Saltar para o conteúdo

A interação do rádio com os esportes é o tema da edição deste ano proposto pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) para lembrar, hoje (13) ,o Dia Mundial do Rádio. Segundo a Unesco, o tema busca mostrar como o aumento da participação feminina nas transmissões esportivas de rádio pode contribuir para a liberdade de expressão.

“Apenas 12% das notícias esportivas são apresentadas por mulheres. A Unesco está trabalhando para promover a cobertura dos esportes com participação das mulheres, a combater a discriminação de gênero nas ondas de rádio e a promover oportunidades iguais na mídia esportiva. A tarefa é imensa”, disse a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, em mensagem no site da Unesco. No comunicado, Audrey destacou que, segundo o relatório do Projeto Global de Monitoramento de Mídia, apoiado pela Unesco, somente 4% do conteúdo esportivo na mídia são dedicados aos esportes com participação feminina.

Ela ressalta que o rádio é um poderoso meio de transmitir os valores do jogo limpo, do trabalho em equipe e da equidade no esporte. “O rádio pode ajudar a combater o racismo e os estereótipos xenófobos que são, infelizmente, expressos dentro e fora do campo. Ele permite a transmissão de uma enorme variedade de esportes tradicionais, muito além das equipes de elite. Permite ainda a oportunidade de estimular a diversidade como uma força de diálogo e tolerância”.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, lembrou que neste momento em que ocorrem os Jogos Olímpicos de Inverno, em PyeongChang, na Coreia do Sul, é preciso reconhecer o potencial das emissões desportivas como um veículo de aproximação das pessoas. “O rádio pode unir e empoderar comunidades e dar voz aos marginalizados”, disse Guterres.

O Dia Mundial do Rádio foi aprovado pela Assembleia Geral da ONU em 2011. Desde então, a data é lembrada no dia 13 de fevereiro em homenagem à inauguração da Rádio das Nações Unidas, em 1946.

Brasil

No Brasil, para marcar a data, as ações de comemoração foram planejadas pela representação da Unesco no país e o Ministério do Esporte por meio de entrevistas de desportistas para rádios e vídeos para as redes sociais. O recordista mundial paralímpico de natação Daniel Dias e a jogadora de vôlei e campeã pelo Esporte da Unesco Jackie Silva gravaram vídeos.

As estações de rádio interessadas no tema deste ano podem acessar o site oficial do Dia Mundial do Rádio disponível nas seis línguas oficiais da ONU: espanhol, inglês, francês, árabe, russo e chinês, e registrar seus eventos, seja entrevistas curtas ou programas de rádio. Foi definida ainda a hashtag #DiaMundialdoRádio para marcar a data.

(Fonte: Agência Brasil)

Já estão abertas as inscrições para a 21ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA). A competição é aplicada em 13 mil escolas para alunos dos ensinos fundamental e médio. Os participantes da olimpíada recebem certificado e concorrem a 40 mil medalhas.

As escolas interessadas em participar da competição podem se inscrever até 18 de março no site oficial da olimpíada. As instituições de ensino que já participaram da edição passada da competição não precisam realizar um novo cadastro.

A competição será marcada para o dia 18 de maio e selecionará os representantes do Brasil na Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA) e na Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA). No mesmo dia do torneio, ocorrerá a Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG).

As provas estão divididas em quatro níveis: três para os alunos do ensino fundamental e um para os do ensino médio. A avaliação tem dez perguntas em cada etapa: três de astronáutica e sete de astronomia. A maioria delas, porém, exige apenas raciocínio lógico. As medalhas são distribuídas de acordo com a classificação em cada um dos níveis.

Cerca de 60 alunos serão selecionados para participar da Jornada Espacial. Serão pré-selecionados somente alunos do ensino médio, de qualquer ano/série, com as melhores notas de Astronáutica e que ainda não tenham participado da jornada. Não há taxa de inscrição para escolas ou alunos participarem da OBA.

(Fonte: Agência Brasil)

A primeira edição de 2018 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) teve 2.117.908 estudantes inscritos. Já o total de inscrições chegou a 4.122.654, já que cada participante pôde fazer até duas opções de curso. A oferta aponta um número recorde de vagas – 239.716, no total –, distribuídas em 130 instituições.

