Saltar para o conteúdo

O Ministério da Educação (MEC) está finalizando um caderno que explicará as diretrizes, os princípios e os objetivos da Política Nacional de Alfabetização (PNA). A intenção é que as escolas passem a alfabetizar as crianças no primeiro ano do ensino fundamental, ou seja, geralmente aos 6 anos de idade.

A orientação está em decreto publicado no último dia 11 no “Diário Oficial da União”. A política prevê ajuda financeira e assistência técnica da União para os municípios que aderirem ao programa, a elaboração de material didático-pedagógico para ser usado nas escolas e o aumento da participação das famílias no processo de alfabetização dos estudantes.

A ênfase da alfabetização no primeiro ano é uma das novidades. Em 2017, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que define o mínimo que os estudantes devem aprender a cada etapa de ensino, estipulou que as crianças fossem alfabetizadas até o 2º ano do ensino fundamental, ou seja, geralmente aos 7 anos.

Pelo Plano Nacional de Educação (PNE), lei 13.005/2014, as crianças devem ser alfabetizadas, no máximo, até o fim do 3º ano do ensino fundamental, ou seja, aos 8 anos de idade.

Elevar os índices de alfabetização é uma das prioridades do governo e a definição da política uma das metas dos 100 dias de governo. De acordo com os últimos dados da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), aplicada em 2016, mais da metade dos estudantes do 3º ano do ensino fundamental apresentaram nível insuficiente de leitura e em matemática para a idade, ou seja dificuldade em interpretar um texto e fazer contas.

A política será voltada também para os mais velhos. Uma das ações previstas é o desenvolvimento de material didático-pedagógico específico para a alfabetização de jovens e adultos da educação formal e da educação não formal. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de analfabetismo no país entre pessoas com 15 anos ou mais de idade foi estimada em 7% em 2017.

Para a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), o decreto precisa de esclarecimentos sobre como se dará a implementação. “A implementação depende de ações e estratégias, para que seja levada adiante, elas vão falar com mais clareza”, diz o presidente da Undime, Alessio Costa Lima. Segundo a assessoria de imprensa do MEC, ainda não há uma data específica para a publicação do caderno explicativo.

O decreto não chega a especificar, mas coloca como componentes essenciais para a alfabetização conceitos do método fônico. Os componentes são: consciência fonêmica; instrução fônica sistemática; fluência em leitura oral; desenvolvimento de vocabulário; compreensão de textos; e produção de escrita.

“O melhor método é aquele que o professor se sente seguro para utilizar, que faz o aluno ser alfabetizado”, defende o presidente da Undime. Além disso, segundo ele, preocupa a priorização da alfabetização no primeiro ano do ensino fundamental. “As crianças têm ritmos de aprendizagem diferentes”. Os dirigentes municipais de educação defendiam que o decreto mantivesse o prazo de alfabetização da BNCC, até o 2º ano do ensino fundamental.

Participação da família

A presidente da Associação Brasileira de Alfabetização, Isabel Frade, destaca outro ponto que precisa de esclarecimento, que é a participação das famílias. Uma das diretrizes da política é “participação das famílias no processo de alfabetização por meio de ações de cooperação e integração entre famílias e comunidade escolar”, segundo o decreto.

“As famílias têm que ser chamadas a participar. Queremos toda a perspectiva da família como agente de processo de letramento e elas podem alfabetizar seus filhos. Mas, quais famílias? Com alta escolarização? Famílias que ficam fora o dia inteiro? Que famílias são essas e o que significa colocar essas famílias na política?” Ela ressalta ainda que, quanto ao método de alfabetização, falta uma pesquisa nacional para verificar quais são as práticas exitosas.

O decreto prevê que serão adotados mecanismos de avaliação e monitoramento da Política Nacional de Alfabetização, tais como a avaliação de eficiência, eficácia e efetividade de programas e ações implementados e o incentivo ao desenvolvimento de pesquisas acadêmicas para avaliar as ações da política.

Ministério da Educação

Em nota, o MEC diz que o objetivo da política é atingir as metas previstas no PNE, de alfabetizar todas as crianças até o 3º ano do ensino fundamental e de erradicar o analfabetismo absoluto e reduzir em 50% a taxa de analfabetismo funcional até 2024.

