, é de cerca de 27%. O recorde anterior havia sido registrado em 2009, com 37,7% de abstenção. Foram eliminados no segundo dia 1.274 participantes por descumprirem as regras do exame, além de 14 emergências médicas. No primeiro dia, 2.967 candidatos foram eliminados.

De acordo com o presidente do Inep, Alexandre Lopes, o número de faltosos foi maior do que o esperado, mesmo assim, a realização do exame foi vitoriosa. “Têm vários motivos que podem levar as pessoas a fazerem ou não a prova do Enem, é uma decisão individual, e eu respeito a decisão individual das pessoas. O que é importante é o Inep assegurar a oportunidade, e isso nós fizemos. Estamos dando a oportunidade de quem quer fazer o Enem poder fazer”, diz. "Conseguimos assegurar, no meio da pandemia, que 5,6 milhões pudessem fazer a prova e que 2,5 milhões fizessem as provas. Acho que isso é uma vitória", acrescenta.

Segundo Lopes, o segundo dia transcorreu com tranquilidade. Não houve, até o momento, notificações de pessoas que foram impedidas de realizar o exame por causa da lotação das salas, como aconteceu no primeiro dia de aplicação. O Inep atualizou os números divulgados no último domingo. Até o momento, foi confirmado que isso se deu em 11 cidades, em 37 escolas.

Tanto esses estudantes quanto os participantes que foram prejudicados por questões logísticas, como falta de luz no local de prova, e aqueles que não fizeram o exame por apresentarem sintomas de covid-19 ou outra doença infectocontagiosa terão direito a fazer o exame na data da reaplicação, nos dias 23 e 24 de fevereiro.

O pedido para participar da reaplicação deve ser feito na Página do Participante. O sistema estará aberto, segundo Lopes, a partir das 12h desta segunda-feira (25). O prazo vai até o dia 29. Os resultados serão divulgados no dia 12 de fevereiro, quando os estudantes saberão se os pedidos foram aceitos ou não.

Segundo o Inep, até o momento, 18.210 candidatos solicitaram a reaplicação por causa de doenças infectocontagiosas. Desses pedidos, o Inep aceitou 13.716. “Nesses casos, não é preciso pedir a reaplicação porque o pedido foi feito no sistema, já foi deferido. Para essas pessoas, já estamos trabalhando na elaboração da prova. 

Enem 2021

Lopes confirmou a realização este ano do Enem 2021. Segundo ele, a prova deverá ocorrer no fim do ano, entre novembro e dezembro. A autarquia se prepara para realizar o exame novamente em um ambiente de pandemia. “Vamos fazer o Enem no final do ano, também no ambiente de pandemia. Entendemos que a aplicação do Enem em novembro, dezembro, será sob a cortina da pandemia. Em breve, soltaremos o edital do Enem 2021. Precisamos começar agora a preparar a aplicação do Enem”, diz.

De acordo com Lopes, é importante que o Inep mantenha o calendário das avaliações para que a sociedade não seja prejudicada e para que os estudantes não interrompam a trajetória de estudos.  

Gabaritos

O Enem 2020 tem uma versão impressa, que começou a ser aplicada no último domingo (17) e terminou nesse domingo, e uma digital, [Linkhttps://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2021-01/presidente-do-inep-explica-como-sera-primeira-edicao-do-enem-digital] realizada de forma piloto para 96 mil candidatos, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

As notas do Enem podem ser usadas para ter acesso ao ensino superior e participar de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e o Programa Universidade para Todos (ProUni). O gabarito das provas da edição impressa será divulgado na quarta-feira (27).

(Fonte: Agência Brasil)

O Prêmio Sesc de Literatura edição 2021 abre inscrições na próxima segunda-feira (25), para escritores com obras inéditas nas categorias conto e romance. As inscrições são gratuitas. Os interessados têm até 19 de fevereiro para concluir o processo de inscrição, que é feito via internet. O regulamento completo pode ser acessado no site.