Para o ministro da Educação, Mendonça Filho, o Sisu é um dos principais instrumentos de acesso à educação pública superior no país. “Ele destaca-se também porque, das 239.716 vagas ofertadas, 103.940 foram para a Lei de Cotas e 17.386, para as ações afirmativas próprias das instituições de ensino superior, dando oportunidade de acesso ao ensino superior de qualidade aos jovens oriundos das escolas públicas e de baixa renda”, explica. “Por fim, o processo foi bastante exitoso no que tange à estabilidade do sistema em relação aos milhões de acessos registrados”.

Das 130 instituições que participam do Sisu, 30 são instituições públicas estaduais (um centro universitário, sete faculdades e 22 universidades) e 100, públicas federais, com dois centros de educação tecnológica, uma faculdade, 61 universidades e 36 institutos federais de educação, ciência e tecnologia.

Do total de inscritos, 58,2% são do sexo feminino e 41,8%, do masculino. Já o Estado com o maior número de inscritos foi Minas Gerais (538.530), com 30.336 vagas. O Rio de Janeiro apareceu na sequência, com 332.497 inscritos e 16.762 vagas. A Universidade Federal de Minas Gerias (UFMG) ficou no topo das instituições de ensino, com 155.386 inscrições, seguida pela Universidade Federal do Ceará (UFCE), com 145.638 inscrições.

O curso com o maior número de inscrições em todo o país foi medicina (235.508), com administração (221.413) em segundo lugar e direito (218.470) na terceira posição.

O Sisu é o ambiente virtual criado pelo MEC para selecionar estudantes para vagas em instituições públicas de educação superior com base nas notas registradas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Podem concorrer todos os que fizeram as provas de 2017 do Enem e obtiveram nota acima de zero na redação.

Veja aqui o balanço final do Sisu.

(Fonte MEC)

Termina, nesta quarta-feira (7), o prazo para que os candidatos aprovados na chamada regular do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) façam a matrícula na instituição escolhida. Também é o último dia para os candidatos que pretendem concorrer a uma vaga na lista de espera manifestar interesse.

Para isso, o estudante deve consultar o boletim do candidato na página do Sisu. A convocação desses candidatos pelas instituições será feita a partir de 9 de fevereiro.

Este ano, são ofertadas 239.716 vagas em 130 instituições, sendo 30 instituições públicas estaduais e 100 públicas federais.

O Sisu é o ambiente virtual criado pelo Ministério da Educação para selecionar estudantes para vagas em instituições de educação superior com base nas notas registradas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Podem concorrer todos os que fizeram as provas do Enem em 2017 e obtiveram nota acima de zero na redação.

(Fonte: Agência Brasil)

A participação no Conecta Biblioteca, programa nacional de estímulo à transformação social por meio de bibliotecas públicas, levou a biblioteca do município de Domingos Martins (ES) a registrar um número histórico de usuários em 2017. Um total de 15.041 pessoas, ou o equivalente à 50% da população da cidade, passou a utilizar o espaço da biblioteca para transformação sociocultural. Também a biblioteca de Juína (MT) experimentou um salto no número de usuários: de 700 empréstimos anuais, para 3 mil por ano.

Com o objetivo de fortalecer as habilidades dos profissionais de bibliotecas e incentivar o papel desses espaços no desenvolvimento de comunidades, o Conecta Biblioteca lançou, nesta segunda-feira (5), uma convocatória para selecionar 108 bibliotecas públicas em todo o Brasil até o próximo dia 5 de março. O edital está disponível na internet. O programa é coordenado pela organização não governamental (ONG) Recode e pela Caravan Studios e tem patrocínio da Fundação Bill e Melinda Gates.

“O programa visa fortalecer as habilidades profissionais dos bibliotecários, mas sempre com o objetivo de impactar os usuários, a comunidade”, ressaltou a diretora-executiva da ONG, Viviane Suhet. No ano passado, 92 bibliotecas de 86 municípios de 24 Estados e do Distrito Federal ingressaram no programa. Oitenta por cento desses 92 equipamentos criaram comitês de jovens, que contabilizam até o momento 550 voluntários, que ajudam nas pesquisas das comunidades, trabalham ligados no dia a dia das bibliotecas e, inclusive, ajudam na execução das ideias propostas.