“A PNA não determina nenhum método especificamente. A adesão dos entes federados aos programas e às ações da PNA será voluntária”, justifica a pasta, que destaca que a política “pretende inserir o Brasil em um rol de países que escolheram a ciência como fundamento na elaboração de suas políticas públicas de alfabetização, trazendo os avanços das ciências cognitivas para a sala de aula”.

(Fonte: Agência Brasil)

Os ministérios da Educação (MEC) e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) lançaram, nesta semana, o programa Ciência na Escola. O objetivo da iniciativa é qualificar o ensino de temas relacionados à disciplina em escolas públicas, nos ensinos fundamental e médio. Serão disponibilizados R$ 100 milhões para instituições apresentarem projetos visando a estimular essa temática nos bancos escolares.

Poderão concorrer a esses recursos redes de instituições que envolvam escolas, universidades, centros de ciência e espaços de desenvolvimento científico e inovação. As verbas serão distribuídas em diferentes escalas de projetos, como estadual (R$ 4 milhões), interestadual (R$ 10 milhões) e regional (R$ 20 milhões).

Os ministérios anunciaram outros projetos dentro do programa. As pastas vão ampliar a Olimpíada Nacional de Ciências, atualmente uma iniciativa do MCTIC em parceria com a Universidade Federal do Piauí. O investimento previsto é de R$ 1 milhão. A meta é ampliar o escopo da competição e chegar a 1 milhão de alunos de diferentes Estados.

Entre as medidas está prevista também uma chamada pública para destinar recursos a pesquisadores com estudos relacionados ao tema, com foco no ensino de matérias dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio. O objetivo é disseminar a prática científica e aproximar universidades, instituições científicas e tecnológicas e escolas públicas.

Os ministérios vão implementar uma plataforma que ganhou o nome de “Ciência é 10”, voltada à qualificação de professores em assuntos vinculados à área. Professores poderão fazer especialização a distância em ensino de ciências. Além disso, outra plataforma foi desenvolvida pela Rede Nacional de Pesquisa para facilitar o acompanhamenhttps://t.co/Pu0hLV6FGRto das ações do conjunto do programa.

Em sua conta no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro postou uma mensagem hoje (19) sobre o programa.
Segundo ele, um dos objetivos é estimular a formação de jovens em "áreas esquecidas".

(Fonte: Agência Brasil)

Aos 35 anos, Maritana Silva dos Santos Neta vive o sonho que tem desde os 16 anos: cursar engenharia civil. Indígena do povo Tuxá de Banzaê (BA), ela sempre quis ter um curso superior no currículo e ajudar a comunidade, mas a falta de recursos sempre foi um empecilho.

“É uma grande chance para mim, que queria desde os 16 anos, mas não consegui. Terminei o ensino médio com 18 anos, mas meu pai não podia, na época, bancar os meus estudos. A parte financeira é o grande problema. Tenho primos que começaram a estudar e tiveram que trancar a matrícula pelo custo”, diz.

Com uma bolsa de 50% na Faculdade Zacarias de Goés, em Valença (BA), a estudante conseguiu começar a estudar e resolveu se mudar para a nova cidade com o marido e a filha de 8 anos.

“Eu tenho consciência que o mercado não está fácil agora para engenharia e construção, mas acredito que vai melhorar. Entrei na faculdade com foco em construções sustentáveis. Quero levar isso para minha região, para perto da minha família, para poder ajudar de alguma forma”, explica.

Maritana está entre os 56,7 mil indígenas matriculados no ensino superior do país, número que representa 0,68% do total de 8,3 milhões de estudantes matriculados nessa etapa, de acordo com o último Censo da Educação Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), de 2017. Assim como Maritana, a maioria dos indígenas (42,8 mil) está matriculada em instituições particulares de ensino superior.

Mais indígenas na faculdade

Apesar das dificuldades enfrentadas ainda hoje para ingressar e para se manter no ensino superior, levantamento do “site” Quero Bolsa, plataforma “on-line” em que estudantes podem obter descontos de instituições de ensino, mostra que, enquanto o total de ingressantes no ensino superior brasileiro avançou 48% desde 2010, a entrada de estudantes indígenas nas faculdades brasileiras deu um salto muito maior.

Em 2010, 2.723 alunos calouros que se declararam indígenas se matricularam nas faculdades. Em 2017, dado mais recente disponível, foram 25.670, número 9,4 vezes maior.

