Saltar para o conteúdo

434

O projeto de fortalecimento político do Democratas Maranhão continua a todo vapor. Sob o comando do deputado federal Juscelino Filho, presidente estadual do partido, o DEM-MA é hoje umas das principais legendas do Estado e está se preparando para vir forte e com bons nomes para as disputas eleitorais de outubro. É o caso da cidade de Satubinha, que terá um pré-candidato do Democratas nas eleições deste ano.

Nesta semana, o deputado Juscelino Filho e seu grupo político no município confirmaram a pré-candidatura de Marquinho Mão de Ouro para concorrer ao cargo de prefeito em Satubinha. A definição ocorreu durante reunião na sede do Democratas em São Luís com a presença da atual prefeita Dulcinha, de vereadores e lideranças municipais.

“Tivemos uma reunião positiva com o nosso grupo político de Satubinha, que está fechado e unido. Nosso pré-candidato a prefeito será o Marquinho Mão de Ouro, que disputará as eleições deste ano pelo Democratas. Nosso projeto de fortalecimento do partido está no caminho certo, e vamos, junto com a prefeita Dulcinha, vereadores e lideranças do município, continuar trabalhando muito pela população de Satubinha”, afirmou o deputado Juscelino Filho.

Os vereadores Jean (presidente da Câmara de Satubinha), Antônio da Eva, Karilene, Nonato e Rosinei participaram do encontro na sede do DEM, assim como os pré-candidatos Claudio Oliveira, Sarita, Raimundinha da Cigana, Genival da Francilina e Dudu do Vanja. Os ex-deputados Juscelino Rezende e Stênio Rezende também acompanharam a reunião.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

72

Os estudantes classificados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2020 têm até o dia 4 de fevereiro para enviar às instituições de ensino a documentação necessária para se matricular no curso para o qual foram aprovados.

O período de matrículas começou na quarta-feira (29), um dia após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ter liberado a divulgação do resultado do Sisu, que chegou a ser, temporariamente, suspensa devido às queixas de estudantes que alegavam ter sido prejudicados por problemas na atribuição de notas.

Na semana passada, o Ministério da Educação reconheceu que houve erros na atribuição de notas para cerca de 6 mil estudantes que participaram do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem).

Foram classificados os estudantes mais bem posicionados, de acordo com as notas no Enem e eventuais ponderações, como pesos atribuídos às notas ou bônus. As vagas são distribuídas de acordo com a Lei de Cotas (Lei 12.711/2012) e de políticas de ações afirmativas, que podem variar de instituição de ensino para instituição.

Lista de Espera

Na próxima terça-feira (4) também termina o prazo para participar da lista de espera. Só pode participar da lista de espera quem não foi selecionado em nenhuma das duas opções escolhidas no momento da inscrição. Para participar dessa segunda chance, o candidato deve acessar o seu boletim Sisu e manifestar o interesse no prazo especificado no cronograma. É importante que o candidato acompanhe junto à instituição da vaga escolhida a lista de espera e as convocações para matrícula.

A convocação dos candidatos em lista de espera pelas instituições tem início a partir do dia 7 de fevereiro e vai até o dia 30 de abril.

(Fonte: Agência Brasil)

61

Formar melhor os professores e definir formas de ensinar que sejam mais atraentes aos estudantes são alguns dos principais desafios que o Brasil deve enfrentar para, de fato, aprender inglês. A partir deste ano, o país começa a implementar, no ensino fundamental, a Base Nacional Comum Curricular, um documento que define o mínimo que todos os estudantes no país têm direito de aprender, e o inglês está previsto nesse documento.

Aulas de inglês não são novidade nem em escolas públicas, nem em particulares, uma vez que a maioria oferece o idioma, mas um estudo do British Council mostra que, apenas, 10,3% dos jovens, de 18 a 24 anos, dizem saber inglês. O percentual é menor se consideradas as pessoas mais velhas, com mais de 16 anos, chega a 5,1%.

