Saltar para o conteúdo

O Brasil foi o país em que a palavra homofobia foi mais pesquisada no Google no último ano. Em seguida, aparecem Bolívia, Costa Rica, Paraguai e Honduras. A informação é do escritório da empresa no Brasil. O mecanismo de busca é o mais popular aqui, com mais de 94% de participação de mercado.

O “ranking” é formado a partir da consulta que usuários fazem de uma determinada palavra. Dessa procura, a empresa produz uma medida, que denomina “índice de interesse” (em uma escala de 0 a 100). Na avaliação, foram consideradas as buscas dos últimos 12 meses. Ele compara o termo, mesmo que ele seja consultado em distintos idiomas.

O “índice de interesse” do Brasil ficou em 100. As demais nações em que o termo é popular ficaram da seguinte maneira: Bolívia (73), Costa Rica (64), Paraguai (63) e Honduras (60). As nações em que o termo foi menos buscado foram Japão, Tailândia e Irã.

O Google listou as perguntas mais pesquisadas pelos brasileiros relacionadas à palavra homofobia, considerando o mês de junho. As principais foram: O que é ser homofóbico?; O que é preconceito homofóbico?; De que maneira a homofobia e transfobia se materializam?; Quais as causas da homofobia?; e O que é homofobia institucional?

Estados

No recorte por Estados, também consideradas as buscas do mês de junho, o termo “orgulho LGBT” produziu mais procura em São Paulo, com índice de interesse 100. Em seguida, vêm Amapá (62), Rio de Janeiro e Distrito Federal (53) e Rio Grande do Norte (51).

Orgulho LGBT

O Google também divulgou as perguntas mais pesquisadas pelos brasileiros sobre o termo “Orgulho LGBT”. As mais colocadas no mecanismo foram: O que implica tirar LGBT dos Direitos Humanos?; O que o movimento LGBT reivindica?; Quais são os projetos de leis aprovados sobre direitos da comunidade LGBT?; O que são as diretrizes dos direitos LGBT?; e Quais são os Direitos LGBT?.

(Fonte: Agência Brasil)

O Brasil assumiu, pelos próximos 6 meses, a liderança das atividades culturais do Mercosul. De acordo com um sistema de rotatividade por ordem alfabética, a Argentina passou o comando para o Brasil, que assume a presidência “pro tempore” na área cultural.

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, recebeu na última quinta-feira (27), na 45ª Reunião de Ministros da Cultura do Mercosul, em Buenos Aires, a liderança do setor do governo argentino. Terra disse que os países-membros do Mercosul vão procurar estimular ao máximo o intercâmbio cultural na América do Sul.

"Uma das coisas que vamos fazer é estimular a integração dos povos das missões jesuítas. É como o Caminho de Santiago [de Compostela], para fazer um turismo cultural, religioso, que vai integrar os 30 povos das missões, que engloba Uruguai, Argentina, Paraguai, Bolívia e Brasil".

Para o ministro, a aproximação entre os países do bloco é importante para a definição de políticas sociais e para a articulação e desenvolvimento de ações que tragam benefícios à população. Ele defendeu ainda a união com outras esferas do Mercosul, em especial a área social.

Para Osmar Terra, os países do Mercosul devem fortalecer o intercâmbio cultural de forma articulada e avançar em parcerias estratégicas com a Aliança do Pacífico e a União Europeia.

“Estamos discutindo como trabalhar em conjunto as questões culturais, desenvolver o mercado cultural e, também, exportar essas atividades, a nossa história, a nossa cultura, a nossa música, a nossa dança, o teatro e o cinema".

Troca de experiências

Para Henrique Pires, secretário especial da Cultura, o trabalho conjunto é fundamental para solucionar problemas comuns a todos os países da região. “É possível encontrar soluções nessas conversas multilaterais, no sentido de trocar experiências e aproximar as nossas comunidades”. Ele acompanhou a agenda e representou o Brasil ontem (28), na segunda edição da Cúpula Cultural das Américas.

