Skip to content

O Ministério da Educação (MEC) divulga, nesta sexta-feira (16), o resultado do processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do primeiro semestre de 2021. A consulta pode ser feita na página do Sisu na internet. A matrícula será de 19 a 23 de abril, em dias, horários e locais de atendimento definidos pela instituição de ensino.

O processo seletivo do Sisu referente à primeira edição de 2021 vai ocorrer em uma única chamada. Quem não conseguiu uma vaga pode participar da lista de espera. Para isso, o estudante deverá manifestar seu interesse por meio da página do Sisu na internet, no período de 16 a 23 de abril, em apenas um dos cursos para o qual optou por concorrer.

Aquele que foi selecionado na chamada regular em uma de suas opções de vaga não poderá participar da lista de espera, independentementemente de ter realizado a matrícula na instituição. Os procedimentos para preenchimento das vagas não ocupadas na chamada regular serão definidos em edital próprio de cada instituição participante.

O Sisu é o programa do Ministério da Educação para acesso de brasileiros a cursos de graduação em universidades públicas do país. As vagas são abertas semestralmente, por meio de um sistema informatizado, e os candidatos são selecionados de acordo com suas notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Neste ano, foram ofertadas 206.609 vagas em 109 instituições públicas de ensino superior.

Quem tiver dúvidas pode entrar em contato com o MEC pelo telefone 0800-616161.

(Fonte: Agência Brasil)

A “Escolinha Gol de Placa”, iniciativa social patrocinada pelo governo do Estado e pelo El Camiño Supermercados por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, promoverá, neste sábado (17), mais uma edição do seu Campeonato Interno com a participação das 60 crianças atendidas nesta fase do projeto na cidade de Bacabal (MA). O torneio deste fim de semana será ainda mais especial, uma vez que marcará o encerramento da segunda edição do Gol de Placa. A programação esportiva terá início às 8h, na Associação Atlética Boa Vida, em Bacabal, seguindo todas as recomendações sanitárias necessárias.

“Essa temporada da Escolinha Gol de Placa foi de superação devido à situação da pandemia. Mas, graças a Deus, conseguimos proporcionar esporte e educação para nossas crianças da melhor maneira possível. Realizar o torneio de encerramento neste sábado é algo de muita alegria a todos nós. Nosso muito obrigado ao governo do Estado e ao El Camiño Supermercados e a todos que se empenharam pelo sucesso desse importante projeto”, explicou Kléber Muniz, coordenador do projeto. 

Idealizada para transformar a vida de crianças carentes na cidade de Bacabal, a “Escolinha Gol de Placa” é uma iniciativa dedicada a utilizar o esporte e a educação como ferramenta para formar bons cidadãos. Nesta edição, a escolinha atendeu crianças com idade entre 8 e 12 anos.

O projeto

O principal diferencial do projeto é conseguir unir esporte e educação na formação das crianças participantes da escolinha. Para isso, os meninos recebem acompanhamento pedagógico e aulas de futebol semanalmente. Todas as atividades são ministradas por profissionais multidisciplinares e com experiência no ensino educacional e esportivo. Nos dias das aulas e dos treinos, cada aluno tem alimentação garantida pelo projeto.

Assim como na edição anterior da escolinha, todas as crianças beneficiadas receberam um kit com todo o material esportivo necessário (uniforme, chuteiras, caneleiras e bolsas esportivas) para participar das aulas. Além disso, elas também receberam cadernos e garrafinhas de água individuais.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

A Academia Brasileira de Letras (ABL) abriu ao público, nesta quinta-feira (15), o acesso virtual ao seu acervo museológico, com mais de 200 itens disponibilizados digitalmente. A data coincide com a comemoração do Dia Mundial da Arte.

Dentro da transformação sociológica e do quadro de emergência sanitária que a pandemia do novo coronavírus trouxe para as pessoas, unindo o real e o virtual, a internet se mostrou um dos instrumentos mais eficazes para dar conta desse horizonte novo e inesperado, disse à Agência Brasil o presidente da ABL, professor Marco Lucchesi.

Por isso, a instituição considerou que era o momento oportuno para o lançamento do acervo museológico no processo de expansão natural do site. Além do acervo museológico, é possível também fazer consultas aos acervos arquivístico e bibliográfico da ABL.

Marco Lucchesi destacou que como o acervo museológico é grande, os itens serão acrescentados aos poucos. “É muito importante para o pesquisador, para a própria academia e para o grande público”. Os itens pertencem ao patrimônio da ABL. Boa parte veio de doações ou de compras efetuadas pela instituição, no passado.