“A gente não pára pra pensar por que não está aprendendo inglês. Então, se a gente quer mudar esse cenário, [precisa se perguntar] o que precisa mudar na maneira como se tem aprendido inglês porque, provavelmente, não está funcionando”, diz a gerente sênior de Inglês do British Council Brasil, Cíntia Gonçalves.

As respostas vêm de vários eixos, de acordo com o estudo do conselho, um deles é a formação de professores. “O Brasil tem em torno de 62 mil professores de inglês no ensino fundamental e médio e há grande contingente de professores que não estão habilitados em língua estrangeira ou inglesa”, diz.

Além disso, aulas muito voltadas para a gramática e aspectos pouco práticos tendem a não ser tão atraentes aos estudantes. “Buscamos nos currículos qual a visão que os Estados têm de inglês e língua estrangeira porque isso vai orientar a sala de aula. Vimos que a maior parte dos Estados têm uma visão predominantemente ou totalmente voltado para gramática”. Há bons exemplos em todo o país, mas, de acordo com Cintia, ainda é preciso definir um objetivo claro de onde queremos chegar como nação, para que as boas práticas cheguem a todas as escolas. “Antes de falar que precisa melhorar o ensino de inglês, [tem que se definir] onde quer chegar. A partir desses objetivos, traçar metas e ter plano de ação. Isso que o Brasil precisa definir como nação. O que a gente quer com os alunos aprendendo inglês? Para quê? Porque é isso que vai pautar o ensino e aprendizado”.

No ensino superior

Ter uma boa base de inglês é o que fará com que os brasileiros possam ter maior internacionalização do ensino superior, fazendo com que as pesquisas desenvolvidas no país ganhem uma dimensão global. “Hoje em dia, a informação que circula no mundo acadêmico é produção em inglês. Há demanda por ter acesso à produção corrente, à troca. Entrar no circuito de discussão sobre pesquisa a aprendizagem de inglês é fundamental”, diz a professora da Universidade Federal de Minas Gerais Maria Lúcia Castanheira.

Maria Lúcia é uma das responsáveis pelo estudo Paisagens de língua e letramento em mudança nas universidades brasileiras: o Inglês no desenvolvimento da política e da prática linguística, desenvolvido em parceria com a Universidade de Brasília e a Universidade de Birmingham, no Reino Unido.

O grupo mostrou que as formas como cada instituição trabalha com o uso de outros idiomas, além do português, varia. Há disciplinas inteiramente ministradas em outros idiomas, há disciplinas nas quais os estudantes leem textos em idiomas estrangeiros, mas as discussões são feitas em português, entre outras.

Assim como na fase escolar, quando as políticas públicas têm papel fundamental, os pesquisadores mostram que, também, as universidades sofrem influência das decisões políticas e dependem de recursos. “Acho que uma das conclusões a que a gente chega, muito clara, é que qualquer coisa que se faça nessa direção de implementar uma política linguística vai requerer recursos, que têm que estar na universidade para fomentar condições de trabalho”.

Universidades estrangeiras

O ensino e a aprendizagem de inglês em diversos países são feitos nas principais universidades do mundo. Uma das formas de ensinar é o chamado inglês como meio de instrução, cuja sigla em inglês é EMI. Trata-se de ensinar não apenas o inglês, mas determinada disciplina ou conteúdo em inglês, como é feito, por exemplo, em escolas bilíngues.

“No passado, as pessoas colocavam muita ênfase em ensinar a língua, ensinar o inglês e assumiam que o conteúdo viria depois, que uma vez que soubessem a língua, seriam capazes de estudar geografia, matemática, o que fosse, em inglês. Na verdade, esse pode não ser o jeito mais eficiente de olhar para isso. Acho que muitos estudantes, pais e governos perceberam que é mais eficiente e prático ensinar a matéria no inglês. Assim, o estudante ganha o aprendizado, ganha o conteúdo e aprende inglês”, diz o professor associado em Educação de Língua Internacional da Universidade de Bath, no Reino Unido, Trevor Grimshaw.

Estudos mostram, no entanto, que nem sempre os estudantes conseguem, sem uma base forte na língua estrangeira, absorver todo o conteúdo ensinado.