O secretário de Cultura da Argentina, Pablo Avelluto, ressaltou a capacidade de coordenação que o Brasil tem no setor cultural. “O debate das alianças, os novos entornos digitais, o desenvolvimento das indústrias criativas, o desenvolvimento dos patrimônios materiais e imateriais são assuntos que o Brasil tem plenas condições de coordenar", disse Avelluto.

Para a diretora do escritório da Unesco na Argentina, Lídia Brito, a fala do ministro brasileiro fortalece a continuidade dos acordos de cooperação. “Como vimos, hoje o Brasil tem muito a trazer para esses desafios que são comuns para toda a região. Portanto, o que nós esperamos é um reforço da nossa colaboração com nossos Estados-membros e com o Brasil, em particular, pela sua presidência”.

Também estiveram presentes representantes das delegações da Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Uruguai, Peru e Colômbia.

(Fonte: Agência Brasil)

Consagrado um dos principais treinadores da atual geração maranhense, o experiente Chicão Castelo Branco terá, agora, mais um importante desafio: dirigir a Seleção Peruana de Futsal. O treinador maranhense, que já trabalha no Peru, desde o ano passado, com a seleção nacional de “beach-soccer”, aceitou o convite feito pela federação e terá a missão de evoluir o futsal peruano dentro do continente.

Aos 42 anos, Chicão Castelo Branco mostra-se bastante entusiasmado com a oportunidade de comandar as equipes peruanas de futsal. Além de ser o treinador das seleções principais masculina e feminina, ele estará, também, à frente do comando das equipes Sub-17 e Sub-20 nas próximas competições.

Em pouco mais de um ano e meio morando no Peru, Chicão é considerado um dos principais treinadores em atividade no país. O trabalho desenvolvido à frente da Seleção Peruana de Beach-Soccer, aliado ao seu desempenho como treinador de futsal há alguns anos, motivaram o convite para assumir a Seleção de Futsal. O detalhe é que o maranhense continuará treinando o selecionado de “beach-soccer”.

“Essa é a segunda vez que eles fazem o convite. Na primeira, eu não aceitei, mas, agora, resolvi aceitar o desafio do futsal e ficar com as duas seleções: a de futsal e a de ‘beach-soccer’”, afirmou o treinador maranhense.

Chicão Castelo Branco garante estar pronto para mais um desafio em sua vitoriosa carreira, tanto no futsal como no “beach-soccer”.

“A minha experiência aqui no ‘beach-soccer’ está sendo muito boa, e a gente está conseguindo evoluir muito. O jogador peruano tem talento. O que falta é organizar algumas coisas e trabalho mesmo. E tem sido sensacional essa experiência. E, no futsal, eu vou fazer a mesma coisa: mudar a cabeça dos caras, o psicológico, implantar alguns sistemas de jogos diferentes e organizar a casa, fazer um padrão. Vai ser muito trabalho, e o desafio é muito grande, mas estou preparado”, explicou.

Compromissos

Nem bem chegou e Chicão Castelo Branco já planeja vários campeonatos internacionais com a Seleção do Peru. Em setembro, comandará as seleções absolutas e Sub-20 que participarão da Liga Norte-Americana do Sul, competição que ocorrerá em Guayaquil, no Equador.

Além disso, a equipe masculina competirá na Copa América do Chile 2019, no mês de outubro. Já o selecionado feminino jogará a Copa América em novembro.

Carreira

Nos últimos anos, Chicão Castelo Branco esteve muito ligado ao “beach-soccer”, onde até se tornou instrutor da Conmebol. Foi treinador da Seleção Maranhense, auxiliar-técnico da Seleção Brasileira principal e técnico da Seleção Brasileira Sub-20. No entanto, a história do “coach” começou no futsal e sempre com conquistas importantes.