O acesso virtual permitirá, inicialmente, ao usuário fazer consultas às coleções de pinturas, desenhos, esculturas e diversos materiais pertencentes à academia. Pelo novo sistema, o usuário terá acesso às fichas catalográficas das peças e suas fotografias. “Estamos oferecendo a beleza da nossa museologia, com nossas imagens”, disse Lucchesi. Esse projeto se junta a todos os outros que estão disponíveis no portal da Casa e que vão desde a acessibilidade até a tradução automática para mais de 100 idiomas.

Destaques

O presidente da ABL acrescentou que depois do acesso museológico virão outras iniciativas, dependendo de um ritmo mais complexo da pandemia, “porque nós queremos preservar a vida de mortais e imortais. Estamos obedecendo à risca os procedimentos sanitários e, sobretudo, o isolamento social”. Passada a crise da covid-19, Marco Lucchesi afirmou que terá ampliação a oferta dos arquivos da ABL para o público e sua digitalização.

As coleções do acervo museológico disponibilizadas hoje (15) trazem exemplares de diversos artistas da história da arte brasileira, em diferentes gêneros artísticos. A coleção de pintura, com mais de 100 itens, conta com exemplares de Portinari, Dimitri Ismailovitch e Rodrigo Soares. Já a coleção de escultura tem obras de Rodolfo Bernardelli, Bruno Giorgi e Celso Antônio de Menezes, dentre 140 peças.

A coleção de mobiliário, que será disponibilizada em breve, totaliza mais de 400 unidades. Cada peça terá pertencido a algum acadêmico, desde o fundador da ABL, Machado de Assis. “São peças que guardam em si mesmas um valor estético importante, dependendo de quem foi o dono anterior, mas é claro que em numa perspectiva mais intensamente ligada à cultura do Brasil, as peças acabam adquirindo valor agregado pela história de quem foi e por que chegaram à academia. É um ponto de orgulho a mais”, salientou Lucchesi. A parte de mobiliário deverá estar disponível no sistema ao longo dos próximos meses. Novos itens serão incluídos em breve ao acervo.

(Fonte: Agência Brasil)

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (14), o texto-base de um projeto de lei que permite aos jornalistas se tornarem microempreendedores individuais (MEI). Com isso, jornalistas freelancers (profissionais que trabalham de forma independente) poderão pagar uma carga tributária menor. Atualmente, eles podem se enquadrar como microempresas ou empresas de pequeno porte, mas não como MEI.

Os microempreendedores individuais pagam um valor único que inclui vários tributos federais – Imposto de Renda, Programa de Integração Social (PIS), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) – e garantem cobertura da Previdência Social. Apenas poderão se tornar MEI os jornalistas com receita bruta anual até R$ 81 mil.

O autor do projeto, senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), argumentou que a realidade do mercado de trabalho da atividade jornalística é de abundância de atividades autônomas chamadas de freelancers. Nesse caso, o jornalista não tem vínculo com o contratante, recebendo apenas por serviço pontual executado.

Já o relator, Carlos Viana (PSD-MG), jornalista de formação, exaltou a categoria em seu parecer. “O enquadramento como microempreendedor individual proporcionará ao jornalista tratamento simplificado e facilitado no exercício de sua atividade, assim como reduzirá a carga tributária suportada pelos profissionais”, afirmou.

Para Viana, a profissão de jornalista está “cada vez mais perigosa”. Ele destacou o aumento da violência contra os profissionais da imprensa e a atuação destes na situação atual de pandemia.

Outras categorias

Alguns senadores apresentaram destaques na intenção de incluir, no projeto, as categorias de produtor cultural, publicitário e corretor de imóveis. Os destaques, porém, não foram votados hoje e deverão ser alvo de negociação entre os senadores interessados e a base do governo nos próximos dias.

O relator do projeto diz temer que o presidente da República vete o projeto por recomendação da área econômica. Ainda existe a possibilidade de os senadores retirarem os destaques e apresentarem projetos separados para tais outras categorias.

Após resolvida essa questão, o projeto seguirá para análise da Câmara dos Deputados.

(Fonte: Agência Brasil)

Entre 2010 e 2020, pelo menos 103.149 crianças e adolescentes com idades de até 19 anos morreram no Brasil, vítimas de agressão, segundo levantamento divulgado pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Acrescentou que, do total, cerca de 2 mil vítimas tinham menos de 4 anos.