“Observamos que os alunos [de universidades de outros países] que têm acesso a aulas de apoio de inglês com propósitos acadêmicos [ou seja, com os jargões de cada área] têm mais sucesso do que aqueles que têm acesso apenas ao conteúdo ensinado em inglês”, diz o professor associado em linguística aplicada da Universidade de Oxford, Heath Rose.

(Fonte: Agência Brasil)

464

O resultado final do concurso público do Tribunal de Justiça do Maranhão foi publicado na última quarta-feira (29), no Diário da Justiça Eletrônico, por meio do Edital GP nº 4/2020. O resultado definitivo, com a classificação e notas, saiu depois de todas as etapas das provas objetivas, discursivas, títulos e análises de recursos realizadas. Também foi publicado o Edital GP nº 5/2020 com a convocação para as avaliações dos candidatos às vagas reservadas.

O concurso público do TJ-MA foi lançado em agosto de 2019 para provimento de cargos vagos e à formação de cadastro de reserva do quadro de pessoal efetivo do Poder Judiciário do Estado do Maranhão.

Todas as informações do concurso do TJ-MA podem ser acessadas no “site” da Fundação Carlos Chagas, entidade realizadora do certame.

Avaliações das vagas reservadas

De acordo com as regras dos editais do concurso, as avaliações dos candidatos às vagas reservadas ocorrerão da seguinte forma:

1. As avaliações dos candidatos com deficiência serão realizadas no dia 7/2/2020, na cidade de São Luís (MA), no local e horários constantes no Anexo III do EDT-GP-52020, informados por meio do “site” da Fundação Carlos Chagas e de Cartão Informativo, a ser enviado aos candidatos por “e-mail”;

2. As avaliações dos candidatos autodeclarados negros serão realizadas nos dias 8/2/2020 e 9/2/2020, na cidade de São Luís (MA), no local e horários constantes no Anexo II do EDT-GP-52020, informados por meio do “site” da Fundação Carlos Chagas e de Cartão Informativo, a ser enviado aos candidatos por “e-mail”;

3. O candidato deverá apresentar documento original de identidade, conforme estabelecido no item 8.8 do Capítulo 8 do Edital de Abertura de Inscrições;

4. O candidato convocado que comparecer após o horário limite de apresentação será considerado ausente;

5. Ao candidato somente será permitida a realização da avaliação no dia, horário e local preestabelecidos;

6. Não haverá segunda chamada, seja qual for o motivo alegado para justificar o atraso ou a ausência do candidato;

7. Eventuais despesas, tais como deslocamento e estada, correrão às expensas dos candidatos, conforme previsto no item 16.15 do Edital de Abertura de Inscrições;

8. O não comparecimento à avaliação implicará a perda do direito às vagas reservadas aos candidatos em tais condições;

9. A divulgação do Resultado da Avaliação dos candidatos está prevista para o dia 14/2/2020. O candidato poderá interpor recurso no prazo de dois dias úteis após a referida publicação, por meio do “site” da Fundação Carlos Chagas.

(Fonte: TJ-MA)

460

O município de Serrano do Maranhão, localizado a 260km de São Luís, vive um momento de crise e descrédito na política. Marcado por diversos escândalos de corrupção, a população do município, que tem pouco mais de 10 mil habitantes, clama por uma luz no fim do túnel.

Em meio a toda revolta e descrédito, nasce um novo símbolo de LUTA e RESISTÊNCIA. Falamos da mestra em Educação Professora Marileide, que, atendendo ao apelo de amigos e serranenses, que sonham com um futuro melhor, resolveu pôr seu nome para apreciação popular, como pré-candidata à prefeita de Serrano do Maranhão.

Filha de Serrano, 54 anos, histórico invejável, Marileide Costa é pedagoga, pós-graduada em Psicopedagogia, Coordenação Pedagógica e em Educação, Pobreza e Desigualdades Sociais e mestra em Educação.