O Prêmio Sesc de Literatura é considerado um dos mais importantes do país. Ao oferecer oportunidades aos novos escritores, a premiação contribui para a renovação do panorama literário brasileiro e enriquece a cultura nacional. Os vencedores têm suas obras publicadas e distribuídas pela Editora Record, com tiragem inicial de 2 mil exemplares. Desde sua criação em 2003, mais de 16 mil livros foram inscritos e 31 novos autores foram revelados.

O analista de Literatura do Departamento Nacional do Sesc, Henrique Rodrigues, salientou que a parceria com a Editora Record contribui para a credibilidade e a visibilidade do projeto, uma vez que insere os livros na cadeia produtiva do mercado livreiro. Rodrigues observou que apesar da pandemia do novo coronavírus, o prêmio segue rumo à sua décima oitava edição, com o propósito de revelar novos escritores. 

Desde 2003, a premiação se consolidou como a principal porta de entrada de autores iniciantes no mercado literário do país. No ano passado, foram inscritos 1.358 livros, sendo 692 romances e 666 contos, informou o analista. 

Anonimato

Os livros são inscritos pela internet por pseudônimos. Rodrigues afirmou que isso impede que os integrantes da comissão avaliadora reconheçam os reais autores, o que evita qualquer favorecimento. Os romances e contos são avaliados por escritores profissionais renomados, que selecionam as obras vencedoras pelo critério da qualidade literária. Os autores premiados vêm sendo convidados para outros importantes eventos internacionais, como a Primavera Literária Brasileira, realizada  na França; o Festival Literário Internacional de Óbidos, em Portugal; e a Feira do Livro de Guadalajara, no México.

Os vencedores da edição de 2020 foram Caê Guimarães, do Espírito Santo, na categoria romance, com a obra “Encontro você no oitavo round”; e Tônio Caetano, do Rio Grande do Sul, na categoria conto, por “Terra nos Cabelos”. Henrique Rodrigues avaliou que a escolha de vencedores de diferentes partes do Brasil reafirma o aspecto de diversidade do projeto em descobrir talentos de todas as regiões do país.

Em 17 anos de prêmio, diversos autores foram descobertos e se consolidaram na literatura nacional, entre os quais estão Juliana Leite, Rafael Gallo, Luisa Geisler, André de Leones, Franklin Carvalho, Sheyla Smanioto e Lucia Bettencourt.

(Fonte: Agência Brasil)

Pelo sétimo ano consecutivo, a  TV Brasil acompanha o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com o especial Caiu no Enem. O programa tem a participação de professores que fazem a correção das principais questões logo após o término do segundo dia de provas neste domingo (24), ao vivo, às 19h30.

Além da transmissão na telinha da emissora pública e nas redes sociais da TV Brasil, a produção também vai ao ar pelas rádios Nacional FM Brasília (96,1 MHz), Nacional de Brasília (AM 980 kHz), Nacional do Rio de Janeiro (AM 1130 kHz) e Nacional da Amazônia (OC 11.780KHz, 6.180KHz).

Apresentado pela jornalista Priscila Rangel, o especial recebe especialistas em matemática e ciências da natureza e suas tecnologias (física, química e biologia). Esses professores comentam o exame, destacam quais foram os principais temas cobrados, apontam as surpresas e analisam as questões mais complexas e polêmicas.

Além de resolverem alguns dos pontos mais relevante da avaliação, os convidados tecem comentários gerais sobre a prova. O Caiu no Enem também explica o cálculo da nota, mostra como os estudantes podem utilizá-la.

Os educadores ainda compartilham orientações sobre escolha da carreira, concorrência para ingresso na faculdade, mercado de trabalho, profissões, habilidades e aptidões do futuro. Eles também trazem outras dicas e esclarecem dúvidas dos estudantes sobre o sistema de seleção para acesso ao ensino superior.

Produzido pelos veículos da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), o programa ainda tem flashes com a cobertura jornalística do Enem. A equipe de reportagem traz a participação dos alunos com entrevistas e mostra trechos da coletiva.