Apesar de os dados relativos a 2020 ainda serem preliminares, a SBP informou que, segundo especialistas consultados, o isolamento social, medida “essencial para conter a pandemia do novo coronavírus”, resultou em aumento da exposição das crianças a uma “maior incidência de violência doméstica”, o que, consequentemente, elevou também os casos letais.

Segundo o presidente do Departamento Científico de Segurança da SBP, Marco Gama, o estresse causado pela pandemia aumentou a probabilidade de as crianças serem vítimas de violência, além de causar prejuízos do ponto de vista da saúde física e mental.

No entanto, disse ele, independentementemente da pandemia, os casos de violência contra crianças e adolescentes sempre existiram, principalmente em ambiente doméstico ou intrafamiliar. A SBP acrescenta que, só em março de 2020, foi registrado, no Brasil, um aumento de 17% no número de ligações notificando a violência contra a mulher.

Morte de Henry deve ser apurada

“O caso do menino Henry [Henry Borel, cuja morte, no Rio de Janeiro, é investigada tendo como suspeitos o padrasto e a mãe] não pode ser ignorado e deve ser apurado com todo o rigor que a lei exige. Tal barbárie deve alertar, ainda, para a existência de outras crianças e famílias que vivem dramas semelhantes”, alertou, por meio de nota, a presidente da SBP, Luciana Rodrigues Silva.

A entidade acrescentou que estudos científicos e a prática dos profissionais que lidam com a infância e a adolescência indicam que tratamento humilhante, castigos físicos e qualquer conduta que ameace ou ridicularize a criança ou o adolescente, quando não letais, podem ser extremamente danosos à sua formação de personalidade e como indivíduos para a sociedade, bem como interferem negativamente na construção da sua potencialidade de lutar pela vida e no seu equilíbrio psicossocial. “Nascer e crescer em um ambiente sem violência é imprescindível para que uma criança tenha a garantia de uma vida saudável, tanto física quanto emocional”, conclui a presidente da entidade.

(Fonte: Agência Btasil)

Termina nesta quarta-feira (14), às 23h59, o prazo de inscrições para o processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do primeiro semestre de 2021. Os estudantes devem realizar as inscrições, exclusivamente, por meio da página do programa na internet, utilizando o mesmo login cadastrado no portal de serviços do governo federal.

O Sisu é o programa do Ministério da Educação (MEC) para acesso de brasileiros a um curso de graduação em universidades públicas do país. As vagas são abertas semestralmente, por meio de um sistema informatizado, e os candidatos são selecionados de acordo com suas notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Para esta seleção serão exigidos, exclusivamente, os resultados obtidos pelos estudantes no Enem de 2020, aplicado neste ano. Para participar, o estudante não pode ter zerado a redação.

O período de inscrições do Sisu começou no dia 6 de abril e terminaria no dia 9, mas foi prorrogado pelo Ministério da Educação até esta quarta-feira. São ofertadas, nesta edição, 206.609 vagas em 5.571 cursos de graduação, distribuídos em 109 instituições em todos os Estados do Brasil e no Distrito Federal.

O resultado está previsto para ser divulgado no dia 16 de abril. O processo de matrícula será de 19 a 23 de abril, em dias, horários e locais de atendimento definidos pela instituição de ensino.

O estudante poderá se inscrever no Sisu em até duas opções de vaga e especificar a ordem de preferência. Ele poderá optar por concorrer às vagas de ampla concorrência ou aquelas reservadas a políticas de ações afirmativas, as cotas. Entretanto, não é permitida a inscrição em mais de uma modalidade de concorrência para o mesmo curso e turno, na mesma instituição de ensino e local de oferta.

Nota de corte

Durante o período de inscrição, o sistema disponibilizará ao candidato, em caráter informativo, a nota de corte para cada instituição participante, local de oferta, curso, turno e modalidade de concorrência. As informações são atualizadas periodicamente, conforme o processamento das inscrições. No caso, o estudante poderá alterar as suas opções de curso, bem como efetuar o seu cancelamento. A classificação no Sisu será feita com base na última alteração efetuada e confirmada no sistema.

A partir deste ano, o MEC voltará a calcular as notas de corte do Sisu como fazia antes de 2020, quando o formato foi alterado. Assim, a nota do candidato parcialmente classificado no curso de sua primeira opção de inscrição não será mais computada para efeito do cálculo da nota de corte do curso de sua segunda opção.