Atualmente, ela é funcionária pública estadual e municipal, tendo exercido, com afinco, atividades voltadas à educação em diversos municípios do Maranhão.

Sua história de vida é marcada por lutas. Oriunda de família humilde, com pais lavradores e 15 irmãos, sendo ela a penúltima filha, a hoje mestra em Educação começou a conquistar sua independência trabalhando como empregada doméstica dos 12 aos 14 anos. Aos 15, foi morar no Bairro João de Deus, em São Luís, onde começou a mostrar sua veia de lutadora pelos direitos das minorias, ao levantar a pauta em grupos de jovens, os quais participava.

Com total dedicação aos estudos, egressa de escolas públicas, Marileide conquistou no ensino médio o primeiro lugar em um concurso de redação do Colégio Rosa Castro, instituição de ensino conceituada em São Luís. O prêmio lhe rendeu uma bolsa de estudos, possibilitando-lhe cursar todo ensino médio, e, daí, seguiu firmemente com sua incansável busca pelo conhecimento, bem que sempre considerou precioso.

Lutadora, ela foi a única dos 15 irmãos que conseguiu chegar ao ensino superior.

Sua trajetória como profissional da área da educação teve início aos 17 anos, quando começou a lecionar, de forma voluntária, em escolas comunitárias de São Luís, passando, em seguida, a atuar em escolas públicas municipais e estaduais.

Hoje, ela é reconhecida como uma das maiores profissionais de Educação do Maranhão, com larga experiência profissional, onde se inclui no currículo sua atuação como supervisora educacional na Secretaria de Estado da Educação, duas passagens como secretária de Educação do município de Serrano, nos anos de 2003 a 2004 e 2010 a 2017, períodos em que, enfim, o município teve resultados positivos na área. Entre 2005 e 2008, ela esteve comandando a Secretaria de Educação do município de Turilândia, onde, também, obteve resultados positivos, melhorando os índices educacionais daquele município.

Agora, ela ocupa a função de gestora-geral do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) de Cururupu, cargo confiado pelo governador do Estado, Flávio Dino, no ano de 2018.

Sua atuação à frente do Iema já lhe rendeu a conquista do prêmio de melhor gestão do instituto educacional.

Mas não é apenas de educação que vive essa grande mulher. Professora Marileide é, também, uma forte militante socialista, sendo a secretária-geral da Executiva Estadual de Mulheres do PSB no Maranhão.

“Além de qualquer currículo, sou mesmo uma militante social, que sonha com uma Serrano digna para seus munícipes”, declara ela.

Professora Marileide menciona seu desejo de inspirar jovens do seu quilombo (Serrano é a maior concentração quilombola do país, segundo estudo da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), realizado em 2015) possibilitando a eles acreditarem em si e no potencial que existe dentro de cada um.

“Sinto que tenho uma missão na minha cidade: resgatar a esperança do povo de Serrano e tornar esse quilombo em um lugar de bem viver”, enfatizou a educadora.

Todos esses pontos fizeram com que a educadora, que é casada com o ex´-vereador de três mandatos Adilson Alves, conseguisse se destacar no cenário político local, sendo, hoje, um dos principais nomes para disputar o pleito que se aproxima.

Acreditamos que seu caráter íntegro, sua fidelidade e amo para com o povo de Serrano, poderão fazer a diferença na vindoura eleição, dando à população uma nova esperança.

(Fonte: Gazeta do Maranhão)

61

O Facebook anunciou mudanças em suas configurações de privacidade para permitir que os usuários aumentem a proteção de seus dados. Entre as novidades, estão a possibilidade de “limpar” os dados que a plataforma compartilha com terceiros, além de novas configurações de perfil e avisos de “login”.

As medidas foram divulgadas por ocasião do Dia Internacional da Privacidade de Dados, celebrado na última terça-feira (28). O Facebook vem sendo criticado nos últimos anos pelo uso que faz das informações de seus usuários. O emprego de dados de dezenas de milhões de pessoas para fins de manipulação de eleições e processos pela empresa Cambridge Analytica colocou a empresa em evidência.

