Saltar para o conteúdo

**

Dia 22 de outubro é a data da criação, em 1970, da Biblioteca Pública Municipal de Imperatriz (Decreto nº 09/70).

A Biblioteca foi criada pelo, à época, prefeito Renato Moreira e “descriada”, ao longo desses 50 anos, pela falta de amor e decisão verdadeiros acerca da importância do livro, da leitura e do conhecimento para a transformação – para melhor – da vida de pessoas e comunidades.

Doei milhares de livros e revistas e outras publicações para a Biblioteca Pública de Imperatriz e para as bibliotecas da Uema (hoje Uemasul) e da UFMA, além de outras entidades.

Quando fui secretário municipal de Comunicação e Cultura, instruí a direção da Biblioteca para que, em vez de atender no balcão estudantes e demais pessoas, reorganizasse-se para deixar que os interessados “passeassem” por entre as fileiras de estantes...,

... tivessem, no ritmo de cada um, a atenção chamada por uma lombada, uma capa, um sumário...,

... fosse permitido escorrer os dedos por entre as páginas, folheando e “sentindo” cada exemplar...,

... que cada um parasse e se deparasse frente à obra que procurasse e outras que lhe instigassem...

Enfim, cada interessado deveria fluir como água por entre as margens feitas de estantes e livros.

Que cada um navegasse pelo leito daqueles oceanos de celulose e tinta que são os livros.

Foi feito. E até hoje permanece assim.

**

Nem de longe a Biblioteca Pública Municipal de Imperatriz está à altura da cidade e da pessoa que lhe dá o nome. Apesar dos seus cerca de 27 mil itens bibliográficos, ainda imperam a desatualização do acervo, a “humildade” das instalações (para dizer o mínimo), a desvontade do Poder Público para com ela.

A Biblioteca Pública Municipal de Imperatriz tem o nome do professor Osvaldo Ferreira de Carvalho (falecido), que era titular no curso de Letras da Universidade Estadual do Maranhão (Uema, hoje Uemasul). Era meu conterrâneo de Caxias e foi meu professor em algumas disciplinas. Dominava vários idiomas. Ele era o feliz proprietário de um automóvel de idade “avançada” e, aqui e acolá, eu tinha de pagar um "preço" pela carona que o professor insistia em dar: empurrar o carro até “pegar”...

Em algumas vezes, após as aulas, ou em dias previamente combinados, o professor Osvaldo e eu sentávamos em algum bar e tomávamos longas doses de cultura e saudades, lembrando a terra que nos viu nascer – Caxias – e refletindo sobre o mundo, as “coisas” e a Fé que nos permitiram (sobre)viver.

Saudades do meu amigo e conterrâneo Osvaldo Ferreira de Carvalho.

**

A Biblioteca localiza-se na Rua São Domingos, nº 10, Bairro Beira-rio. Fica aberta das 8h às 18h, ininterruptamente. Menos de vinte servidores estão à disposição, na gestão da Casa e no atendimento a alunos e demais interessados. O telefone: (99) 3523-0519.

No próximo 29 de outubro, comemora-se o Dia Nacional do Livro. A data lembra a fundação da Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro/RJ), ocorrida dia 29 de outubro de 1810.

* EDMILSON SANCHES.

Fotos:
1 – O professor caxiense Osvaldo Ferreira de Carvalho com a esposa, Hermínia Maria Lisboa de Carvalho;
2 – Osvaldo Ferreira com a irmã Oseneide e os filhos Aimée e Wladimir;
3 – O professor Osvaldo quando mais jovem;
4 e 5 – A Biblioteca Pública Municipal de Imperatriz, que completou 50 ANOS nessa quinta-feira, 22 de outubro de 2020.

BIBLIOTECA PÚBLICA DE IMPERATRIZ, 50 ANOS

**

A agenda de meu telefone tem cinco números ligados a bibliotecas maranhenses: dois relacionados a uma biblioteca do interior de João Lisboa (MA), para a qual doei centenas de livros; um da diretora da Biblioteca Pública Benedito Leite, estadual, em São Luís (MA); e dois para contatos com a biblioteca municipal de Imperatriz (MA).