Até então, os candidatos tinham acesso à classificação tanto para a primeira quanto para a segunda opção de curso, independentemente de terem se classificado para a primeira opção. Considerar a nota deles no cálculo da segunda opção de curso pode fazer com que a nota de corte desses cursos aumente. Para especialistas, isso cria uma camuflagem e um aumento de notas de corte que pode não ser real. Como os estudantes podem mudar a opção de curso, o risco é que eles sejam induzidos a mudar de opção, escolhendo, talvez, cursos que não os agradem tanto. 

Lista de espera

O processo seletivo do Sisu referente à primeira edição de 2021 vai ocorrer em uma única chamada. Para participar da lista de espera, o estudante deverá manifestar seu interesse por meio da página do Sisu na internet, no período de 16 a 23 de abril, em apenas um dos cursos para o qual optou por concorrer.

Aquele que foi selecionado na chamada regular em uma de suas opções de vaga não poderá participar da lista de espera, independentemente de ter realizado ou não sua matrícula na instituição. Os procedimentos para preenchimento das vagas não ocupadas na chamada regular serão definidos em edital próprio de cada instituição participante.

(Fonte: Agência Brasil)

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, deu posse, nessa terça-feira (13), aos novos reitores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Os mandatos dos gestores terão duração de 4 anos. Eles tomaram posse em uma cerimônia administrativa no Ministério da Educação (MEC).

No IFMT, foi nomeado o professor Júlio César dos Santos. Segundo o MEC, ele é doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), mestre em história e especialista em gestão escolar.

No IFSP, tomou posse como reitor Silmário Batista dos Santos, que é professor titular da instituição. Graduado em engenharia elétrica, ele possui licenciatura em ciências, é mestrado em engenharia elétrica e doutorado em administração. 

Também tomou posse, nessa terça, o professor Roberto de Souza Rodrigues. Ele será reitor da UFRRJ, onde atua como professor associado do Departamento de Economia do Instituto Multidisciplinar da universidade. Doutor em economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tem experiência na área de economia, com ênfase em política fiscal do Brasil. 

(Fonte: Agência Brasil)

Sessenta judocas do Fórum Jaracaty receberam, na manhã desta terça-feira (13), novos quimonos para a prática da atividade, que é diária, na sede do projeto. As equipagens foram adquiridas por meio da Lei de Incentivo ao Esporte do governo do Estado e da Equatorial Maranhão, patrocinadores do Fórum. Além dos alunos, o evento de entrega dos quimonos contou com a presença do secretário de Estado de Esporte e Lazer, Rogério Cafeteira, dos senseis e de alguns pais e responsáveis.

O secretário elogiou o projeto que, segundo ele, é um dos mais significativos para o esporte do Maranhão. “É uma satisfação muito grande está aqui hoje. É um dos projetos mais antigos que temos, Feito com muito carinho, atenção e competência e que vem mudando a vida de crianças e adolescentes da região. Me traz muita alegria ver que os recursos vêm sendo bem aplicados”, ressaltou.

A alegria das crianças em receber os novos quimonos foi expressada pela judoca Lívia Lauande, de 10 anos. “Eu usava antes o da minha prima. Eu feliz. Nunca tinha ganhado um quimono assim. É o quimono mais bonito que eu já vi”, disse a jovem atleta.

A diretora-executiva do Fórum Jaracaty, Márcia Assunção, revelou a satisfação pelo momento. “Entregamos os quimonos para mais um ano de atividades e, ainda, entregaremos uniformes e a equipagem aos alunos do futsal. Só posso agradecer ao governo do Estado e à Equatorial Maranhão por possibilitar esses equipamentos aos alunos”, explicou.

Executivo de Comunicação, Marketing e Sustentabilidade da Equatorial Energia, Carlos Hubert Cardeal, afirmou o orgulho da empresa em patrocinar o Fórum Jaracaty, um projeto que tem formado campeões no esporte e na vida.

“A Equatorial Maranhão acredita no poder transformador do esporte aliado à educação de crianças e adolescentes. Acreditamos que novas perspectivas se formam a partir das vivências que o esporte proporciona. O Fórum Jaracaty é uma prova real de que, por meio dos esportes, vidas são transformadas efetivamente. Os alunos do Fórum se destacam em todas as competições, e isso é de um grande orgulho e satisfação para a Equatorial. É um projeto que vem sendo replicado para outros lugares porque vem dando muito certo”, concluiu.