Na biblioteca de Cariacica (ES), os jovens voluntários reforçaram a oferta de cursos on-line de tecnologia, que são ministrados por um integrante do comitê de jovens, João Carlos Valadares Júnior. Com apoio da prefeitura local, eles oferecem também um curso presencial gratuito, contribuindo para a inclusão digital da população. Outro caso que envolve bastante a comunidade é o da Biblioteca Maria Santana, em Juína (MT), que criou uma programação dentro do Carnaval oficial da cidade. A Bibliofolia é um espaço para contação de histórias e jogos. “Isso tem levado bastante a comunidade para dentro da biblioteca. O folião tem contato com os livros”, disse Viviane Suhet. “É o equipamento ser conhecido como um espaço de transformação social. Um equipamento cultural que dialoga com a comunidade que está no entorno, que contribui para o desenvolvimento das pessoas”, destacou.

Nova visão

Além de fortalecer as habilidades dos profissionais das bibliotecas, o programa visa a formar nas unidades uma nova programação que esteja em sintonia com a agenda de desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). “No momento em que esses profissionais fortalecem suas habilidades e passam a entender como podem pesquisar uma comunidade, criar uma estratégia de comunicação, trabalhar uma gestão participativa, [eles] descobrem como trazer para dentro uma programação, novos usuários ou aumentar a frequência daqueles que já visitam a biblioteca”, disse Viviane.

A ideia é aumentar em, pelo menos, 60% o número de usuários, sendo um terço de jovens. Por meio da parceria com governos, organizações da sociedade civil e setor privado, o programa garante a continuidade, na medida em que os funcionários das bibliotecas conseguem articular parcerias em seus municípios e Estados para fazer com que esse apoio tenha caráter permanente e ultrapasse o programa.

Em Domingos Martins (ES), a bibliotecária Ana Maria Silva realiza aulões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) transmitidos on-line. Também promove uma feira de produtos agroecológicos dentro da biblioteca. Já em Abaetetuba (PA), a participante Alessandra Dias conseguiu, mediante parcerias entre secretarias de governo municipal, transformar a biblioteca em um polo de promoção da cidadania, onde usuários podem tirar a carteira de identidade, Cadastro Nacional de Pessoa Física (CPF) e Carteira de Trabalho, entre outras certidões.

Condições

Nessa segunda etapa do programa, podem se inscrever bibliotecas de municípios com até 400 mil habitantes de todos os Estados e do Distrito Federal, que tenham, no mínimo, três computadores voltados para a comunidade e conectados à internet, com cadastro atualizado no sistema nacional de bibliotecas públicas e sistemas estaduais. A preocupação é beneficiar municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), disse Viviane Suhet.

No período de 14 a 18 de maio próximo, o programa reunirá cerca de 200 participantes das duas etapas no 2º Encontro Nacional Conecta Biblioteca, no Rio de Janeiro, com presença dos parceiros do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP) e da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB), do Ministério da Cultura. A agenda inclui compartilhamento de boas práticas e o início da formação, com o módulo sobre pesquisa da comunidade. A expectativa é que, a partir de setembro, sejam criados indicadores que revelem o perfil dos usuários de bibliotecas no Brasil.

A diretora-executiva da ONG Recode analisou que a biblioteca pode ser muito mais do que um depósito de livros e ajudar a transformar a comunidade onde está localizada. O programa Conecta Biblioteca pretende deixar toda a formação dos profissionais em uma plataforma on-line, que possa ser utilizada pelas demais bibliotecas do país.

Viviane espera que, até 2020, todas as bibliotecas estejam ajudando a transformar suas comunidades de forma integrada. Isso envolve 6.102 bibliotecas cadastradas no Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas; 110 bibliotecas comunitárias cadastradas na Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias (RNBC), além das bibliotecas escolares. De acordo com o Censo Escolar 2016, do total de 217.480 escolas públicas do país, apenas 21% dispõem de biblioteca em suas dependências.

(Fonte: Agência Brasil)

Usuários da internet têm à disposição, gratuitamente, o acesso à revista National Geographic, por meio do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão vinculado ao Ministério da Educação. A publicação está disponível desde a primeira edição, de 1888, até o ano corrente. Por meio do acordo da Capes com a editora responsável pela publicação no Brasil, todo Internet Protocol (IP), o número de identificação do dispositivo em uma rede, terá acesso ao conteúdo.

Com quase 130 anos de história, a revista é reconhecida pela qualidade em fotojornalismo e cartografia, oferecendo cobertura aprofundada de ciência, tecnologia, geografia, cultura, vida animal, meio ambiente e ecologia. Devido à variedade de temas, o título beneficia professores, estudantes, pesquisadores e outros profissionais que têm curiosidade acadêmica e gostam de ampliar seus conhecimentos.