Mas, nessa quinta-feira, 22 de outubro de 2020, quando a Biblioteca Pública Municipal Professor Osvaldo Ferreira de Carvalho completou MEIO SÉCULO de existência, os dois números relacionados a ela não atenderam – um celular, que está “programado para não receber chamadas”, e um fixo (na verdade, um orelhão, próximo à entrada da Biblioteca), que diz que “o número chamado não está atendendo nem possui caixa postal”.

Nos últimos anos, em seu aniversário, tenho ido à Biblioteca municipal imperatrizense ou tenho ligado para sua coordenação/direção apresentando os parabéns, perguntando sobre se haveria alguma programação e fluindo por entre as prateleiras, observando o acervo, manuseando um e outro livro, vendo um ou outro frequentador (geralmente estudantes) e conversando com servidores da Casa, fotografando uma ou outra coisa... Aqui e ali, encontro livros que me pertenceram e que eu os doei, centenas e centenas deles, a essa Casa de Saber feita de papel e tinta. (Também fiz doações de centenas de livros para a biblioteca da Uema (hoje, Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão/Uemasul); da Universidade Federal do Maranhão – Campus Imperatriz; do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) – Campus Imperatriz (Biblioteca Josué Montello, provavelmente, a maior da região em estrutura) e outras doações.

Nos 50 anos, quis saber antes, por telefone, se haveria alguma programação, se a prefeitura e a cidade estavam sabendo da simbólica data... Queria ser informado acerca do que estava programado, quem sabe comprometer-me com nova doação...

Biblioteca é contenção, contrição, não fala, não faz barulho. Tranquilidade. Sossego. Paz. Mentes em ebulição. Mas hoje é cinquentenário. Talvez haja ou tenha havido festa, comemoração, bolos, vivas... Promessas – compridas e não cumpridas – de autoridades presentes por alguns minutos, pois têm outros assuntos a tratar...

Não sei o que houve. Nada se ouve falar.

Nos 50 anos da Biblioteca Pública Municipal de Imperatriz, para mim e por enquanto, é só silêncio...

* EDMILSON SANCHES

A Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) apresenta hoje (22), em concerto virtual, uma obra inédita de Antônio Ribeiro composta para ser executada nas redes sociais. “Cantilena para ensemble de violoncelos” fará parte do programa do terceiro concerto “on-line” da Série Clássica Brasileira, que contará também com obras de Villa-Lobos, Chiquinha Gonzaga, além de composições de autores estrangeiros.

“É uma estreia mundial”, diz o coordenador Artístico da OSB, Nikolay Sapoundjiev, sobre a obra do compositor brasileiro Antônio Ribeiro, escrita especialmente para este período de pandemia e de isolamento social. “A maior peculiaridade é que ela foi pensada para ser tocada nesse formato virtual, de gravação a distância. Eu acho que nunca antes os compositores pensaram que precisam escrever peças pensando nesse processo, que é bastante desafiador do ponto de vista logístico e tecnológico”.

De acordo com Sapoundjiev, a obra atinge não apenas questões técnicas, mas as angústias desse período. O nome Cantilena foi escolhido por ser este um canto um pouco nostálgico e um pouco triste em certos momentos, refletindo a situação que estamos vivendo. O autor participou de uma conversa ao vivo na última terça-feira (20), onde explica a obra.

Ocupar os palcos virtuais não é tarefa simples. A OSB tomou essa decisão devido às limitações a aglomerações impostas pela pandemia do novo coronavírus. Transferir as apresentações para as telas foi uma forma de manter o trabalho da orquestra.

Sapoundjiev explica que são 18 etapas até chegar à gravação final. “É muito diferente da dinâmica do ensaio e do concerto [presencial], sem falar que todos os músicos gravam sozinhos, dentro das próprias casas, ouvindo, no fone, um áudio guia, com metrônomo. Todo o material é, depois, juntado, analisado, editado, mixado, masterizado e enviado para o vídeo. O processo em si é muito desafiador”, diz.

O programa contará ainda com a execução de “Trumpet voluntary”, do inglês Jeremiah Clarke, interpretado por um quinteto de metais. A obra é tocada em grandes eventos, como casamentos da família real britânica. Além de “Quarteto para cordas nº 11”, de Heitor Villa-Lobos; e “Atraente”, de Chiquinha Gonzaga, entre outros.

A apresentação será às 19h, no horário de Brasília, com transmissão pelos canais da OSB no Facebook e no YouTube.