Como técnico de futsal, Chicão tem títulos estaduais com o Grêmio Lítero, Moto Club, Maranhão Atlético e com a Unasa (feminino). Comandou, ainda, o Sampaio Corrêa, o CAD e a Seleção de Coroatá.

Além das conquistas no Estado, o treinador comandou a Seleção Maranhense Sub-15, campeã invicta do Campeonato Brasileiro de Seleções em 2012, e a Seleção Maranhense Feminina Adulto. Em seu currículo, ainda houve espaço para ser campeão dos Jogos Escolares Maranhenses (JEMs), com o Colégio O Bom Pastor.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

Um fim de semana bastante diferente para dezenas de crianças que praticam futebol de campo na cidade de Bacabal. No último sábado (22), o campo da Associação dos Profissionais da Saúde de Bacabal (APSB) foi palco da primeira edição do Campeonato Interno da Escolinha Gol de Placa, evento que integra as atividades do projeto “Escolinha Gol de Placa”, iniciativa desenvolvida por meio da Lei de Incentivo ao Esporte e que conta com o patrocínio do governo do Estado e da Distribuidora Medeiros. Mais do que ser apenas um evento esportivo, o torneio teve caráter social e reuniu meninos de três escolinhas de futebol: Gol de Placa, Verona e Santos.

A manhã de competição foi um verdadeiro sucesso. A garotada se divertiu bastante em campo. Apesar da pouca idade, os meninos deram um “show” para a alegria dos pais, que fizeram questão de acompanhar os filhos. No fim, melhor para a equipe do Verona que conquistou o título do Campeonato Interno da Escolinha Gol de Placa ao vencer todos os jogos.

Além do título coletivo, o Verona ainda garantiu um dos prêmios individuais: o de artilheiro. Com quatro gols marcados, o jovem Gabriel Lourenço ajudou sua equipe a sair vitoriosa do gramado.

O vice-campeonato do torneio ficou com a garotada do Gol de Placa. O time, formado há alguns meses graças ao projeto “Escolinha Gol de Placa”, conta com a participação de 35 crianças entre 8 e 12 anos. Além de ter contato com as aulas de futebol, a criançada ainda recebe acompanhamento pedagógico.

E foi justamente o jovem Paulo, atleta da Gol de Placa, quem recebeu o prêmio de Melhor Jogador da competição. Já a outra premiação individual – Melhor Goleiro – ficou com o arqueiro Juan Ramon, do Santos

“Projetos como esse são fundamentais para nossas crianças. Aqui, esses meninos têm a oportunidade de conhecer e se aperfeiçoar no futebol. Mas, para isso, eles possuem acompanhamento pedagógico porque sabemos da importância da educação para a vida deles. A ‘Escolinha Gol de Placa’ é, sem dúvida, um caminho muito positivo para esses jovens que foram coroados com esta linda competição. Ficamos felizes em participar de momentos como esse, que, sem dúvida, conseguem formar cidadãos melhores”, explicou o professor Rochetauo Reis, técnico do Gol de Placa.

Nesta edição do Campeonato Interno da Escolinha Gol de Placa, todos os atletas participantes foram premiados com medalhas, e as equipes campeãs receberam troféus. Durante a disputa do campeonato, foi oferecido, ainda, um “coffee break” aos presentes.

Mais sobre o projeto

Lançado oficialmente em dezembro de 2018, o projeto “Gol de Placa” é uma iniciativa desenvolvida por meio da Lei de Incentivo ao Esporte e que conta com o patrocínio do governo do Estado e da Distribuidora Medeiros e tem, como perspectiva, executar uma escolinha de iniciação e treinamento de futebol como expressão de cultura e rendimento, enfatizando a inclusão social, traduzida como um fator de desenvolvimento e transformação humana. Isso irá proporcionar mais saúde, equilíbrio, agregando valores e, principalmente, um importante instrumento para capacitar pessoas a ingressarem construtivamente na sociedade.

