Saltar para o conteúdo

O campo da A&D Eventos, no Bairro do Turu, receberá mais uma rodada do Campeonato Maranhense de Futebol 7 neste fim de semana. Promovido pela Federação Maranhense de Futebol 7, o Estadual terá rodada cheia, com 12 partidas sendo realizadas neste sábado e domingo (13 e 14), a partir das 8h, pelas categorias Sub-9 e Sub-11.

A rodada do Maranhense de Futebol 7 terá início neste sábado (13), às 8h, com a partida entre Grêmio Maranhense B e Juventude, pela categoria Sub-9. Depois disso, três jogos serão disputados pela categoria Sub-11: Palmeirinha x Basa, Juventude A x Clube Atlético Juventude e Society Club Calhau x Grêmio Maranhense A.

Já no domingo (14), também a partir das 8h, Craques do Futuro e Colégio Reino Infantil abrem a programação com uma partida pela categoria Sub-11. O jogo seguinte será entre Grêmio Maranhense A e Afasca, pelo Sub-9, enquanto Meninos da Vila x Vila Real e Juventude B x Grêmio Maranhense B duelam pelo Sub-11 na sequência.

A rodada de domingo recomeça às 15h, com dois jogos pelo Sub-11: Greco Sport x Grupama e Aurora x Palmeirinha. Em seguida, Greco Sport x Craques da Veneza duelam pelo Sub-9, e Slacc x Aririzal encerram a rodada em partida do Sub-11.

Últimos resultados

No fim de semana passado, o Maranhense de Futebol 7 contou com 11 partidas por três categorias, sendo que seis jogos foram realizados pelo torneio Sub-9, com os seguintes resultados: Cruzeiro/Círculo Militar 6 x 2 Grêmio Maranhense A, Greco Sport 0 (3) x (1) 0 Flamengo, Juventude 7 x 0 Craques da Veneza, AABB 3 x 0 Afasca, Society Club Calhau 2 x 1 Grêmio Maranhense e Meninos de Ouro 1 (2) x (1) 1 Cruzeiro/APCEF.

O torneio Sub-7, por sua vez, teve quatro partidas: Cruzeiro/APCEF 4 x 2 Aurora, Cruzeiro/Círculo Militar 1 x 0 Juventude, Society Club Calhau 2 x 1 Cruzeiro/APCEF e Meninos de Ouro 1 x 0 Aurora. Pelo Sub-11, o Flamengo venceu o Juventude A por 4 a 1.

Maranhense de Futebol 7

Nesta edição do torneio estadual, as equipes campeãs estarão classificadas para o Campeonato Brasileiro da modalidade, que ocorrerá no mês de julho em Recife (PE). Em 2019, nas categorias Sub-9 e Sub-11, haverá a realização de uma fase regional Sul, que ocorrerá na cidade de Balsas. Dessa seletiva, duas equipes se classificarão que irão juntar-se aos classificados da primeira fase de São Luís.

No “site” (www.fut7ma.com.br) e nas redes sociais oficiais da federação (@fmf7ma) estão disponíveis todas as informações da competição estadual. O Campeonato Maranhense de Futebol 7 é uma realização da Federação Maranhense de Futebol 7 (FMF7) e conta com os apoios da Super Bolla, River, Gelo da Ilha, Malharia Beth, MA Sportbets e A&D Eventos.

SÁBADO (13/4) / A&D EVENTOS (TURU)
8h - Grêmio Maranhense B x Juventude (Sub-9)
9h – Palmeirinha x Basa (Sub-11)
9h40 – Juventude A x Clube Atlético Juventude (Sub-11)
10h20 – Society Club Calhau x Grêmio Maranhense A (Sub-11)

DOMINGO (14/4) / A&D EVENTOS (TURU)
8h – Craques do Futuro x Colégio Reino Infantil (Sub-11)
9h – Grêmio Maranhense A x Afasca (Sub-9)
9h40 – Meninos da Vila x Vila Real (Sub-11)
10h20 – Juventude B x Grêmio Maranhense B (Sub-11)
15h – Greco Sport x Grupama (Sub-11)
15h40 – Aurora x Palmeirinha (Sub-11)
16h20 – Greco Sport x Craques da Veneza (Sub-9)
17h – Slacc x Aririzal (Sub-11)

(Fonte: Assessoria de comunicação)

A partir do próximo dia 19, será dada a largada para a edição de 2019 da Copa do Nordeste de Futebol 7, competição promovida pela Confederação de Futebol 7 do Brasil (CF7B). E o Maranhão está confirmado no torneio que ocorrerá na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. Atual campeão maranhense na categoria adulto, o time do Vila Real vai em busca do título inédito para o Estado.

Apesar de ter sido fundado no Bairro do Bequimão e contar com uma base de jogadores formados na região, o Vila Real chegará à Copa do Nordeste com novidades importantes em seu elenco. O representante maranhense vai para a disputa regional reforçado pelo atacante Abuda, jogador maranhense de destaque nacional.

Abuda está confirmado na delegação que embarca para a capital potiguar, na próxima semana. Ele será o principal nome da equipe, que contará, ainda, com o meia Jean Maranhense – com passagens por Moto Club, Sampaio Corrêa e Maranhão Atlético – e o atacante Matheus Potter, que disputou a edição passada do Campeonato Maranhense de Futebol pelo Pinheiro.