“O que a gente conclui é que esse aumento está muito atrelado à política de cotas. Precisamos oferecer educação para esses jovens e condições para entrar no ensino superior”, analisa o gerente de Relações Institucionais do Quero Bolsa, Rui Gonçalves.

Pela Lei de Cotas (Lei 12.711/12), 50% das vagas das universidades federais e das instituições federais de ensino técnico de nível médio devem ser reservadas a estudantes de escolas públicas. Dentro da lei, há a reserva de vagas para pretos, pardos e indígenas, de acordo com a porcentagem dessas populações nas unidades federativas.

Outra política pública ressaltada por Gonçalves é o Programa Bolsa Permanência, que concede auxílio financeiro para estudantes em situação de vulnerabilidade econômica. A bolsa para indígenas é de R$ 900.

Hoje, o percentual de estudantes indígenas em relação aos demais estudantes (0,68%) é maior que o percentual total de indígenas em relação à população do país (0,43%), de acordo com o último Censo, de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Contribuições científicas

Para a coordenadora da Kanindé - Associação de Defesa Etnoambiental, Neide Bandeira, a presença de indígenas no ensino superior traz importantes contribuições para a sociedade.

“É um ganho imenso também para a sociedade não indígena. Eles trazem a carga cultural, compartilham conhecimento cultural. Passam a interagir mais com outras sociedades e ajudam a diminuir o preconceito”, diz. Além disso, contribuem para o desenvolvimento científico do país, pois “passam a desenvolver sua própria pesquisa, com um olhar indígena”, acrescenta Neide.

Seringueira, Neide lutou para ter acesso à própria educação. Ela saiu do povoado onde morava aos 12 anos e foi para Porto Velho estudar. Os esforços da família renderam frutos e, hoje, ela trabalha para concluir o doutorado em geografia na Universidade Federal de Rondônia. “Quando vim para a cidade de Porto Velho, estava determinada a mudar a história contada, na qual os índios sempre se davam mal. Queria que fossem vencedores. Estudei para mostrar a história pelo lado daqueles que eram mostrados como vencidos”.

Dia do Índio

O dia 19 de abril é conhecido como Dia do Índio. A data foi instituída em 2 de junho de 1943 pelo então presidente da República, Getúlio Vargas. O Decreto-Lei nº 5.540, que criou a celebração, foi baseado no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, realizado no México, em 1940. A medida está registrada no Diário Oficial da União da época.

(Fonte: Agência Brasil)

Maria Eduarda Macieira, ou melhor Duda, tem oito anos e publicou o segundo livro escrito e ilustrado por ela. Duda participou hoje (18), na Biblioteca Parque Estadual, localizada na região central da capital fluminense, da Conversa Literária onde autografou sua segunda obra intitulada “Violeta”. Da mesma forma que seu primeiro livro, escrito quando ela tinha 6 anos de idade e intitulado “Minha Mãe é Gentil”, “Violeta” teve seu lançamento na Festa Literária de Paquetá.

Em conversa com a reportagem da Agência Brasil, Duda disse que está iniciando um terceiro livro intitulado “Vovó Que Cozinha”. A história é uma homenagem a sua avó. Indagada se pretende ser uma escritora quando crescer, Duda respondeu que ainda não sabe o que pretende ser no futuro.

O pai de Maria Eduarda, Alexandre Macieira, disse que a menina vive escrevendo e desenhando e, de vez em quando, imagina alguma coisa. “Com os desenhos é que vão nascendo as histórias”, explicou, orgulhoso da filha.

Conversa Literária

A edição especial do Conversa Literária de hoje ocorre em comemoração pelo Dia Nacional do Livro Infantil, comemorado nesta quinta-feira. O evento é resultado de parceria entre a Superintendência de Leitura e Conhecimento da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro com escritores e ilustradores e levou à Biblioteca Parque Estadual várias atrações, como contação de histórias, oficinas, bate-papo com autores para comemorar a data.

O superintendente de Leitura e Conhecimento da Secretaria de Cultura do Estado, Pedro Gerolimich, disse que a biblioteca está sempre aberta para esse tipo de iniciativa. “Nós entendemos que para cumprir a nossa missão de popularizar o livro, popularizar a biblioteca e o acesso às políticas culturais novas, só se for junto com a sociedade”.