OSB

A OSB foi fundada em 1940 e é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. É responsável por revelar talentos como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Menezes e é pioneira na criação de projetos de democratização da música de concerto, como o Aquarius e os Concertos da Juventude. Atualmente, é composta por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros e tem uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas.

(Fonte: Agência Brasil)

1

Nesta quinta-feira, 22 de outubro, faz 30 anos da morte do poeta, jornalista, educador e historiador Carlos Cunha, um dos grandes ativistas culturais de seu tempo no Maranhão que partiu em 1990, aos 57 anos. Para homenageá-lo, jornalistas, poetas, músicos e declamadores realizarão um recital “on-line” nesta sexta-feira (23/10), com transmissão, a partir das 20h, pelo canal do projeto Inspire e Comunique no YouTube.

O recital foi idealizado pelas jornalistas Wanda Cunha (escritora, poeta e filha do homenageado), Franci Monteles e Yndara Vasques e o poeta e compositor, Paulinho Dimaré. O evento conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão (Secma), além de parentes e amigos do poeta.

Carlos Cunha dá nome a uma das vias mais movimentadas de São Luís, a Avenida Professor Carlos Cunha, no Bairro Jaracaty, que liga a cidade antiga à parte nova, na confluência com outros dois imortais das Letras: a Ponte Bandeira Tribuzzi e a Avenida Ferreira Gullar.

Com mais de 26 obras publicadas e algumas reeditadas, Carlos Cunha atuou, de forma direta, na cultura do Maranhão e coexistiu como se fosse muitos. Em sua obra de memórias, intitulada “O caçador da Estrela Verde”, escrita em 1986, o próprio autor descreve-se como: o jornalista, o intelectual, o boêmio, o historiador e o educador.

Ingressou no jornalismo aos 17 anos, no “Jornal Pequeno”, iniciando como repórter. Escreveu para os jornais “Jornal do Dia”, “O Imparcial” e colaborou, durante alguns anos, para “O Estado do Maranhão”. Redigiu editoriais para a Radio Timbira, emissora oficial do Estado e fundou o seu próprio jornal na década de 80 com o nome “Jornal Posição”, com o “slogan” de “o jornal que não suja as mãos, nem a consciência”.

Na literatura, estreou em 1967, com o livro “Poesia de Ontem”. Entre outras obras, estão: “A Páscoa das Gaivotas”, pesquisa sobre as artes plásticas maranhenses, e “Eu e a Academia Maranhense de Trovas”, um registro do nascimento da trova no Maranhão.

Considerado um jornalista polêmico, pois, com suas crônicas, combatia o sistema e os malversadores do dinheiro público. Era também um poeta romântico-simbolista que incentivou jovens escritores e defendeu os direitos da sociedade. Tais características renderam-lhe dois cognomes: “Boca do Inferno”, numa analogia ao escritor barroco Gregório de Matos, e “O Caçador da Estrela Verde”, em ressonância ao seu livro de memórias publicado ainda em vida, em 1986. Assim, inspirou inimizades, mas também angariou amigos e admiradores. “Carlos Cunha não pensava só nele. Incentivou novos talentos, lançando diversos autores nas Edições Mirante, selo editorial que ele criou para divulgar seus contemporâneos”, conta a escritora Wanda Cunha.

Além do jornalismo e literatura, também contribuiu com a educação maranhense como professor e fundador do “Colégio Nina Rodrigues”, localizado na Rua do Sol. “Carlos Cunha foi um excelente educador e ajudou muitos alunos no Maranhão, até mesmo aos que não tinham condições de estudar eram acolhidos. Era um historiador extraordinário, um trovador maravilhoso, sonetista excelente, um declamador maravilhoso”, observa o jornalista e poeta João Batista do Lago.

Formado em História e Geografia pela Faculdade de Filosofia do Maranhão, o menino de origem humilde que foi ajudante de pedreiros e vendedor de café, tornou-se um imortal da Academia Maranhense de Letras e membro do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão; pertenceu à Academia Brasileira de Trovas, à União Brasileira de Escritores e à Associação Brasileira de Imprensa e outras instituições nacionais.