Com o recurso “Atividade Fora do Facebook”, o usuário pode configurar as informações que empresas e instituições compartilham com a plataforma, como as visitas realizadas aos “sites” delas. O usuário pode clicar em “gerenciar sua atividade fora do Facebook” e optar pela exclusão dos dados – ou “desconectar o histórico” na linguagem da plataforma. Ao configurar esse recurso como teste durante a redação desta matéria, o repórter descobriu que 262 aplicativos e “sites” enviavam dados para o Facebook. Veja um guia rápido para desabilitar os acessos:

A ferramenta permite também desativar a atividade fora do FB a partir do momento do ajuste feito pelo usuário. Contudo, isso não impede o compartilhamento de dados por terceiros, que continuarão sendo procedidos “para fins de mensuração e para fazer melhorias em nossos sistemas de anúncios, mas estará desconectada da sua conta”, explica a página do mecanismo. Anúncios continuarão sendo exibidos com base nas preferências e na atividade do usuário na rede social.

Privacidade

Na ferramenta de “Verificação de Privacidade”, na seção “configuração de dados”, o usuário pode gerir as informações disponibilizadas pelo Facebook a terceiros. Esse acesso ocorre por diversas ferramentas da plataforma, como o “login” utilizando a conta do FB. É possível definir quais “apps” e “sites” podem manter este acesso, ou retirá-los da lista.

Na seção “quem pode ver o que você compartilha”, uma das funções é definir o grau de visibilidade das informações do usuário. Registros como telefone, “e-mail”, escola e cidade, além das próprias publicações na plataforma, podem ser ajustados para acesso público, por amigos, por amigos dos amigos ou apenas pelo próprio usuário. É possível bloquear e gerir a lista de pessoas colocadas em cada uma dessas listas.

Por meio da nova ferramenta, o usuário pode ainda controlar quem pode enviar-lhe solicitações de amizade, se qualquer pessoa na rede social ou apenas amigos de amigos.

Mudanças

Em mensagem publicada no “site” da companhia, o diretor-executivo, Mark Zuckerberg, afirmou que o intuito das mudanças é fazer com que o usuário “possa entender e gerenciar facilmente suas informações, por isso fortalecer seus controles de privacidade é tão importante”.

Para a organização internacional de defesa da privacidade Eletronic Frontier Foundation (EFF), o anúncio foi um “bom passo”, mas uma “medida incompleta”, tanto pelo desconhecimento da população quanto por não cessar a coleta intensa de dados dos usuários.

“Nós sabemos que usuários dificilmente vão ajustar suas configurações. Nos Estados Unidos, 75% dos adultos não conhecem as preferências de anúncio. A ferramenta não cobre todas as formas pelas quais o Facebook coleta e monetiza os dados dos usuários. Estes continuarão sendo objeto de anúncios segmentados”, pondera a coordenadora de pesquisa em direitos dos consumidores e vigilância da entidade, Gennie Gebhart.

(Fonte: Agência Brasil)

66

A atriz Regina Duarte, de 72 anos, será a nova secretária especial de Cultura do governo federal. Após se reunir com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, na tarde dessa quarta-feira (29), ela confirmou a jornalistas ter aceitado o convite para o cargo, que integra o Ministério do Turismo.

"Sim [aceitei], só que, agora, vão ocorrer os proclamas [trâmites formais] antes do casamento", afirmou ao deixar a sede do Executivo federal, sem dizer a data em que deverá ser nomeada. Ela estava acompanhada da reverenda Jane Silva, que foi nomeada secretária especial adjunta de Cultura.

O presidente Jair Bolsonaro também confirmou o "sim" de Regina, sem dar prazo para que ela assuma as funções. "Está tudo certo, está caminhando, ela está acertando as questões pessoais dela. Não tem prazo", afirmou ao chegar ao Palácio do Alvorada, residência oficial, depois do encontro com a atriz.