Sobre o Fórum

O Fórum Jaracaty é um projeto patrocinado pelo governo do Maranhão e pela Equatorial Energia, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte. O projeto atua há mais de uma década transformando a vida de crianças e adolescentes dos bairros Jaracaty, Ilhinha e Liberdade. Atualmente, atende cerca de 200 crianças e adolescentes em sua sede, com esporte, informática e brinquedoteca. O projeto também fomenta atividades aos pais dos alunos, como cursos de corte e costura e culinária.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

Depois de todo o país se chocar com a morte do menino Henry, de 4 anos, no Rio de Janeiro, vítima de violência doméstica, muitos pais estão se perguntando como evitar que isso aconteça. A psicóloga Caroline Brilhante garante que validar e ouvir a queixa dos filhos ajuda muito. 

Para ela, os pequenos sempre sinalizam, de alguma maneira, que algo não vai bem. Caroline explica que choros frequentes ou mudanças no comportamento na escola ou em casa são alguns dos sinais: “a criança pode começar a se tornar mais agressiva com o coleguinha na escola, por exemplo. Começar a fazer brincadeiras em casa de luta, de bater. [Pode apresentar] resistência em chegar perto da pessoa que é o agressor ou a agressora”.

Diante de sinais como esses, é importante buscar ajuda profissional. Bruna Azzari, que é especialista em Direito da Criança e do Adolescente na Universidade Mackenzie, explica que quem tem condições deve levar a criança a um psicólogo, para tentar entender o que está acontecendo.

Bruna destaca ainda que a sociedade como um todo é responsável por proteger qualquer criança de violência e maus-tratos. Então, na dúvida, é bom procurar ajuda e denunciar. É possível fazer denúncias ligando para o número 190 (Polícia Militar) ou 100 (Disque Direitos Humanos). A ligação para o Disque 100 é anônima e gratuita.

O Unicef – Fundo da ONU para a Infância – se pronunciou em nota sobre a morte do menino Henry. Afirmou que, em todo o mundo, grande parte da violência contra as crianças acontece dentro de casa, e o agressor é conhecido da vítima.

Entenda o caso do menino Henry

O menino Henry Borel Medeiros morreu no dia 8 de março, no apartamento onde morava com a mãe Monique Medeiros e o padrasto, o vereador Dr. Jairinho. Inicialmente, o caso foi tratado como um acidente.

A mãe e o padrasto se declararam inocentes e mantinham a versão de que o menino havia caído da cama, durante a madrugada. No entanto, perícias médicas constataram que a vítima havia sido vítima de agressões.

O delegado Henrique Damasceno, que investiga o caso, diz não ter dúvidas de que Jairinho é o autor da morte de Henry. A polícia ainda investiga qual teria sido a participação da mãe no crime.

(Fonte: Agência Brasil)

O Ministério das Comunicações simplificou as regras para o aumento da cobertura de rádios FM no país. Agora, elas poderão solicitar aumento de potência e de área de cobertura a qualquer momento para o ministério. Antes, essa mudança só poderia ser feita a cada dois anos. A medida foi publicada no Diário Oficial da União de hoje (13).

Com as novas regras, as rádios devem realizar o pagamento de uma taxa adicional para autorização do aumento de potência. Além disso, a solicitação deverá ser acompanhada por justificativa quanto às vantagens e necessidade das alterações pretendidas. De acordo com o ministério, o objetivo da simplificação nos requisitos é ofertar mais conteúdo e melhor atender a comunidade do município para o qual o serviço é destinado.

“A população será a maior beneficiada no processo, pois terá melhora na cobertura e qualidade do sinal das rádios”, explicou o secretário de Radiodifusão do MCom, Maximiliano Martinhão. Já o secretário-executivo do MCom, Vitor Menezes, afirmou que as novas regras vão aquecer o setor de rádio. “Estamos trabalhando para desburocratizar o setor de radiodifusão e ofertar mais conteúdo à população. Essa portaria é uma entrega muito importante para as rádios de todo o país, pois possibilita o aumento de potência de forma muito mais eficiente”.

As novas regras também aceleram a mudança de nível de uma rádio. Hoje, as emissoras são divididas nas seguintes escalas, do menor nível para o maior: C, B2, B1, A4, A3, A2, A1, E3, E2 e E1. A alteração de uma classe para outra, anteriormente, só podia ser feita a cada dois anos.

Com a nova portaria, uma rádio que esteja na classe C, por exemplo, poderá saltar diretamente para a E1, desde que seja tecnicamente viável e mediante autorização do MCom, além de efetuados os pagamentos referentes às alterações solicitadas.

(Fonte: Agência Brasil)