Em 1968, fundou a Academia Maranhense de Trovas, da qual foi presidente. Também vitalizou a Associação Maranhense dos Novos, incentivando seus contemporâneos em suas Edições Mirante, resultando mais tarde em subsídios para a sua antologia, “Poesia Maranhense Hoje ou Cinquenta anos de Poesia”, comparável a “Novos Atenienses”, de Antônio Lobo.

Serviço:
O quê: Recital Poético em homenagem a Carlos Cunha
Quando: 23/10/2020 – 20h
Transmissão ao vivo pelo canal no YouTube: Inspire e Comunique

(Fonte: Assessoria de comunicação)

**

Há 67 anos, em 21 de outubro de 1953, foi formalmente criado, pela Lei estadual nº 996, o município de Amarante do Maranhão, que era distrito de Grajaú.

Mas a história de Amarante vem desde 1916, quando o povoamento do lugar iniciou-se com os lavradores Francisco Rodrigues dos Santos e José Cobiça, que foram atraídos pela fertilidade do solo, fixaram residência e desbravaram as matas.

Existe um município no Piauí com o nome “Amarante”, fundado em agosto de 1871 (149 anos). Por isso, o nome do município do nosso Estado adicionou o complemento: Amarante do Maranhão.

A palavra “amarante” é nome de flor e de árvore (alta, madeira avermelhada, com óleo semelhante à resina, com propriedades medicinais). Há várias espécies dessa árvore, delas recebendo o nome popular de pau-roxo e, também, guarabu.

Parabéns aos amarantinos maranhenses!

* EDMILSON SANCHES
_
Ilustrações:
Amarante do Maranhão e sua bandeira. (Foto da bandeira: Ítalo Miranda)

Representantes das forças de segurança de todas unidades federativas, integrantes do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), dos Correios, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal se reuniram ontem (20), para apresentar e debater as estratégias que serão adotadas para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020.

O Encontro Técnico Enem 2020 foi promovido pelo Ministério da Justiça (MJ), que é responsável por integrar as forças de segurança pública e os órgãos incumbidos pela realização, logística, transporte e segurança das provas.

Os representantes dos Estados e do Distrito Federal vão acompanhar, em tempo real, possíveis ocorrências durante a realização das provas, o que abrange, desde policiamento e patrulhamento de vias de acesso aos locais de exame até o transporte e guarda das provas, passando por eventuais investigações sobre possíveis fraudes. Segundo o MJ, toda a ação será acompanhada diretamente do Centro Integrado de Comando e Controle Nacional.

O Enem 2020 será aplicado em 1.729 municípios, nos meses de janeiro e fevereiro de 2021, devido à pandemia do novo coronavírus. As provas impressas serão aplicadas nos dias 17 e 24 de janeiro. Já a versão digital será em 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Pessoas privadas de liberdade farão o exame nos dias 24 e 25 de fevereiro.

Segundo o Inep, há 5.783.357 inscritos para o Enem, sendo 5.687.271 para o exame impresso e 96.086 para o digital, que é novidade nessa edição.

(Fonte: Agência Brasil)

A Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa) informou que a nave espacial Osiris obteve sucesso em sua missão de pousar no asteroide Bennu para, em seguida, coletar poeira e grãos de seixo com seu braço robótico e disparar seus propulsores, a fim de sair da órbita do asteroide. Se tudo der certo, a Osiris retornará à Terra em 2023.

Localizado, atualmente, a mais de 321 milhões de quilômetros da Terra, Bennu é um asteroide antigo e bem preservado que servirá, para os cientistas, como uma “janela para o início do sistema solar de bilhões de anos atrás, possivelmente lançando ingredientes que poderiam ter ajudado a semear a vida na Terra”, ressaltou, por meio de nota, a Nasa.

Se tudo correr como o esperado com o evento de coleta denominado “Touch-And-Go” (TAG), e ele fornecer uma quantidade suficiente de amostras, as equipes da missão iniciarão os comandos para que a espaçonave armazene a “preciosa carga primordial” e, em seguida inicie, em março 2021, a jornada de retorno à Terra. Caso contrário, outra tentativa só será feita em janeiro.

“Este é um feito da Nasa, é um desafio que vai expandir as fronteiras do conhecimento”, disse o administrador da agência Jim Bridenstine. “Nossos parceiros industriais, acadêmicos e internacionais tornaram possível segurar um pedaço do sistema solar mais antigo em nossas mãos”, acrescentou.