Regina Duarte foi convidada pelo presidente para assumir o cargo de secretária especial da Cultura após a exoneração do dramaturgo Roberto Alvim, no último dia 17 de janeiro. Na semana passada, ela veio a Brasília conhecer a estrutura da pasta e voltou esta semana para definir com o presidente se assumiria mesmo o cargo.

Na última terça-feira (28), Bolsonaro afirmou que Regina Duarte terá liberdade para montar sua equipe. "Para mim seria excepcional, para ela, ela tem a oportunidade de mostrar realmente como é fazer cultura no Brasil. Ela tem experiência em tudo que vai fazer. Precisa de gente com gestão ao seu lado, tem cargo para isso, vai poder trocar quem ela quiser lá sem problema nenhum. Então tem tudo para dar certo a Regina Duarte", disse Bolsonaro.

Regina Duarte nasceu no dia 5 de fevereiro de 1947. Com 55 anos de carreira, é uma das atrizes mais famosas do país, com dezenas de novelas no currículo. Os seus papéis mais marcantes foram em folhetins como “Selva de Pedra”, “Irmão Coragem”, “Vale Tudo”, “Roque Santeiro”, “Rainha da Sucata” e “Malu Mulher”, além da personagem Helena em três obras do autor Manoel Carlos (“História de Amor”, “Por Amor” e “Páginas da Vida”). Para assumir o cargo de secretária especial, a atriz terá que suspender seu contrato com a TV Globo, segundo informou a própria emissora.

(Fonte: Agência Brasil)

72

Incentivar a chamada internacionalização em casa no ensino superior brasileiro e a busca por financiamento privado e de instituições de ensino estrangeiras são estratégias da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para fazer com que as universidades estejam mais conectadas ao cenário internacional. O objetivo da Capes é que as instituições de ensino brasileiras desenvolvam projetos consistentes de internacionalização, de acordo com o coordenador de Parcerias Estratégicas, Patricio Marinho.

“Internacionalização em casa são ações que as universidades podem fazer para criar um ambiente internacional sem necessariamente ter que mandar gente para fora, o que é uma questão que até economicamente complica as coisas porque envolve necessidade de recursos maiores”, diz Marinho.

Internacionalização em casa envolve aulas e cursos com professores de outros países, correspondência com pesquisadores estrangeiros e desenvolvimento de parcerias com esses pesquisadores e professores, além de outras ações na própria universidade.

A Capes busca ainda parcerias diretas com instituições de ensino estrangeiras, propondo que elas ajudem no custeio dos estudos de brasileiros e incentiva que instituições de ensino se aproximem do setor privado para obter financiamento. Para isso, a Capes tem oferecido capacitações e “workshops”. “A ideia é criar capacidades e competências nas instituições para elas irem atrás de identificarem fontes de recursos que faça elas ficarem, de certa forma, independentes do fomento público. Porque, muitas vezes, é imprevisível quando vai sair o próximo edital”, diz.

Ajuste financeiro

As estratégias pretendem driblar um cenário de ajuste financeiro. No ano passado, a Capes, que é responsável pela oferta de bolsas da pós-graduação brasileira e também pela formação de pessoal, chegou a bloquear bolsas de ensino do mestrado, doutorado e pós-doutorado nacionais. As bolsas posteriormente foram liberadas, mas a coordenação anunciou que reformularia a forma como as novas bolsas seriam distribuídas.

O impacto econômico chega, também, às bolsas internacionais. A Capes era uma das responsáveis pelo Ciência sem Fronteiras, programa que oferecia bolsas de estudo para estudantes de graduação e pós-graduação fazerem intercâmbio. A meta do governo era enviar 100 mil estudantes para o exterior. O programa sofreu várias críticas, entre elas, a falta de controle da qualidade desses intercâmbios, mas foi responsável, segundo Marinho, por “colocar o Brasil no mapa”.

Agora, o Projeto Institucional de Internacionalização (Print), que seleciona instituições de ensino e oferece bolsas de estudo e recursos para internacionalização, é um dos principais programas voltados para esse propósito. De acordo com Marinho, a seleção ficou mais rigorosa e busca qualificar melhor a internacionalização brasileira. O edital foi aberto para 40 instituições, mas selecionou 36, que cumpriram os requisitos necessários.

