Skip to content

LÍNGUA PORTUGUESA: dicas e exercícios 64

Neste domingo, selecionamos alguns questionamentos e, dentro do possível, eis as respostas...

1º) A presidente OU a presidenta?

Tanto faz. Nossos dicionários registram as duas formas. A escritora Nélida Piñón, quando se tornou presidente da Academia Brasileira de Letras, sempre foi tratada e se referia a si como “a presidente da ABL”.

Cristina Kirchner, após ser eleita presidente da Argentina, fez questão de ser chamada de “presidenta”, porque, segundo ela, é mais feminino. A verdade é que na língua espanhola, como na língua portuguesa, as duas formas são corretas e aceitáveis.

2º) Tiroide OU tireoide?

Tanto faz. As duas formas aparecem registradas nas edições mais recentes dos nossos principais dicionários. Não é, portanto, uma questão de certo ou errado. O que pode haver é uma preferência por uma ou por outra forma.

3º) Em prol OU contra?

Afirmou o representante de uma ONG ao repórter de uma TV: “Nosso objetivo é continuar a luta em prol da desigualdade racial”.

Não acredito que ele dirija uma organização que lute a favor da desigualdade racial!

É lógico que ele queria dizer que sua luta é contra a desigualdade racial ou em prol da igualdade racial.

4º) Cair OU não cair?

Confessou o capitão do time: “Nossa briga é para cair para a segunda divisão”.

Se fosse verdade, seria um caso de demissão por justa causa, por traição. O nervosismo, após a derrota, provocou a confusão. Faltou uma palavra muito importante: “Nossa briga é para NÃO cair para a segunda divisão” ou “para nos manter na primeira divisão”.

5º) Fazer o reconhecimento do gramado?

Leitor questiona o uso da palavra “reconhecimento”.

O nosso leitor tem razão em parte. Se analisarmos o verbo “reconhecer” no sentido original, constataremos que “RE+conhecer” é “conhecer de novo”, logo só poderíamos “reconhecer” o que já conhecíamos. Assim sendo, se os jogadores estão entrando pela primeira vez naquele campo, não se trata de reconhecimento, e sim “conhecimento”.

O problema é que “reconhecimento do gramado” faz parte do jargão esportivo, do “futebolês”. É semelhante ao caso de “correr atrás do prejuízo”. Pode ser um absurdo, mas é perfeitamente compreensível por quem é do meio futebolístico.

Esse tipo de problema não deve ser tratado como um caso de certo ou errado. O que podemos discutir é se a expressão é adequada ou não em determinados contextos.

6º) Repetir de novo?

Leitor critica um dos nossos comentaristas de arbitragens que teria dito: “O árbitro, acertadamente, mandou o atacante repetir de novo a cobrança do pênalti”.

Se fosse para o atacante cobrar o pênalti pela segunda vez, nosso leitor teria razão: “repetir de novo” seria uma redundância.

O problema é que o pênalti foi cobrado três vezes. Quando o árbitro mandou o atacante cobrar pela terceira vez, podemos dizer que o árbitro mandou repetir de novo a cobrança do pênalti.

Inaceitável seria dizer que “O Sampaio repetiu três vezes a cobrança do pênalti”. Ou “bateu o pênalti três vezes” ou “repetiu duas vezes a cobrança do pênalti”.

Teste da semana

Assinale a opção que completa, corretamente, as lacunas da frase abaixo:

“Nos dois _________, o time jogou à base de __________”.

a) jogos-treinos / contras-ataques;

b) jogos-treino / contras-ataque;

c) jogo-treinos / contra-ataques;

d) jogos-treino / contra-ataques;

e) jogo-treino / contra-ataque.

Resposta do teste:letra (d).

Quando uma palavra composta é formada por dois substantivos \variáveis, podemos flexionar os dois (jogos-treinos) ou só o primeiro se o segundo substantivo especificar o primeiro: JOGOS-TREINO. No caso de CONTRA-ATAQUE, temos uma preposição (invariável) + um substantivo variável: CONTRA-ATAQUES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.