Na página da revista, os usuários também têm acesso a edições da National Geographic Brasil, além de material de áudio e vídeo originais produzidos pelas expedições da National Geographic Society – entidade norte-americana responsável pela editoração do conteúdo.

Abrangência

A National Geographic é mensal e divulgada em vários países. Possui visibilidade internacional devido à sua qualidade editorial e está indexada em uma plataforma de busca de fácil acesso, que permite navegação rápida pelos assuntos de interesse. É publicada em mais de 30 idiomas, incluindo português, grego, polonês, coreano, hebraico, tcheco e romeno.

A pesquisa pode ser feita por meio de qualquer computador ligado à internet – em casa, na escola, no trabalho ou onde o usuário se sentir confortável para navegar e explorar o conteúdo disponível. Além de visualizar na íntegra os artigos, é possível armazenar as informações de interesse em uma conta pessoal ou ainda imprimir o material para posterior leitura.

O acesso pode ser realizado a partir do banner localizado na página inicial do Portal de Periódicos da Capes – área “Parceiros” – ou no link “buscar base”. Há, ainda, a possibilidade de pesquisa pelo campo “buscar periódico”, onde o usuário encontrará as opções National Geographic Adventure, National Geographic Explorer e National Geographic Traveler.

Portal

O Portal de Periódicos da Capes é uma biblioteca virtual que reúne e oferece a instituições de ensino e pesquisa no Brasil o melhor da produção científica internacional. Possui um acervo de mais de 38 mil títulos com texto completo, 134 bases referenciais, 11 bases dedicadas exclusivamente a patentes, além de livros, enciclopédias e obras de referência, normas técnicas, estatísticas e conteúdo audiovisual.
Criado para ampliar o acesso das bibliotecas brasileiras à informação científica internacional, o portal é considerado um modelo único de consórcio de bibliotecas, sendo inteiramente financiado pelo governo brasileiro. Devido à sua abrangência, também é considerado a iniciativa do gênero com o maior alcance no planeta.

Clique aqui para acessar o conteúdo do portal disponível para a sua instituição.

(Fonte: MEC)

A partir das 18h de hoje (5), os candidatos que participaram do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), referentes ao ensino médio, poderão consultar o resultado da prova. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) vai publicar as notas na página do participante.

Para acessar os resultados é preciso informar o Cadastro de Pessoa Física (CPF) e ter senha cadastrada na inscrição. A divulgação dos resultados do Encceja Nacional – referentes ao ensino fundamental, assim como das edições para pessoas privadas de liberdade e realizadas no exterior – permanece na data prevista: a partir de março.

O Encceja Nacional foi aplicado no dia 19 de novembro, em 564 municípios. Dos 1.575.561 inscritos, (81%) buscavam a certificação do ensino médio. O exame é direcionado aos alunos que não concluíram os estudos na idade adequada e desejam obter a certificação no ensino fundamental ou no ensino médio.

(Fonte: Agência Brasil)

Termina, na próxima quarta-feira (7), o prazo para os candidatos ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) que pretendem concorrer a uma vaga em instituições de educação superior na lista de espera manifestarem seu interesse. A convocação desses candidatos pelas instituições será feita a partir de 9 de fevereiro.

Para manifestar o interesse na lista de espera, o estudante deve consultar o boletim do candidato na página do Sisu. Os candidatos também podem acompanhar sua inscrição pelo aplicativo para celulares, onde podem ser acessadas as classificações parciais e notas de corte, além do resultado final e a lista de aprovados.

Também termina na quarta-feira o prazo para matrículas na chamada regular do Sisu. Este ano, são ofertadas 239.716 vagas em 130 instituições, sendo 30 instituições públicas estaduais e 100 públicas federais.

O Sisu é o ambiente virtual criado pelo Ministério da Educação para selecionar estudantes para vagas em instituições de educação superior com base nas notas registradas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Podem concorrer todos os que fizeram as provas do Enem em 2017 e obtiveram nota acima de zero na redação.

(Fonte: Agência Brasil)

O aprendizado por meio de projetos, sem aplicação de provas e com a participação da comunidade, é a proposta da Comunidade de Aprendizagem do Paranoá (CAP), que começará este ano a atender 560 crianças da região administrativa, que fica a cerca de 15 quilômetros do centro de Brasília.