Os interessados em participar do especial podem interagir pelas redes sociais. Basta utilizar a hashtag #EBCnoEnem que será usada em todos os veículos da EBC durante a cobertura que as diversas produções fazem do exame

Plataforma reúne questões do Enem

A Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) preparou um banco que reúne todas as questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2009 a 2019 para os alunos testarem seus conhecimentos e se prepararem melhor para a prova.

No sistema, o estudante pode escolher quais áreas do conhecimento quer estudar. A plataforma vai selecionar as questões de maneira aleatória para que o candidato possa resolvê-las. A página busca ajudar os alunos ao facilitar o acesso e familiarizá-los às mais recentes abordagens da avaliação.

Sobre os conteúdos das provas

Ao todo, cerca de 5,8 milhões de estudantes estão inscritos para fazer as provas do Enem 2020. Essa edição do exame terá uma versão impressa, nos dias 17 e 24 de janeiro, e uma digital, realizada de forma piloto para 96 mil candidatos, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. As medidas de segurança adotadas em relação à pandemia do novo coronavírus serão as mesmas tanto no Enem impresso quanto no digital.

No dia 17 de janeiro, os alunos fizeram 45 questões de ciências humanas e suas tecnologias que envolvem conhecimentos de história, geografia e sociologia. Também resolveram 45 questões de linguagens, códigos e suas tecnologias e escreveram uma redação. Essa primeira prova teve cinco horas e meia de duração.

Já neste domingo, dia 24 de janeiro, os concorrentes terão cinco horas para fazer as 45 questões de matemática e mais 45 de ciências da natureza que avaliam o aprendizado em disciplinas como física, química e biologia. 

Alerta para o horário do exame

A aplicação do Enem segue o horário de Brasília. Os portões sempre abrem às 12h e fecham às 13h. A avaliação começa às 13h30. Os estudantes devem ficar atentos para verificar na localidade onde moram o horário exato do exame. 

Serviço:

Caiu no Enem
Domingo, dia 24/1, ao vivo, das 19h30 às 21h
Site: https://tvbrasil.ebc.com.br/webtvFacebookhttps://www.facebook.com/tvbrasil
Twitter: https://twitter.com/TVBrasil

Veículos: TV BrasilRádios Nacional FM Brasília (96,1 MHz), Nacional de Brasília (AM 980 kHz), Nacional do Rio de Janeiro (AM 1130 kHz) e Nacional da Amazônia (OC 11.780KHz, 6.180KHz)

(Fonte: Agência Brasil)

.

Estudantes de todo o país fazem, hoje (24), a segunda prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Os portões serão abertos às 11h30. Os estudantes podem entrar no local de prova até as 13h, no horário de Brasília, e as provas começam a ser aplicadas às 13h30. Neste domingo, os participantes fazem as provas de matemática e de ciências da natureza, com 45 questões cada uma. Os estudantes terão cinco horas para resolver as questões. A prova termina às 18h30.

Por causa da pandemia do novo coronavírus, a recomendação é que os estudantes cheguem com antecedência e que seja mantido o distanciamento entre as pessoas, mesmo fora dos locais de aplicação. Quem for diagnosticado com covid-19 ou apresentar sintomas dessa ou de outras doenças infectocontagiosas até o momento do exame não deverá comparecer ao local de prova e sim entrar em contato com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Esses estudantes terão direito a fazer a prova na data de reaplicação do Enem, nos dias 23 e 24 de fevereiro. A partir de amanhã (25), eles podem fazer o pedido na Página do Participante.

No último domingo (17), os participantes fizeram as provas objetivas de linguagens e ciências humanas, com 45 questões cada uma, e a prova de redação. Encerrada a aplicação do Enem impresso, o gabarito das provas objetivas deverá ser divulgado até esta quarta-feira (27) e, as notas finais, no dia 29 de março. Com as notas em mãos, os estudantes podem pleitear uma vaga no ensino superior.    

