Skip to content

Lembrando papai… SARNEY CONVERSANDO COM O POVO*

O líder popular, governador José Sarney, está visitando os bairros. Ele e os seus secretários imediatos. Sarney entra em contato com o povo. Realiza, assim, a sua prestação de contas. Informa o que já fez o governo. Informa todo o seu trabalho no sentido de cumprir as promessas feitas durante a sua campanha eleitoral.

Dele, a palavra simples, a palavra orientadora. Dele, a sinceridade. Dele, a melhor compreensão para ouvir, para sentir, de perto, as necessidades do povo. Fala. Esclarece. Registra as ocorrências. O povo ouve e o aplaude. Para os adversários, Sarney está fazendo demagogia. Mas, para os que ouvem Sarney, o governo está conversando com o povo, mostrando as providências tomadas para resolver o problema da água, da luz. Fala apresentando fatos.

E o povo sabe que Sarney não está mentindo. Os adversários se encolhem, e outros utilizam a campanha do desespero. Utilizam uma oposição sem brilho, sem o fortalecimento das argumentações capazes de convencer. Criam. Inventam. Sarney realiza. Sarney governa. Sarney trabalha. Sarney mantém a liderança. É um fato.

Outro dia, surpreendemos Sarney na Coreia. E a Coreia iluminou-se. Parecia uma noite de festa. E perguntamos: “O que houve?” “O governador está no bairro”. E um boêmio que bebericava: “– Sarney está aí, veio falar com a gente. Já o vi. O branco fala bem. E olhe, vai recuperar o Maranhão. E deixa os outros falarem...” E Sarney estava no bairro, falando. Fazendo a reportagem do seu governo, do que tem feito. O povo ouvindo, aplaudindo Sarney.

E a verdade é que o líder popular vem fazendo muito. Exigir de Sarney mais não é possível. Encontrou um Estado arrasado. Um Estado sem identificação própria. Cid Carvalho afirmou isto e Renato também. O povo também dizia isto. Até os amigos da Copa, quando Newton estava no governo, diziam isto cá fora.Mas Newton fez umas coisinhas. Podia até ter mais. A política não deixou. O PSD não deixou. O ódio contra os adversários não deixou. Mas o “cassado” fez. Deixou marcas da sua presença no Executivo. É verdade que prevaleceu o aproveitamento. Newton ficou rico. Na sombra de Newton, muitos ficaram ricos. Havia mesmo campeando, por toda a parte, a licenciosidade. O furto generalizou-se. Mas o Brasil também estava submetido. Muitos outros governos roubaram!

A revolução pegou muita gente na fartura dos negócios mais escusos. Mas não se pode esconder que Sarney encontrou um Estado em situação difícil. E, em poucos meses de gerência, o ex-deputado udenista tem realizado. Deu outra feição na vida administrativa do Estado. Verdade. Tem contrariado alguns amigos. Tem irritado alguns inimigos. Mas Sarney governa. E o povo sabe e sente isto.

Mas dizíamos que o governador José Sarney está visitando os bairros. Está fazendo a sua prestação de contas. Está ouvindo o povo. Anotando as reclamações. Explicando. Submetendo-se ao julgamento popular. E isto é bom. Todos os governos deviam fazer isto. Conversar diretamente com o povo. Olhar de cara o povo, de perto. Prestar esclarecimentos. Mostrar a realidade da sua administração. Mostrar as dificuldades. Isto não é demagogia, é democracia. Democracia pura, boa e da melhor.

Sarney está falando ao povo. Mostrando as medidas “determinadas ao Departamento de Estrada de Rodagem para o asfaltamento das vias públicas dos bairros e outras melhorias para os subúrbios”. Com Sarney, o exemplo, a melhor maneira de responder aos ataques dos seus adversários. É a melhor maneira de continuar oposicionista! Tá certo ou não tá? – Tá!

Anil viu Sarney numa noite magnífica. Um céu na iluminação das estrelas. Um pedaço de luz no crescimento. Com o povo, a iluminação de novas esperanças. E Sarney falou. O povo aplaudindo o líder oposicionista. O político evoluído que há em Sarney. E parece que Sarney vai prosseguir, visitando os bairros e os subúrbios. Com os adversários, o desespero. A raiva. E, com raiva e despeito, eles trabalham, estão trabalhando em favor de Sarney. O povo gosta de ouvir Sarney. E, no Anil, ouvimos as mais encantadoras impressões. E, enquanto houver a confiança do povo, o governo vai bem. O Maranhão vai progredindo. Sarney, acreditamos ainda, não decepcionará.

O governador está falando nos bairros, falando ao povo.

* Paulo Nascimento Moraes. “A Volta do Boêmio” (inédito) – “Jornal do Dia”, 28 de outubro de 1966 (sexta-feira).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.