Esta iniciativa nasceu do desejo de atender crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social oriundas de comunidades carentes da cidade de Bacabal por meio da prática do futebol.

O projeto é desenvolvido por profissionais capacitados no esporte Futebol que seguirá uma metodologia especializada com teorias e práticas desenvolvidas, exclusivamente, para os participantes do projeto.

Vale destacar que todos os alunos da escolinha receberam um “kit” com todo o material esportivo necessário (uniforme, chuteiras e bolsas esportivas) para participar das aulas. Outro ponto positivo é que, nos dias de treinos, cada aluno tem alimentação garantida pelo projeto, além de receber acompanhamento escolar e pedagógico.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

O coordenador da bancada federal do Maranhão, deputado Juscelino Filho (DEM), classificou como “excelente” a reunião dessa terça-feira (25), com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para discutir a possível concessão do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, que está inserido em três municípios maranhenses: Barreirinhas, Primeira Cruz e Santo Amaro. De acordo com o parlamentar, este primeiro diálogo serviu para que a bancada maranhense tomasse conhecimento dos detalhes relacionados à intenção do governo federal em conceder a exploração econômica do parque à iniciativa privada.

Juscelino Filho garantiu que ainda não existe nenhuma definição sobre o assunto. Segundo o coordenador da bancada, nem mesmo um modelo de como seria realizada essa possível concessão é definido pelo governo federal. Por isso, defendeu um diálogo mais profundo a respeito do tema.

“Segundo o ministro, ainda não existe um modelo pronto. O ministério está iniciando com um primeiro lote de concessão que vai ser de quatro parques nacionais no Rio Grande do Sul e que, dependendo do diálogo com a bancada, com o Estado e com as comunidades, nosso Parque dos Lençóis pode vir ou não a entrar no segundo lote, junto com a Chapada das Mesas, Parque Nacional de Jericoacora, Chapada dos Veadeiros, Jalapão. O ministro nos garantiu que esse modelo ia ser construído e que ia ser feito todo o diálogo possível com as comunidades visando sempre o melhor para todas as partes envolvidas no processo. Foi essa a linha de discussão. É preciso dialogar mais”, afirmou o deputado federal.

Ainda de acordo com Juscelino Filho, o momento é de acompanhar de perto os rumos dessa discussão com o governo federal, que já se posicionou favorável à concessão por estar sem condições orçamentárias de investir e cuidar melhor da área. O ministro Ricardo Salles disse à bancada do Maranhão ser importante aproveitar o ecoturismo para atrair investidores ao país.

“Vamos acompanhar de perto para saber como vai ser o desenrolar e o modelo que o governo federal vai adotar nesse primeiro lote de concessão, que vai ser com quatro parques nacionais no Sul do Brasil. O ministro nos disse hoje o setor público está sem condições orçamentárias de investir e cuidar melhor da área. Ele citou a situação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que é responsável em fiscalizar essas áreas, mas que tem um ‘deficit’ de pessoal e orçamentário, o que impossibilita que ele possa fazer isso benfeito”, revelou.

Na reunião, o ministro do Meio Ambiente defendeu que a concessão possa atrair investidores para o Brasil por meio do ecoturismo. Ricardo Salles se comprometeu, ainda, a fazer uma visita oficial, no segundo semestre, ao Parque dos Lençóis e à Chapada das Mesas com a bancada maranhense.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

O número de jovens de 15 a 17 anos cursando o ensino médio aumentou de 61% em 2012 para 68,7% em 2018. O percentual de jovens nessa faixa etária que frequentam a escola também vem crescendo e chegou a 91,5% em 2018. Os dados estão no “Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019”, divulgado, nesta terça-feira (25), pelo movimento Todos pela Educação em parceira com a Editora Moderna e traz dados organizados de acordo com as metas do Plano Nacional de Educação (PNE).