Gerolimich disse que a biblioteca só será um lugar “bacana” de leitura popular a partir do momento que a sociedade civil se apodere dela. “O ponto alto é justamente receber uma proposta dessa de setores organizados do livro, da sociedade, das editoras”. O superintendente de Leitura e Conhecimento disse que, além do lançamento de livros, como o de Maria Eduarda, a Conversa Literária promove oficina com Francisco Gregório sobre contação de histórias e o mundo da leitura, além de reunião sobre o Plano Estadual do Livro, Leitura e Biblioteca, entre outras atrações. “É uma programação diversa de estímulo à leitura”.

Ampliação da leitura

Gestor da política de leitura no Estado, Gerolimich tem procurado ampliar o acesso à leitura nas bibliotecas do Rio. Nos 100 primeiros dias de sua gestão, ele conseguiu aumentar em quase 50% o acesso de pessoas à biblioteca em relação ao trimestre anterior. “A gente está conseguindo fazer com que a biblioteca seja mais popular e seja, de fato, um espaço público de efervescência, com pessoas circulando”.

Além da programação normal da Biblioteca Parque Estadual, o superintendente de Leitura e Conhecimento vai organizar, no segundo semestre, outros eventos literários, por meio de parceria. Entre eles, destacou o Salão Carioca do Livro e o Salão da Fundação Nacional do Livro Infantojuvenil. O superintendente está em conversas também para trazer para o espaço a Festa Literária das Periferias. “Estamos programando uma série de grandes eventos aqui na biblioteca, fora a programação normal do dia a dia”.

A edição especial do Conversa Literária foi idealizada pela professora e curadora do evento, Cíntia Barreto.

(Fonte: Agência Brasil)

Desenvolver a linguagem, a concentração, a memória e o raciocínio são alguns dos benefícios da leitura na primeira infância. Neste 18 de abril, Dia Nacional do Livro Infantil, a dica da escritora Alessandra Roscoe para incentivar o interesse da garotada pelos livros é tornar a leitura um momento de brincadeira, prazer e de fortalecimento dos laços afetivos.

A escritora diz que a literatura e a leitura para as crianças não podem ter como foco o aprender e a ideia de obrigação. Segundo ela, é preciso destacar o caráter lúdico, da descoberta, da diversão.

“A pedagogização da literatura trouxe junto a obrigação da leitura, e ela não pode ser associada à obrigação, mas ao lúdico, ao prazer e à brincadeira”, afirma.

“Temos que transformar a leitura em um grande prazer. E fazemos isso disponibilizando bons livros e momentos afetivos ao redor dos livros”, completa Alessandra, autora de livros infantis. Ela tem o projeto Uni Duni Ler de incentivo à leitura.

Pai não pode pegar livro e celular ao mesmo tempo

Transformar a leitura em uma experiência sensorial que envolva não apenas a audição e a visão é outra dica da escritora. Deixar a crianças tocar o livro e brincar com ele isso faz parte do processo.

Outro ponto importante é a disponibilidade dos pais no momento de ler um livro com o filho, a entonação usada durante a leitura e a demonstração de carinho e paciência. “O pai não pode estar com o livro e mexendo no celular ao mesmo tempo”, diz Alessandra.

A Sociedade Brasileira de Pediatria traz no “site” dicas sobre como escolher um bom livro para crianças. Uma delas é observar o projeto gráfico, se há diversidade de ilustrações; ter como ponto de partida histórias conhecidas com as quais os pais têm mais familiaridade; e prestar a atenção à reação das crianças, se elas riem, se movimentam quando escutam a leitura do livro indicando que estão gostando.

Em relação à escolha dos livros, Alessandra Roscoe defende que a literatura infantil também trate de temas como morte, raiva e frustração, situações que fazem parte da vida da criança.

Como lidar com sentimentos e emoções

A literatura, nesse caso, vai preparar as crianças para lidarem com os sentimentos e as emoções ao verem a forma como os personagens as vivenciam e superam seus medos.

“A leitura também traz equilíbrio emocional, segurança. Como eles vão lidar com esses sentimentos se nos livros os personagens nunca estão perto da realidade deles?”, questiona.

A publicação Primeira Infância, Primeiras Leituras, do Instituto Alfa e Beto, entidade que atua na área de educação, traz dicas para incentivar o hábito da leitura e sugestões sobre como levar os livros aos pequenos.