Após ter disparado seus propulsores para atravessar a órbita e chegar a Bennu, Osiris estendeu o ombro, depois o cotovelo e o pulso de seu braço de amostragem de 3,35 metros e transitou pelo asteroide em direção à superfície. A descida durou quatro horas. A espaçonave fez, então, a primeira de duas manobras para permitir que chegasse com precisão ao local de coleta de amostra conhecido como Nightingale – um dos poucos pontos relativamente limpos nessa rocha espacial inesperadamente coberta de pedras. O pouso foi em uma cratera localizada em um local claro do hemisfério norte de Bennu.

“Após mais de uma década de planejamento, a equipe está radiante com o sucesso da tentativa de amostragem de hoje”, disse o pesquisador principal da Osiris na Universidade do Arizona, Dante Lauretta. “Embora tenhamos algum trabalho pela frente para determinar o resultado do evento, o contato bem-sucedido com o asteroide, a queima de gás e o afastamento de Bennu já representam uma grande conquista para a equipe. Estou ansioso para analisar os dados para determinar a massa da amostra coletada”, disse ele por meio de nota divulgada pela Nasa.

Ainda segundo a agência, todos os dados de telemetria da espaçonave indicam que o evento TAG foi executado conforme o esperado. No entanto, levará cerca de uma semana para a equipe confirmar a quantidade de amostra que a espaçonave coletou. Dados em tempo real indicam o sucesso da operação no contato com a superfície e na explosão de gás nitrogênio feita com o objetivo de levantar poeira e seixos da superfície de Bennu. A expectativa é que esse material tenha sido capturado. Os engenheiros da Osiris confirmaram que, logo depois que a espaçonave fez contato com a superfície, ela disparou seus propulsores e se afastou com segurança de Bennu.

“A manobra de hoje foi histórica”, disse a diretora da Divisão de Ciência Planetária na sede da Nasa, em Washington, Lori Glaze. Agora, a equipe Osiris começará a avaliar se a espaçonave capturou o material, conforme esperado e, em caso afirmativo, quanto foi coletado. A meta é de, pelo menos, 60 gramas, o que é mais ou menos o equivalente a uma barra de chocolate de tamanho normal.

Os engenheiros e cientistas usarão várias técnicas para identificar e medir a amostra remotamente. Primeiro, vão comparar as imagens da região Nightingale antes e depois do TAG, para ver quanto material de superfície se moveu em resposta à explosão de gás. “Nossa primeira indicação sobre se tivemos sucesso na coleta de uma amostra virá em breve, quando acessarmos a filmagem feita a partir da espaçonave”, disse o gerente de projeto adjunto da Osiris no Goddard Space Flight Center Michael Moreau. “Se o TAG causou uma perturbação significativa na superfície, provavelmente coletamos muito material”, acrescentou. Só em seguida, a equipe tentará determinar a quantidade de amostra coletada.

Caso constate que não foram coletadas amostras suficientes em Nightingale, outra manobra será tentada em 12 de janeiro de 2021, quando a espaçonave pousará no local chamado de Osprey, uma área relativamente livre de pedras, dentro de uma cratera perto do equador de Bennu.

Lançada da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral na Flórida, em 8 de setembro de 2016, a Osiris chegou a Bennu em 3 de dezembro de 2018 para, em 31 de dezembro, começar a orbitar em sua órbita pela primeira vez. A espaçonave está programada para retornar à Terra em 24 de setembro de 2023, quando lançará, com a ajuda de um paraquedas, sua cápsula de coleta no deserto de Utah.

(Fonte: Agência Brasil)

Desde 2018, o projeto “Escolinha Gol de Placa” tem transformado a vida de crianças carentes na cidade de Bacabal. A iniciativa, que conta com o patrocínio do governo do Estado e do El Camiño Supermercados por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, chega a sua segunda edição, sendo reconhecida pela maneira positiva em aliar educação e esporte a quem necessita. No último fim de semana, foi realizado o lançamento oficial da sequência desse importante projeto que tem contribuído na formação de cidadãos.

A “Escolinha Gol de Placa” pode ser considerada um marco social valioso em Bacabal. A essência do projeto vai além de apenas proporcionar a prática esportiva a estudantes das redes municipal e estadual. Na verdade, o objetivo é inserir, nas vidas dessas crianças, valores fundamentais utilizando-se a união do esporte com a educação.