“Muito do que a gente está trabalhando é em incentivar as universidades a se olharem, se entenderem e saberem para onde querem ir. Porque a internacionalização em si não é um fim, ela é um meio, conforme as necessidades que essa universidade tem”, defende.

Abertura para o mundo

O fomento à internacionalização foi assunto discutido no seminário UK-BR sobre internacionalização e políticas linguísticas na educação superior, organizado pelo British Council, em Londres.

“Se o Brasil quiser ser relevante para a produção de sua pesquisa e com retorno para a própria sociedade, tem que dialogar. O país não está isolado no mundo. Tem que dialogar com o que acontece no mundo inteiro”, defendeu a presidente da Associação Brasileira de Educação Internacional (Faubai), Maria Leonor Alves da Maia.

Maria disse que o governo federal é estruturador das políticas públicas no país. “É fundamental a gente ter diretrizes nacionais e incentivos nacionais”, disse. Ela ressaltou que 63% dos pesquisadores não tiveram nenhuma experiência internacional.

Para a presidente, a tecnologia pode ajudar muito nesse cenário: “As novas tecnologias da informação podem fazer com que esses mundos se aproximem. Não necessariamente precisa de mobilidade física para que a relação entre instituições de ensino aconteça. As tecnologias podem permitir troca de conhecimento e de experiência”, diz.

Mais trocas

O Brasil tem avançado. De acordo com dados copilados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), os índices de colaboração internacional passaram de 25% para 38%, entre 2008 e 2018, para o Brasil como um todo. Em 2018, foram publicados, 56.396 trabalhos científicos com autores sediados no Brasil. Desses, 21.506, o equivalente a 38%, incluíam coautores de outros países. Os dados são referentes às universidades líderes em pesquisa no Brasil.

“O Brasil não tem política de globalização, ele sofre a globalização”, diz o presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), Evaldo Ferreira Vilela. “A internacionalização, na verdade, não tem caráter de prioridade nas agendas de governo, isso atrapalha tremendamente, porque fica na vontade de professores, de reitores, de fundações de alocar recurso para isso”.

Segundo Vilela, as dificuldades nos Estados são principalmente duas, a redução dos repasses dos governos estaduais para esse tipo de iniciativa e a falta de qualificação de estudantes. “As fundações de amparo à pesquisa têm um papel fundamental no aproveitamento dos talentos que temos na graduação e na pós-graduação, principalmente dos doutorandos. A maior dificuldade que a gente encontra para apoiar esses talentos é a questão da língua. A maior parte deles não tem proficiência em inglês ou outra língua e isso é uma barreira difícil de romper”, diz.

O seminário, que ocorreu nos dias 27 e 28, foi uma iniciativa do programa Universidades para o Mundo, criado para favorecer a cooperação entre instituições brasileiras e britânicas. O programa enfoca temas com os quais o setor de educação superior tem se confrontado enquanto avança no processo de internacionalização no Brasil. O Universidades para o Mundo é uma iniciativa do British Council, organização internacional do Reino Unidos para relações culturais e oportunidades educacionais.

(Fonte: Agência Brasil)

27

Mudar hábitos e praticar atividades físicas são requisitos importantes para quem busca ter uma vida saudável. Na maioria das vezes, é preciso um incentivo para sair do sedentarismo. Em Bacabal, o projeto “Feliz Idoso: Vida e Movimento na Melhor Idade”, iniciativa patrocinada pela Drogarias Globo, Grupo Mateus e governo do Estado por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, teve início no último fim de semana com a proposta de fomentar a prática esportiva para a população da melhor idade. Realizado na Praça da Bíblia, no Bairro da Esperança, o evento de lançamento foi um verdadeiro sucesso e conseguiu alcançar seu objetivo.

Dezenas de pessoas estiveram na abertura do “Feliz Idoso”, que proporcionou diversas atividades de lazer, como aulas de ginástica localizada, alongamento e aulões de dança. Para o coordenador do projeto, Kléber Muniz, o primeiro evento do projeto aconteceu da melhor forma possível e atendeu às expectativas do público-alvo.