Dicas para incentivar a leitura

• Ter sempre bons livros e material de leitura em casa. Guarde os livros em local que a criança possa alcançar

• Frequente bibliotecas, livrarias e salas de leitura

• Coloque os livros e a leitura no dia a dia da família

Como ler para bebês e crianças

• Ler interagindo, mostrando, encenando, apontando, ouvindo, enfatizando rimas, conversando

• Ler imitando gestos ou fazendo barulhos engraçados

• Deixe a criança pensar, falar, perguntar

• Estimule a criança a observar as imagens e, aos poucos, as palavras

• Deixe a criança pegar no livro, virar as páginas

(Fonte: Agência Brasil)

As inscrições para a 12ª edição do Prêmio Professores do Brasil serão abertas nesta terça-feira (16). Todos os professores de escolas públicas, desde a creche até o ensino médio, podem participar. As inscrições podem ser feitas no “site” do prêmio até 31 de maio.

Neste ano, o prêmio conta com cinco temas especiais: Esporte como estratégia de aprendizagem; Uso de tecnologias de informação e comunicação (TICs) no processo de inovação educacional; Educação empreendedora; Criação e produção de linguagens de mídia por professores e estudantes no ensino fundamental e médio; e Aprendizagem Criativa.

O objetivo do prêmio é reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos nas salas de aula.

"O principal ator que ganha o prêmio é o estudante porque são projetos que ele precisa apresentar como resultado em termos de aprendizagem. Na relação ensino e aprendizagem, se a aprendizagem não se concretiza, o professor não ensinou, só informou", disse a coordenadora-geral de Valorização, Saúde e Bem-estar dos Profissionais de Educação da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Mara Ewbank.

"Aprende o professor, aprende o aluno, aprende a coordenação, aprende a direção da escola, aprendem os gestores educacionais. É um processo contínuo de aprendizagem. O prêmio é, a cada ano, mais reconhecido pela sociedade em geral, principalmente na escola pública", acrescentou.

Etapas

A premiação tem três fases. Na etapa estadual, são 486 premiados, dos quais 162 seguem para a próxima etapa, a regional. Na fase regional, há um vencedor por categoria, por região, totalizando 30 vencedores.

A etapa final, nacional, atinge seis vencedores, sendo um de cada categoria. Os professores vencedores da fase regional participarão do evento final, com todas as despesas de viagem custeadas pelo Ministério da Educação, além de ter suas experiências publicadas na página do prêmio.

O resultado final dos ganhadores deste ano será divulgado no dia 28 de novembro em Cuiabá (MT). Serão distribuídos R$ 278 mil em prêmios aos educadores, além de uma viagem para os seis vencedores nacionais e seus respectivos coordenadores pedagógicos, totalizando 12 pessoas.

Professora ganhadora

Vandete Pereira Lima, professora da Escola Classe 8, do Cruzeiro, em Brasília, foi uma das ganhadoras do Prêmio Professores do Brasil no ano passado. Ela recebeu a premiação pelo projeto Uma mensagem para você, desenvolvido nas turmas de alfabetização. Para incentivar os estudantes a ler e escrever, ela usou algo bastante comum nos dias de hoje: o formato de mensagens enviadas pelo celular.

Segundo a descrição do projeto, mais de 80% da turma demonstraram avanços nos objetivos de leitura, escrita, pontuação e uso de linguagem multimodal.

"Parece uma ideia supersimples, mas é altamente motivadora para nossos problemas. Hoje, a solução para nossos problemas é a criatividade", disse.

Apesar de a atuação do professor ser importante, Vandete afirmou que a melhora do desempenho dos estudantes depende também de uma boa estrutura de apoio nas escolas.

"Acho que a educação não pode trabalhar sozinha, tem que estar associada à saúde, tem que pensar em equipes multidisciplinares. O aluno de escola pública tem problema de alimentação, além de familiares. É preciso pensar em equipe de apoio para esses alunos. Só o professor em sala de aula não dá conta de todas essas questões que, de certa forma, vão influenciar no resultado do desempenho dos alunos", acrescentou.

(Fonte: Agência Brasil)

As comemorativas do Dia Nacional do Livro Infantil começaram nesta segunda-feira (15). A data é comemorada no dia 18, escolhida em homenagem ao dia do nascimento do escritor Monteiro Lobato, autor dos personagens do universo do Sítio do Picapau Amarelo e de clássicos como “Reinações de Narizinho”, “Caçadas de Pedrinho”, “A Menina do Nariz Arrebitado” e “Emília no País da Gramática”.