Nesta edição, o projeto cresceu e atenderá mais de 60 meninos com idade entre 8 e 12 anos. O funcionamento da “Escolinha Gol de Placa” é bem simples, mas bastante eficiente. Durante a semana, as crianças recebem acompanhamento pedagógico em sala de aula e, em seguida, participam dos treinos de futebol dentro de campo. Todas as atividades são ministradas por profissionais multidisciplinares e com experiência no ensino educacional e esportivo.

“O projeto vem contribuindo para o processo formativo e de saúde das crianças, estimulando-as a concluir as etapas do ensino escolar, a respeitar as regras da sociedade, a refletir sobre uso de drogas e sobre a violência, além de democratizar o acesso ao esporte e ao lazer. Os treinamentos da escolinha ocorrerão às segundas e quartas-feiras, sempre no turno vespertino, na Associação Atlética Boa Vida, localizada no Bairro Areal”, explicou o coordenador do projeto, Kléber Muniz.

Assim como na edição anterior do projeto, todas as crianças beneficiadas pela “Escolinha Gol de Placa” receberam um “kit” com todo o material esportivo necessário (uniforme, chuteiras, caneleiras e bolsas esportivas) para participar das aulas. Além disso, elas também receberam cadernos e garrafinhas de água individuais.

Outro ponto positivo é que, nos dias de treinos, cada aluno terá alimentação garantida pelo projeto, além de receber acompanhamento escolar e pedagógico. “Só temos a agradecer o apoio do governo do Estado e do El Camiño Supermercados por acreditarem em um projeto tão significativo para essas crianças e suas famílias, consequentemente”, concluiu Kléber Muniz.

Mais sobre o projeto

O projeto “Escolinha Gol de Placa” tem como perspectiva executar uma escolinha de iniciação e treinamento de futebol como expressão de cultura e rendimento, enfatizando a inclusão social, traduzida como um fator de desenvolvimento e transformação humana. Isso irá proporcionar mais saúde, equilíbrio, agregando valores e, principalmente, um importante instrumento para capacitar pessoas a ingressarem construtivamente na sociedade.

Esta iniciativa nasceu do desejo de atender crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social oriundas de comunidades carentes da cidade de Bacabal por meio da prática do futebol.

O projeto será desenvolvido por profissionais capacitados no esporte futebol que seguirá uma metodologia especializada com teorias e práticas desenvolvidas, exclusivamente, para os participantes do projeto.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

O prazo de adesão para que as escolas maranhenses das redes pública e privada de ensino participem da edição de 2020 dos Jogos Escolares Ludovicenses (JELs) termina nesta quarta-feira (21). As instituições, que estiverem interessadas na participação de seus alunos no evento, devem preencher e enviar, por “e-mail” (femade.jels2020@gmail.com), o termo de adesão à Federação Maranhense do Desporto Escolar (Femade), documento que está disponível no “site” da entidade (http://femade.cbde.org.br/). Vale destacar que esta edição dos JELs será disputada totalmente de forma “on-line” e, excepcionalmente, é aberta para estudantes de todo o Maranhão.

Os Jogos Escolares Ludovicenses é uma competição promovida pela Prefeitura de São Luís por meio da Secretaria Municipal de Desportos e Lazer (Semdel), cuja execução é de responsabilidade da Federação Maranhense do Desporto Escolar. Neste ano, excepcionalmente, o evento esportivo será virtual e contará com disputas de nove modalidades: basquete, capoeira, futsal, ginástica rítmica, judô, caratê, surfe, tae-kwon-do e xadrez.

“Por ser um ano atípico, planejamos esse JELs como alternativa para nossos alunos/atletas. Sabemos da importância de você manter o público escolar em atividade. A gente sabe da importância da atividade física, principalmente nessa época de pandemia”, explicou Hamilton Ferro, presidente da Femade.

Informações sobre os Jogos Escolares Ludovicenses, assim como os detalhes de como serão realizadas as competições esportivas de forma “on-line” estão disponíveis no “site” oficial do evento (http://femade.cbde.org.br/) e nas redes sociais (@femadeoficial). Quem preferir, pode entrar em contato com a organização dos JELs pelos telefones (98) 98895-8474 ou (98)98329-2709.