“É um avanço estatisticamente significante, mas um avanço ainda tímido. O modelo que temos acaba fazendo com que adolescentes e jovens saiam da escola e, mesmo os que frequentam a escola, não veem um ambiente atrativo para seguir e encaixar a ideia de escolarização do ensino médio nos seus projetos de vida”, disse o coordenador de Projetos do Todos pela Educação, Caio Callegari.

A conclusão do ensino médio na idade adequada ainda é um desafio, como mostram os dados do relatório. Em 2018, apenas 63,6% dos jovens de 19 anos matriculados concluíram o ensino médio. Em 2012, 51,7% dos jovens de 19 anos haviam concluído essa etapa do ensino.

Desigualdades

As desigualdades socioeconômicas e de raça têm peso no acesso ao ensino médio, como aponta o anuário. Em 2018, 75,3% dos jovens brancos de 15 a 17 anos estavam matriculados na etapa. Já entre os jovens negros da mesma faixa etária, esse percentual era de 63,6%, uma diferença de quase 12 pontos percentuais.

O anuário mostra, também, as disparidades em relação à distribuição de recursos. Enquanto São Paulo recebe a maior média anual de recursos vinculados à educação por aluno, R$ 6,5 mil, o Maranhão está no outro extremo com R$ 3,5 mil por aluno ao ano.

“Boa parte das desigualdades educacionais está relacionada à desigualdade de financiamento tanto em relação à garantia de recursos mínimos quanto à gestão de recursos. Estamos dando menos recurso para quem tem que corrigir um passivo histórico de investimento em educação”, disse o coordenador de Projetos do Todos pela Educação.

Professores

Em relação à formação dos professores, a publicação mostra que, desde 2012, houve aumento médio de cerca de cinco pontos percentuais no número de docentes com formação adequada para as disciplinas que lecionam.

Em 2018, 48,7% dos docentes dos anos finais do ensino fundamental, que vai do 6º ao 9º ano, tinham formação adequada. O dado representa um crescimento de 5 pontos percentuais em comparação a 2012. Já no ensino médio, essa taxa era de 56,3%, aumento de 5,4 pontos percentuais em igual período.

“A última década foi marcada por avanços importantes, mas que, de forma nenhuma, desligaram a sirene de urgência de mudanças estruturais na educação brasileira. Ainda, estamos muito distantes das metas estratégicas do PNE”, disse Caio Callegari

O “Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019” usa como base dados do Ministério da Educação e traz análises sobre os temas das 20 metas do PNE que foi sancionado em 2014 e estabelece metas para melhorar a educação até 2024.

(Fonte: Agência Brasil)

Estão abertas, a partir de hoje (24), as inscrições para a edição de 2019 do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para residentes no exterior (Encceja Exterior). A participação é gratuita, e as inscrições devem ser feitas pela “internet” até o dia 5 de julho.

As provas serão aplicadas no dia 15 de setembro, em 18 cidades, de 12 países. O exame é para brasileiros residentes no exterior que não concluíram os estudos na idade apropriada.

Os candidatos que estiverem em busca do certificado do ensino fundamental devem ter, no mínimo, 15 anos de idade completos na data da prova. Já para o certificado do ensino médio, a idade mínima exigida é 18 anos.

Quem tem necessidades especiais pode solicitar atendimento especializado durante o período de inscrições.

Provas

O Encceja Exterior é composto por quatro provas objetivas, cada uma com 30 questões de múltipla escolha, e uma redação. A nota mínima exigida é de 100 pontos nas provas objetivas e de cinco pontos na redação.

Os resultados do Encceja podem ser usados de duas formas. O participante que conseguir a nota mínima exigida nas quatro provas objetivas e na redação tem direito à certificação de conclusão de ensino fundamental ou do ensino médio.

O participante que conseguir a nota mínima exigida em uma das quatro provas, ou em mais de uma, mas não em todas, tem direito à declaração parcial de proficiência.