No Centro Cultural Light, no Rio de Janeiro, as comemorações do Dia Nacional do Livro Infantil começaram hoje com a ação Viva o Livro, que propõe a valorização da leitura e o desenvolvimento de novos leitores e escritores. Amanhã (16) e quarta-feira (17), em dois horários, haverá a ação Explorando o Livro no centro cultural. A atividade terá não só a leitura de livros infantis para o público, mas também mostrará toda as partes que compõem um livro: capa, contracapa, título, autor ou autora, ilustrador ou ilustradora. Após essas apresentações, ocorrerão contações para o público.

No dia 18, o centro cultural vai reunir público agendado e espontâneo para que os visitantes possam criar um pequeno livro ou livreto, a partir da experiência que tiveram no Centro Cultural, ou a partir de uma experiência marcante que tiveram com a leitura de um livro.

“A ideia é posta no papel, o Centro Cultural Light coloca capa e contracapa, de maneira que o visitante possa levar o livreto para casa. Não há nenhum tema específico. A gente deixa [as pessoas] bem à vontade para não cercear a imaginação do nosso visitante. A proposta vai ao encontro desse passeio que ele teve no Centro Cultural e do que mais o marcou, ou foi mais marcante a partir da leitura de um livro, mas se o visitante quiser fazer um novo desenho que não seja necessariamente uma dessas coisas, não tem problema nenhum”, disse o educador Rodrigo Fernandes, do Programa Educativo Cultural Light.

Nesta segunda, aproximadamente, 82 pessoas participaram do evento, entre público agendado e espontâneo. “As pessoas passaram e começaram a perceber que estava acontecendo essa troca de histórias no palco do bonde e quiseram participar. Foi muito legal porque, isso foi dito até por uma pessoa que estava lá, foi uma atividade que tocou no coração”, disse Fernandes.

Biblioteca Nacional

No ano em que a obra do escritor Monteiro Lobato caiu em domínio público, a Biblioteca Nacional (BN), também no Rio, vai inaugurar no dia 17 a exposição Monteiro Lobato: o Homem, os Livros, que estará aberta ao público do dia 18 de abril até 18 de julho. A exposição tem curadoria da bibliotecária Ana Merege e da coordenadora de Difusão Cultural da BN, Veronica Lessa.

A presidente da BN, Helena Severo, disse que Monteiro Lobato está presente na memória de várias gerações de brasileiros. “Além de reunir edições históricas dos livros de Lobato, a exposição traz também algumas de suas correspondências com grandes nomes da cultura brasileira de seu tempo. Mais do que homenagear, a proposta da exposição busca resgatar a memória literária de Monteiro Lobato através da disponibilização do vasto acervo da Biblioteca Nacional”, disse.

A exposição ocupa dois espaços no terceiro andar do prédio sede da Biblioteca Nacional e reunirá obras infantojuvenis e livros escritos por Lobato para adultos. O público poderá apreciar também desenhos do ilustrador Rui de Oliveira para a primeira adaptação das histórias de Lobato para a televisão, que foi a série “O Sítio do Pica-Pau Amarelo”.

(Fonte: Agência Brasil)

O Brasil é o segundo maior consumidor de café do mundo. Na primeira refeição do dia, durante o horário de trabalho ou até com eventos especiais nos fins de semana, o produto faz parte da rotina e da história de milhares de brasileiros. O Dia Mundial do Café é comemorado neste domingo (14).

“Pessoas nem conseguem entender porque elas tomam café, mas elas tomam todos os dias”, diz Victor Ávila Barista, dono de uma cafeteria em Brasília.

“Além de apreciar o gosto, tenho memórias afetivas com café, lembrando dos lanches na casa das minhas avós; de acordar com o cheirinho do café passado por minha mãe”, conta a médica Camila Damasceno. Ela toma o tradicional cafezinho todos os dias, “pelo menos, quatro vezes”.

A servidora do Banco do Pará Salete Gomes tem o mesmo hábito, consumindo a bebida diariamente. No fim de semana, ela tenta tomar apenas após o almoço, mas. durante a semana, conta que não consegue ficar sem. “Normalmente, quando não tomo café pela manhã, mesmo que faça o desjejum, sinto dor de cabeça”.

Consumo

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), o consumo médio anual por pessoa é de seis quilos de café cru e 4,8 quilos de café torrado e moído.