Além das atividades físicas, o “Feliz Idoso” também levou às pessoas da melhor idade um “Espaço Saúde”, local que forneceu alguns serviços como aferição de pressão arterial. “A abertura do projeto foi perfeita. Conseguimos alcançar nossas metas, estimulando a participação ativa e dinâmica da comunidade. O projeto é uma forma de valorizarmos as potencialidades de cada participante com foco na manutenção de sua saúde e bem-estar”.

O projeto “Feliz Idoso” continuará durante todo o ano na cidade de Bacabal, sendo realizado todos os fins de semana, sempre aos sábados em diversas praças do município. A princípio, a iniciativa ocorrerá nas praças Santa Teresinha, Capitão José Antônio, São Jorge, Miguel Cunha, do Bolo, da Cohab e a da Bíblia. O grande diferencial do projeto é que os participantes terão suporte de profissionais de educação física e receberão todo o material e instrumentos necessários para a prática das atividades.

Todas as informações sobre esta edição do projeto “Feliz Idoso: Vida e Movimento na Melhor Idade” estão disponíveis nas redes sociais oficiais do projeto (@projetofelizidoso) no Instagram e no Facebook.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

68

As equipes do Brutos e do Juventude Maranhense farão a grande final da primeira edição do torneio de Fut 7 Beach Feminino do projeto “Esporte na Minha Cidade”, iniciativa patrocinada pela Drogarias Globo e pelo governo do Estado por meio da Lei de Incentivo ao Esporte. No próximo sábado (1º de fevereiro), os dois times estarão frente a frente para disputar o título da competição. A decisão está marcada para as 14h45, na quadra de areia montadas ao fundo do Bar Ilha Mar, na Praia do Calhau.

Tanto as meninas do Brutos quanto as do Juventude Maranhense chegam à final do “Esporte na Minha Cidade” com campanhas impecáveis até aqui. Os times finalistas têm 100% de aproveitamento, os melhores ataques e as melhores defesas do torneio, sinais de que criam uma expectativa de uma decisão de altíssimo nível.

Nas semifinais, realizadas no último sábado (25), o Brutos se impôs diante do Roma desde o início da partida e chegou a abrir 3 a 0 com gols de Juliana, Rafaela e Samara. Com a vantagem no placar, o Brutos controlou o jogo na etapa final para assegurar a classificação.

Já as meninas do Juventude Maranhense suaram muito para eliminar a forte equipe do Resenha. Após inúmeras chances desperdiçadas por ambas as equipes, o gol da vitória do Juventude surgiu nos minutos finais com Kamila. O 1 a 0 foi suficiente para levar a equipe à decisão do próximo sábado.

Sub-10 e Sub-12

O fim de semana também foi de disputas nas categorias de Fut 7 Sub-10 e Sub-12 masculino pelo “Esporte na Minha Cidade”. No Sub-10, duas goleadas foram registradas: Túnel FC 9 x 1 Chute a Gol e Slacc 10 x 0 Futuro do Amanhã. Já nas partidas do Sub-12, o Projeto Paredão fez 2 a 0 sobre o Aurora, e o Craques da Veneza venceram o V10 por 3 a 0.

No próximo domingo (2 de fevereiro), ocorrerá a terceira rodada dos torneios Sub-10 e Sub-12 a partir das 7h45, no campo do A&D Eventos, no Turu. A programação é a seguinte: Futuro do Amanhã x Túnel (Sub-10), Slacc x Chute a Gol (Sub-10), Aurora x V10 (Sub-12) e Projeto Paredão x Craques da Veneza (Sub-12)

Todas as informações sobre esta edição do “Esporte na Minha Cidade” e a programação completa de jogos estão disponíveis nas redes sociais oficiais do projeto (@esportenaminhacidade) e no “site” da Federação Maranhense de Futebol 7 (www.fut7ma.com.br).

(Fonte: Assessoria de comunicação)