Locais das provas

As provas serão aplicadas na Bélgica (Bruxelas); Espanha (Barcelona e Madri); nos Estados Unidos (Boston, Houston, Nova Iorque e Miami); na França (Paris); Guiana Francesa (Caiena); Holanda (Amsterdã); Itália (Roma); no Japão (Nagoia, Hamamatsu e Tóquio); em Portugal (Lisboa); no Reino Unido (Londres), na Suíça (Genebra) e no Suriname (Paramaribo).

(Fonte: Agência Brasil)

Milhões de pessoas celebram hoje (21), em todo o mundo, o Dia Internacional da Ioga. Em Brasília, a data foi comemorada com uma aula pública em que participaram mais de 500 professores e instrutores da cidade, no pátio do Museu da República, no centro da capital federal.

O evento foi promovido pela Embaixada da Índia. Cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Piracicaba e Atibaia (ambas em São Paulo), entre outras, também realizam solenidades comemorativas hoje.

“A ioga oferece inúmeras recompensas, melhora nossa saúde, auxilia nosso desempenho no local de trabalho e nos assegura paz de espírito”, disse o diplomata A. Koventhan, encarregado de Negócios da Embaixada da Índia, em Brasília. Koventhan, que abriu a aula pública, lembrou que o Dia Internacional da Ioga foi criado pela Assembleia da ONU em 2014, quando uma proposta feita pelo primeiro-ministro da India, Narendra Damodardas Modi, foi aprovada.

Também presente na abertura do evento, a secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça, disse esperar que Brasília seja a capital brasileira de ioga. Segundo ela, milhares de pessoas são seguidoras da ioga na capital federal.

“A ioga já é o maior movimento de massa do país [que atua em favor] da saúde pública”, afirmou o diplomata. Ele observou que o Ministério da Saúde já aprovou a realização de 10 ações integrativas no Sistema Único de Saúde (SUS), com base na prática da ioga. Com isso, conforme disse Koventhan, será possível oferecer para todos, “seja para um filho esperançoso, um jovem aspirante, um pai ou idosos [uma prática] que permita a harmonia com o ambiente em que vivemos”.

Koventhan disse que “é motivo de orgulho para a Índia”, berço da ioga, que essa arte milenar seja hoje praticada e seguida em mais de 200 países. Ele observou que o monge hindu Swami Vivekananda foi o responsável pela popularização da ioga no Ocidente.

(Fonte: Agência Brasil)

O futebol como ferramenta de inclusão social. É assim que o projeto da “Escolinha Gol de Placa” tem se utilizado dessa modalidade esportiva na cidade de Bacabal. Desde o fim do ano passado, a iniciativa, que conta com o patrocínio do governo do Estado e da Distribuidora Medeiros por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, beneficia 35 crianças de 8 a 12 anos, que participam diretamente do projeto. E, para mostrar a evolução da garotada dentro de campo, a organização da escolinha realizará, neste sábado (21), a primeira edição do Campeonato Interno da Escolinha Gol de Placa. O evento está marcado para começar às 8h, na Associação dos Profissionais da Saúde de Bacabal (APSB), localizada na Avenida João Alberto.

O Campeonato Interno da Escolinha Gol de Placa foi idealizado não para ter apenas o caráter esportivo e de competição que um evento desse possui. Na verdade, o principal objetivo é envolver as crianças da “Escolinha Gol de Placa” e de outras escolinhas convidadas para que elas adquiram os valores existentes no esporte em suas vidas.

Integrante do projeto desde o seu início, o professor Rochetauo Reis defende a necessidade de uma iniciativa como a “Escolinha Gol de Placa” para a vida das crianças de Bacabal. Segundo ele, chegou o momento de a garotada apresentar, para os pais e para toda a comunidade, tudo o que vem sendo trabalhado nos últimos meses, não apenas no que diz respeito às técnicas e táticas dentro de campo, mas como os valores que devem nortear o cidadão.