A estrutura não terá a divisão usual por salas e cadeiras enfileiradas. A ideia é que os estudantes proponham temas e os desenvolvam por meio de projetos, oficinas e roteiros de estudo. Por exemplo, uma criança que mora em uma rua sem asfaltamento, que afeta a saúde de algum integrante da família, por causa da poeira, pode levar essa demanda para a escola, que será trabalhada em diversos aspectos.

“A partir dessa demanda, o currículo da criança vai ser trabalhado em torno desse projeto. Ela vai aprender em química como se faz a mistura do asfalto, pode aprender por que a poeira causa doenças. Também vai ter que ter atitudes para mudar a realidade, fazer passeatas, ligações para pressionar o governo. Ações cidadãs, além dos conteúdos que serão abarcados em todo o projeto”, explica a professora Marina Teatini de Carvalho, uma das idealizadoras do projeto.

Apesar da forma de ensino diferenciado, o conteúdo é o mesmo previsto na Base Nacional Comum Curricular. Não haverá medição do aprendizado por meio de provas, e a avaliação será feita de maneira contínua, processual e cumulativa.

Estrutura

O projeto foi elaborado por um grupo de professores para ser aplicado pela Secretaria de Educação do Distrito Federal, ou seja, será uma escola pública. O prédio onde funcionará a CAP ainda está em obras, e deve ficar pronto até abril. Por enquanto, as crianças da comunidade estão assistindo a aulas em uma escola na região administrativa do Cruzeiro, mas as professoras da CAP já estão trabalhando com os alunos em galpões no Paranoá.

A estrutura principal da Comunidade de Aprendizagem do Paranoá é dividida em três espaços amplos, semelhantes a galpões. Como o espaço é compartilhado, os estudantes não são agrupados no local de acordo com faixa etária ou ano.

A escola se organiza em dois núcleos de aprendizagem: iniciação e desenvolvimento. Todos os alunos entram no núcleo de iniciação, onde são trabalhados aspectos sociais, emocionais, lógicos e linguísticos. Para passar para o núcleo de desenvolvimento, o aluno precisa adquirir atitudes, valores e autonomia, além do aprendizado.

Conexão com a realidade

Para a professora Marina, a conexão com a realidade dos alunos é fundamental para o aprendizado. “Qualquer pessoa que estuda a ciência do conhecimento sabe como o conhecimento acontece de fato entre os neurônios. Sabemos que o conhecimento vai ser realmente aprendido se for realmente significativo, ele tem que ter alguma âncora com a realidade da pessoa. Não tem como aprender de verdade se a pessoa está em uma bolha, onde não está vivenciando os conhecimentos. Além disso há uma transformação da realidade, a criança descobre o seu potencial de transformação, e isso é impagável”, explica.

O secretário de Educação do Distrito Federal, Júlio Gregório Filho, também ressalta que a medida está alinhada com a necessidade de transformações no modelo pedagógico atual. “A sociedade do século 21 não se adapta à escola que foi criada para séculos anteriores. Não vamos conseguir alterar nosso sistema atual se não abrirmos espaços para novas práticas pedagógicas”, avalia.

A inspiração para a escola do Paranoá veio de outros projetos já existentes, como a Escola da Ponte, em Portugal, e o Projeto Âncora, em Cotia (SP). O pedagogo português José Pacheco, que encabeçou a criação da Escola da Ponte, participou do processo de formação da Comunidade de Aprendizagem do Paranoá.

(Fonte: Agência Brasil)

A Embaixada da China no Brasil recebe, até o dia 31 de julho, inscrições para o concurso de ensaios Eu e a China. Realizada em parceria com o China International Publishing Group, a premiação marca o 40º aniversário da política de reforma e abertura do país asiático.

De acordo com a embaixada, o concurso tem o objetivo de aprofundar a amizade entre Brasil e China e “fomentar o intercâmbio humanístico”.

Os autores das duas melhores redações serão premiados com uma viagem à China. Os demais 12 ensaios destacados serão agraciados com produtos eletrônicos.

Os participantes devem elaborar um texto em português, de até 8 mil palavras, descrevendo a relação individual e familiar com a China após a aplicação da política de reforma e abertura e o seu crescimento pessoal e em paralelo com o progresso do país.

Serão aceitas apenas obras individuais, e cada participante só poderá inscrever um ensaio. A obra deve ser original e inédita.

O anúncio dos vencedores está previsto para setembro.

Mais informações sobre o concurso estão disponíveis no site da Embaixada da China.

(Fonte: Agência Brasil)