Itens obrigatórios

Para fazer o exame, alguns itens são obrigatórios. Neste ano, além do documento oficial de identificação com foto e da caneta esferográfica de tinta preta, fabricada em material transparente, itens obrigatórios também nos exames anteriores, a máscara de proteção facial passa a integrar essa lista. Os participantes que não estiverem com máscara de proteção facial não poderão ingressar no local de prova. 

É recomendado que os participantes levem máscaras extras para trocar durante a prova. Haverá nos locais de prova álcool em gel para que os estudantes higienizam as mãos, mas é permitido que os participantes levem seu próprio produto caso desejem.

Como se trata de uma prova longa, também é recomendado que os participantes levem lanche e água e/ou outras bebidas, com exceção de bebidas alcoólicas que não são permitidas e podem levar à eliminação do candidato. É recomendado também que se leve no dia do exame o Cartão de Confirmação da Inscrição. Nele está, entre outras informações, o local de prova. O cartão pode ser acessado na Página do Participante

Caso necessitem comprovar que participaram do exame, os estudantes podem, também na Página do Participante, imprimir a chamada Declaração de Comparecimento para cada dia de prova, informando o CPF e a senha. A declaração deve ser apresentada ao aplicador na porta da sala em cada um dos dias. Ela serve, por exemplo, para justificar a falta ao trabalho.  

Enem 2020

O Enem 2020 terá uma versão impressa, que começou a ser aplicada no último domingo (17) e termina neste domingo, e uma digital, realizada de forma piloto para 96 mil candidatos, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.  

As medidas de segurança adotadas em relação à pandemia do novo coronavírus serão as mesmas tanto no Enem impresso quanto no digital. Haverá, por exemplo, um número reduzido de estudantes por sala, para garantir o distanciamento entre os participantes. Durante todo o tempo de realização da prova, os candidatos estarão obrigados a usar máscaras de proteção da forma correta, tapando o nariz e a boca, sob pena de serem eliminados do exame. Além disso, o álcool em gel estará disponível em todos os locais de aplicação.

No primeiro dia de aplicação, o exame teve uma abstenção recorde de 51,5%. Do total de 5.523.029 inscritos para a versão impressa do Enem, 2.842.332 faltaram às provas. 

O exame foi suspenso no estado do Amazonas, onde 160.548 estudantes estão inscritos para as provas; em Rolim de Moura (RO), onde há 2.863 inscritos; e, em Espigão D'Oeste (RO), com 969, devido aos impactos da pandemia nessas localidades. Esses estudantes poderão fazer as provas também na reaplicação, nos dias 23 e 24 de fevereiro. Segundo o Ministério da Educação, foram cerca de 20 ações judiciais em todo o país contrárias à realização do exame.

(Fonte: Agência Brasil)

Depois da última refeição, fixou-se na varanda da Casa Grande, antiga, histórica, na Rua do Egito, hoje Tarquínio Lopes Filho. E dele a conversa amiga, alegre, festiva. A conversa de sempre com os seus familiares. Muitas horas assim, muito tempo na narrativa dum acontecimento, dum fato, duma piada. Nele, o amadurecimento dos anos. Nele, a sua tranquilidade de espírito. Nele, o Passado vivendo nele. Sua vida em trabalho, em inteligência. Nele, o médico. Uma soma de conhecimentos preciosos. Uma expressão fortíssima de valor mental. E, diante dele, a família: Dona Cirila. Uma parente, uma amiga de muitos anos. A companheira de tantas idades. Depois que a mãe morreu, ela ficava. Nela, a assistência de todos os momentos.

E Cesário Veras conversava. Na velhice, a marca de todas as resistências. Uma velhice sem sustos. E, na palestra, o toque de sua boêmia espiritual. A vibração de sua alma de artista, um cultivador do Belo, da Arte. Uma vida na abundância e no esbanjamento de suas emoções. Sim, conversava na noite, na iluminação dos candelabros. Alma simples. Boa. Uma mensagem de solidariedade humana. Médico. Formou-se, em 1918, pela Universidade da Bahia. Nasceu em Rosário, em 20 de outubro de 1889. E Cesário Veras conversava e prendia a atenção da pequena assistência.