“Projetos como esse são fundamentais para nossas crianças. Aqui, esses meninos têm a oportunidade de conhecer e se aperfeiçoar no futebol. Mas, para isso, eles possuem acompanhamento pedagógico porque sabemos da importância da educação para a vida deles. A ‘Escolinha Gol de Placa’ é, sem dúvida, um caminho muito positivo para estes jovens que, agora, vão participar de uma competição muito importante. Tenho certeza de que será um grande espetáculo”, explicou o técnico.

Sempre é bom projetos com viés de desenvolvimento da prática esportiva que resultem na inclusão social e no avanço da educação das crianças do nosso município. O governador Flávio Dino, mais uma vez, faz um gol de placa, e a população bacabalense, sobretudo a criançada, vibra com isso.

Nesta edição do Campeonato Interno da Escolinha Gol de Placa, foram convidadas outras duas escolinhas de futebol de Bacabal para participarem do torneio. Os atletas participantes serão premiados com medalhas, e as equipes campeãs receberão troféus. Haverá, ainda, premiações individuais de Melhor Jogador, Melhor Goleiro e Artilheiro. Durante a disputa do campeonato, será oferecido aos presentes um “coffee break”.

Mais sobre o projeto

Lançado oficialmente em dezembro de 2018, o projeto “Gol de Placa” tem como perspectiva executar uma escolinha de iniciação e treinamento de futebol como expressão de cultura e rendimento, enfatizando a inclusão social, traduzida como um fator de desenvolvimento e transformação humana. Isso irá proporcionar mais saúde, equilíbrio, agregando valores e, principalmente, um importante instrumento para capacitar pessoas a ingressarem construtivamente na sociedade.

Essa iniciativa nasceu do desejo de atender crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social oriundas de comunidades carentes da cidade de Bacabal por meio da prática do futebol.

O projeto é desenvolvido por profissionais capacitados no esporte Futebol que seguirá uma metodologia especializada com teorias e práticas desenvolvidas, exclusivamente, para os participantes do projeto.

Vale destacar que todos os alunos da escolinha receberam um “kit” com todo o material esportivo necessário (uniforme, chuteiras e bolsas esportivas) para participar das aulas. Outro ponto positivo é que, nos dias de treinos, cada aluno tem alimentação garantida pelo projeto, além de receber acompanhamento escolar e pedagógico.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

Cinco prédios considerados patrimônios históricos e culturais de cinco diferentes municípios vão receber R$ 12,3 milhões do Fundo de Direitos Difusos para projetos de reforma e recuperação. O fundo é fonte de recursos vinculada ao Ministério da Justiça.

A verba de apoio será repassada ao Teatro Amazonas, em Manaus; ao Museu de Arte do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre; às ruínas do Mosteiro de São Bento, em Maragogi, Alagoas; ao Moinho Kollross, em Itaiópolis, Santa Catarina; e à escola urbana de Timbó, também em Santa Catarina.

A verba do Fundo de Direitos Difusos é proveniente de condenações judiciais, multas e indenizações, que são destinadas a áreas diversas, como meio ambiente, direitos do consumidor e bens e atividades de valor artístico e cultural. No caso desses projetos, a verba será liberada em três parcelas, de 2019 a 2021.

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul vai ganhar R$ 5,6 milhões para restauração da cobertura e reforma do sistema de climatização. O Teatro Amazonas receberá R$ 2,6 milhões para obras de modernização e melhorias no sistema elétrico.

Foram destinados R$ 2,4 milhões para o escoramento das ruínas do Mosteiro São Bento, em Maragogi e, em Timbó, a antiga escola urbana terá R$ 1,1 milhão para obras de restauração, mesma finalidade dos R$ 503 mil que serão disponibilizados ao Moinho Kollross, em Itaiópolis.

A escolha se deu a partir de um edital divulgado em abril. Foi a terceira seleção de projetos do ano. Anteriormente, haviam sido repassados R$ 189,2 milhões para 23 projetos para patrimônios, museus e bibliotecas.

(Fonte: Agência Brasil)