De acordo com dados mais atualizados da Abic, a produção nacional chegou a 21 milhões de sacas em 2018 (considerado o período entre novembro de 2017 e outubro de 2018).

A soma representou aumento de 5% em relação aos doze meses anteriores (novembro de 2016 a outubro de 2017), período no qual foi registrada a produção de 20 milhões de sacas.

A associação ressalta que o desempenho foi importante, considerando que houve uma baixa entre 2016 e 2017 da oferta do grão em razão de uma seca que atingiu a plantação do produto.

No consumo “per capita”, a variação entre os dois períodos foi de 4,65kg para 4,82kg de café torrado e moído.

A análise da evolução é complexa, já que a entidade alterou a metodologia (deixando de considerar as sacas de empresas não cadastradas). Mas, na série histórica, o Brasil teve uma boa evolução nos anos 2000, saindo de 13 milhões para 20 milhões de sacas em 2011. Depois disso, o país vem mantendo esse patamar.

Quanto ao tipo, o consumo ainda é dominado pelo café em pó, responsável por 81% do produto consumido no país, segundo dados de 2017.

Em seguida, vem o grão torrado, com 18%. As cápsulas, cada vez mais disponíveis em supermercados, representavam somente 1% do total no ano do levantamento.

A Abic avalia que há uma demanda maior por cafés de qualidade. Segundo estatísticas da associação, na análise dentro do que a entidade chama de “categoria de qualidade”, a modalidade “gourmet” teve participação de 6% em 2016. Mas a projeção da associação é que seu peso no mercado chegue a 12% neste ano.

Novas variedades

Vitor Ávila Barista também identifica este movimento por um maior interesse em cafés diferentes e especiais.

“Pessoas estão começando a entender que café pode ser uma bebida mais complexa do que vinho, cerveja. Por isso, há tantas cafeterias e torrefações abrindo”, destaca.

Segundo ele, há um trabalho com pequenos produtores, mas também os grandes estão saindo do que chamou de “café de ‘commodity’”. O país estaria rumando a um “viés de qualidade”.

Com isso, continua Ávila, o Brasil estaria se aproximando de nações com maior tradição em cafés especiais, como na América Central e na África.

“A gente é o maior produtor de café, mas não somos o produtor de café especial do mundo. O Brasil está se encaminhando para ser um dos maiores do mundo”, acredita.

Mas há quem prefira ficar no básico. “Gosto do tradicional, o pó embalado a vácuo, sentir aquele cheiro irresistível quando está sendo coado, no filtro de papel ou no velho coador de pano”, comenta a bancária Salete Gomes. “Tenho uma máquina Nespresso, às vezes é meu "momento Gourmet", mas nada substitui o bom café coado”, diz a professora de francês Rebeca Porto.

Impactos na saúde

A nutricionista Valéria Paschoal, da VP Centro de Nutrição Funcional, explica que os efeitos do café na saúde são diferentes em cada pessoa.

“Há pessoas que tomam o café e pequenas quantidades têm impacto na saúde, como maior hiperatividade, dificuldade de ter relaxamento, mas é coisa individual”, comenta.

Segundo ela, em termos gerais, estudos mostram que até 360 miligramas (o equivalente a seis xícaras de cafezinho) não tem consequência nenhuma na saúde.

“Há estudos mostrando que, para crianças tomar café pela manhã, pode ter benefícios na atividade cognitiva.

Outras pesquisas demonstram que o cafestol, o fitoquímico presente no café, tem atividade antioxidante na prevenção de várias doenças, afirma.

Para avaliar se o consumo acima desses parâmetros terá impactos negativos na saúde, acrescenta a nutricionista, é preciso averiguar diferentes elementos e características, como o quadro gástrico do indivíduo. O mesmo vale para os efeitos de agitação sobre o sono para quem toma a bebida à tarde ou à noite. De acordo com o metabolismo, as pessoas podem ou não sentir reações.

Uma quantidade acima pode prejudicar a absorção do cálcio, facilitando a ocorrência da osteoporose. Ela sugere o consumo do café orgânico, e no preparo coado.

“Este é o mais saudável”, recomenda a nutricionista.

(Fonte: Agência Brasil)

Durante discurso para estudantes do instituto público Ennio Quirino Visconti, escola secundária clássica de Roma, o papa Francisco pediu aos jovens nesse sábado (13), no Vaticano, que se "libertem da dependência" do telefone celular, que é "como uma droga".