E os que o olhavam, certamente, relembravam o homem público que viveu o ilustre médico maranhense. Sim, esteve no Legislativo Estadual, um representante do povo. Dele, a palavra medida, a grandeza da atitude política. Decepcionou-se. Esteve na Saúde, ocupando o posto de secretário. Sanitarista. Publicou estudos. Atuação eficiente e conquistou aplausos. Depois, secretário de Educação. A mesma conduta. A participação válida. Depois, nele, o Mestre, professor da Faculdade de Farmácia e do Colégio Santa Teresa. Aí, a cultura. O didático. O professor convincente. Toda sua vida nessas caminhadas difíceis. Com ele, a força da sua capacidade de trabalho. A riqueza de pensamento evoluído. Sua vida num cumprimento do dever. Sua vida no exercício dos compromissos assumidos. Uma afirmação constante. Era assim Cesário veras.

Mas ele conversava na varanda. E, de momento, interrompe a palestra. Sim, ia dormir. Tinha que acordar cedo. E viram-no encaminhar-se para seu quarto. Um quarto de casal abrigando a vida de um solteiro. Entrou e lá estava a sua cama de pau-brasil. Toda a mobília construída pela madeira histórica, “cor de brasa” que deu origem ao nome: BRASIL.

Sim, entrou e acomodou-se. E, com os que ficaram, a lembrança viva do médico, do homem ilustre. E diante deles, agora, o outro Cesário Veras: o enamorado das relíquias, o operário das coisas raras. Com ele, o milagre de realizar milagres! E vieram, para o ornamento da casa antiga, os candelabros. Com cada um, uma forma. Com cada um, uma mensagem de arte. A mão que escrevia a fórmula para salvar doentes trabalhava para salvar relíquias! E organizou o seu Museu de Arte. E o sobradão passou a ser uma atração turística da cidade, desta São Luís que ele tanto amou: seu passado e suas tradições.

Reconstruiu o prédio antigo. No corredor, duas estátuas: a Arte e a Indústria. Em toda a casa, a presença de obras preciosas e pouco vulgar. E, no salão principal, o plano de cauda, antigo, vestido de cuidados. Ali, o seu dono executava a música de sua predileção. A música clássica. Ali, vibrando as teclas do instrumento de sua predileção, esquecia as amarguras, afastava as decepções sofridas, a ingratidão dos homens, a maldade dos homens. Era a sua vida em repouso. Era a sua vida em amor. Amor ternura, amor inteligência, amor arte, espírito. Era assim.

E Cesário Veras dormia. Um pouco mais, a varanda dormia. A casa entrava na ronda do silêncio, da noite calma. E manhã ainda, cedo ainda, sol entrando pelas janelas, a vida em trepidação, tudo acordando, acordando os sonhos, a vida. Tudo. Mas Cesário Veras dormia. E, quando dona Cirila entrou no quarto para chamar o “seu Nhouzá”, Cesário Veras dormia ainda, mas dormia o sono da eternidade. Seu coração estava sossegado. Seus olhos estavam fechados para a vida, para o sol, para as suas relíquias. Morrera à noite, à sombra de seus sonhos mais lindos, talvez sonhando com os seus candelabros, com a sua mobília de pau-brasil, com seu piando de cauda, com o seu Museu de Arte, sonhando com a sua velha Cirila. Tudo assim. E, à tardinha, sol no poente, no caixão de pinho, suas mãos cruzadas sobre o peito, seu caixão de rosas, Cesário Veras, seu corpo, foi sepultado numa cova perto da Capela do Cemitério do Gavião.

Mas na cidade onde foi criança, na cidade onde cresceu, onde trabalhou, onde foi útil, ficará nítida a sua lembrança, ficará sua vida na vida tradição e cultura da cidade. É a nossa homenagem. É a homenagem do povo.

* Paulo Nascimento Moraes. “A Volta do Boêmio” (inédito) – “Jornal do Dia”, 8 de janeiro de 1969 (quarta-feira).