Capacitação

Para este ano, a Federação Maranhense do Desporto Escolar (Femade) inovou e confirmou a realização de cursos e oficinas de capacitação na área do desporto escolar. As atividades são destinadas a professores, gestores e acadêmicos de Educação Física. Informações sobre os cursos e oficinas estão disponíveis no “site” http://femade.cbde.org.br/ e no aplicativo da Femade, disponibilizado nas lojas de aplicativos Google Play (Android) e Apple Store (iOS).

Curta e sigam nossas redes sociais
Instagram - @femadeoficial
Facebook - Femadeoficial
Youtube - FEMADE - MA
Aplicativo - FEMADE

(Fonte: Assessoria de comunicação)

O Ministério da Educação (MEC) divulgou, hoje (20), o resultado prévio da avaliação pedagógica das obras didáticas que serão distribuídas ao ensino médio no ano que vem, no âmbito do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD). A portaria foi publicada no “Diário Oficial da União”.

Todos os pareceres sobre as obras estarão disponíveis amanhã (21), na página do Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (Simec) (módulo Livros, aba Avaliação). O acesso aos pareceres será feito por meio do representante legal, detentor de direito autoral, já cadastrado no sistema no momento da inscrição da obra, ou por seu substituto, se for o caso.

A portaria traz a lista de obras reprovadas e de obras aprovadas mas que necessitam de correção em falhas pontuais. Nesse último caso, a obra didática deverá ser reapresentada corrigida no prazo de dez dias corridos. Ela só será considerada aprovada para compor o Guia de Livros Didáticos se as falhas apontadas no parecer forem devidamente sanadas.

Os editores, tanto das obras reprovadas quanto daquelas aprovadas condicionadas à correção, poderão apresentar recursos fundamentados, também no prazo de dez dias. De acordo com a portaria, não serão aceitos pedidos genéricos de revisão da avaliação e o detentor de direito autoral poderá enviar apenas um recurso por obra. A decisão sobre os recursos será divulgada em até 30 dias, na página do Simec.

Em dezembro de 2019, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), vinculado ao MEC e que coordenada o programa do livro didático, convocou, por meio de edital, os editores interessados em participar da edição de 2021 do PNLD para aquisição de obras didáticas, literárias e de recursos digitais destinados aos estudantes, professores e gestores escolares do ensino médio das redes públicas de todo o país. As obras a serem adquiridas foram divididas em cinco objetos, cada um com prazo de inscrição específico.

Objetos

O resultado divulgado hoje (20) diz respeito ao objeto 1: Obras de Projetos Integradores e Projeto de Vida, que serão distribuídas em 2021. No dia 30 de setembro, encerraram-se as inscrições para as obras do objeto 2: Obras por Área do Conhecimento, que incluem livro das quatro grandes áreas do conhecimento – linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; e ciências humanas e sociais aplicadas.

As inscrições para objeto 3: Obras de Formação Continuada para Professores e Gestores, e objeto 5: Obras Literárias, estão previstas para janeiro e março de 2021, respectivamente. Os livros desses objetos e do objeto 2 serão distribuídos em 2022.

Os critérios de aquisição para o objeto 4: Recursos Educacionais Digitais foram publicados na semana passada em edital específico e os prazos para inscrição começam em fevereiro do ano que vem. Todos os editais estão disponíveis na página do FNDE.

Após passarem pelas etapas de análise das obras e das empresas produtoras dos materiais, as obras aprovadas ficarão à disposição para a escolha de professores, coordenadores pedagógicos e diretores escolares. O material escolhido e contratado deve estar em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o ensino médio e serão distribuídos para as escolas públicas de todo o país.

A execução do PNLD é realizada de forma alternada. São atendidos, em ciclos diferentes, educação infantil; anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º); anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º); e ensino médio. Os segmentos não atendidos em um determinado ciclo recebem livros de forma complementar, correspondentes a novas matrículas registradas ou à reposição de livros avariados ou não devolvidos.

Em 2019, o programa distribuiu 126 milhões de exemplares para mais de 35 milhões de estudantes, em 90 mil escolas da rede pública. Além dos livros didáticos, as unidades também receberam no ano passado, pela primeira vez, cerca de 53 milhões de livros literários, tanto para acervo de biblioteca quanto para o uso dos estudantes em sala de aula.

(Fonte: Agência Brasil)