"Libertai-vos da dependência do celular! Por favor!", clamou Francisco. Ele explicou "que os telefones celulares são um grande progresso de grande ajuda, e é preciso usá-los, mas quem se transforma em escravo do telefone perde a sua liberdade".

O papa lembrou que "o telefone celular é uma droga" que "pode reduzir a comunicação a simples contatos".

"A vida é comunicar e não somente simples contatos", disse Francisco, que, também, pediu aos estudantes que lutem contra o assédio escolar, que é como "uma guerra", e confessou que lhe dói saber que, em muitos colégios, existe este fenômeno.

Por ocasião da visita da escola ao Vaticano, o pontífice aludiu a um ensinamento de Santo Agostinho, doutor da Igreja Católica, em latim: "in interiore homine habitat veritas" – "A verdade vive no interior do homem".

Inclusão e diversidade

A escola deve educar em prol da inclusão, do respeito à diversidade e da cooperação, sublinhou o papa. Nesse contexto, o pontífice disse aos estudantes que não tenham medo "das diversidades" e lembrou que "o diálogo entre as diferentes culturas enriquece um país, enriquece a pátria, e nos faz olhar para uma terra de todos e não só para alguns".

Outro dos conselhos do papa aos meninos e meninas do instituto romano foi que, "na vida afetiva, são necessárias duas dimensões: o pudor e a fidelidade".

Francisco recomendou "amar com pudor e não descaradamente, e ser fiel", e acrescentou que "o amor não é um jogo e é a coisa mais bela que Deus nos doou".

Além disso, o papa aconselhou os estudantes a "nunca deixar de sonhar grande e desejar um mundo melhor para todos".

O Liceu Ennio Quirinio Visconti foi fundado em 1871, um ano após o fim do Estado Pontifício, na sede do antigo "Collegio Romano", no coração do centro histórico da Cidade Eterna.

(Fonte: Agência Brasil)

Ao todo, 3.687.527 estudantes solicitaram a isenção da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, de acordo com balanço divulgado, nesta sexta-feira (12/4), pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O resultado final, ou seja, se os pedidos foram aceitos ou não, será divulgado no dia 17 de abril, na Página do Participante.

Também no dia 17, será divulgado o resultado das justificativas dos estudantes que não pagaram o Enem 2018 e que, por algum motivo, faltaram às provas. Para pedirem isenção novamente este ano, esses estudantes tiveram que apresentar uma justificativa da ausência.

Para consultar o resultado, será necessário informar o CPF e senha criada na hora de fazer a solicitação. O prazo para pedir a isenção da taxa do Enem terminou na última quarta-feira (10/4). A taxa de inscrição deste ano é R$ 85.

Os estudantes que não tiverem a solicitação aceita poderão entrar com recurso, no período de 22 a 26 de abril, também na na Página do Participante. O resultado do recurso será divulgado, no mesmo endereço, a partir de 2 de maio.

Para participar do exame, os estudantes, com ou sem isenção da taxa, devem fazer a inscrição no período de 6 a 17 de maio.

Estudantes isentos

Têm direito à isenção da taxa os estudantes que estão cursando a última série do ensino médio em 2019 em escola da rede pública; aqueles que cursaram todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral na rede privada, com renda, por pessoa, igual ou menor que um salário mínimo e meio, o que, em valores de 2019, equivale a R$ 1.497.

São também isentos os participantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica, ou seja, integrantes de família de baixa renda com Número de Identificação Social (NIS), único e válido, com renda familiar por pessoa de até meio salário mínimo (R$ 499), ou renda familiar mensal de até três salários mínimos (R$ 2.994).

Enem 2019

O Enem será aplicado nos dias 3 e 10 de novembro. No primeiro dia de prova, os participantes responderão a questões de linguagens e ciências humanas e farão a prova de redação. Para isso, terão 5 horas e 30 minutos No segundo dia, os estudantes terão 5 horas para resolver as provas de ciências da natureza e matemática.

Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados no Portal do Inep e no aplicativo oficial do Enem até o dia 13 de novembro. O resultado será divulgado, conforme o edital, em data a ser divulgada posteriormente.

As notas do Enem podem ser usadas para ingressar em instituição pública pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para obter bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

(Fonte: Agência Brasil)