Com atacantes de qualidade, é grande a expectativa em realizar uma boa competição. “A nossa expectativa para a competição é muito grande. Dentro do que foi programado para nossa preparação, estamos bem fisicamente, e os atletas estão todos focados. Acreditamos que vamos fazer uma boa competição e representar bem o Estado. A equipe está reforçada, e vamos dar trabalho na Copa do Nordeste”, afirmou Silvester, diretor do Vila Real.

Como forma de preparação, o Vila Real tem feito amistosos antes da viagem para Natal. Na última quarta-feira (10), o time do Bequimão mostrou bastante força ofensiva. Com destaque para Abuda, autor de três gols, o Vila Real goleou o Atlético Dom Pedrense por 8 a 4. Neste sábado (13), o representante maranhense realizará mais um jogo amistoso.

Para participar do torneio regional, o Vila Real conta com os patrocínios do Hospital São Domingos, Curso Wellington, Psiu, MA-Sports, Rommeo Amim, DA Logística e SA Esportes, além do apoio da Federação Maranhense de Futebol 7 (FMF7).

Busca pelo título

A Copa Nordeste de Futebol 7 será a primeira competição que o Vila Real fará fora do Estado. No entanto, o discurso é de chegar entre os primeiros colocados e, quem sabe, beliscar o título regional.

“É a nossa primeira competição fora do Estado e temos como objetivo ficar entre os quatro primeiros colocados. Mas vamos brigar pelo título com todas as forças. A Copa Nordeste servirá de preparação para a disputa do Campeonato Brasileiro no meio do ano”, explicou Silvester.

O presidente da Federação Maranhense de Futebol 7 (FMF7), Waldemir Rosa, também mostra otimismo com a participação do Vila Real na Copa do Nordeste. “É importante observar o crescimento do futebol 7 no Maranhão. As nossas equipes têm sempre representado bem nosso Estado, e tenho certeza de que não vai ser diferente agora com o Vila Real, na categoria adulta. É uma equipe muito bem estruturada e organizada que, a cada ano, vem crescendo mais na modalidade. Inclusive, atualmente, eles têm escolinha para crianças. É um clube que está pensando muito no futuro do esporte. Estou na torcida para eles tenham um grande desempenho em Natal”, analisou.

De acordo com a CF7B, a Copa do Nordeste de Futebol 7 masculina será disputada entre os dia 19 e 21 deste mês. Ao todo, 16 equipes estarão na disputa pelo título. Na primeira fase, os times serão distribuídos em quatro grupos. Avançam para os mata-matas somente os dois primeiros colocados de cada chave.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

Começam, nesta sexta-feira (12), as inscrições gratuitas para a 11ª edição do Festival de Música Rádio MEC 2019, com previsão de encerramento no dia 10 de junho.

As inscrições de canções de todo o Sudeste brasileiro podem ser feitas no “site” do festival para quatro categorias que dialogam com a programação da emissora e o perfil das músicas tocadas: clássicas, instrumentais, brasileiras e infantis.

O gerente da Rádio MEC, Thiago Regotto, destacou que os interessados podem inscrever até duas canções por categoria, até o total de oito cada um.

Segundo ele, o objetivo do festival é “buscar novos músicos para tocar na Rádio MEC”. Isso inclui cantores, compositores e instrumentistas. Todas as músicas concorrentes devem ser inéditas.

Serão conferidos nove prêmios, sendo dois para cada categoria musical (compositor e intérprete) e um para o vencedor eleito pelo voto popular.

A divulgação da primeira seleção para os semifinalistas será no dia 22 de julho, no endereço eletrônico do festival, sendo seis músicas de cada categoria, somando 24 canções. Elas já começam a entrar na programação da emissora até agosto, quando serão escolhidos três finalistas de cada categoria.

Até a premiação, as músicas candidatas poderão ser ouvidas na Rádio MEC AM e FM.

A Comissão Julgadora será composta por até cinco integrantes, personalidades de notório saber ou em atividade na área musical, e profissionais da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) .

Expansão

Regotto lembrou que, pela primeira vez, o festival deixa de ser limitado ao Rio de Janeiro e vai receber inscrições de toda a Região Sudeste, visando a valorizar a produção de artistas do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e do Espírito Santo.

Originalidade da obra e qualidade artística, esta envolvendo música, letra, partitura e interpretação, são critérios que serão considerados pela comissão julgadora para a seleção dos melhores concorrentes.

Para a próxima edição, em 2020, já está sendo estudada a possibilidade de ampliar o festival para todo o país e, depois, para nível internacional.

“É um desafio a cada edição. Em 2017, entrou música clássica; no ano passado, entrou a categoria infantil, por exemplo”, disse o gerente.

Finalistas

No dia 26 de agosto, serão conhecidas as 12 músicas finalistas. Os ouvintes poderão votar nas melhores músicas e melhores intérpretes entre 26 de agosto e 25 de setembro de 2019. A votação popular pela “internet” será restrita a um voto por IP de computador.

Os nove vencedores do festival serão reconhecidos como Melhor Canção, Melhor Intérprete Vocal, Melhor Música Infantil, Melhor Intérprete de Música Infantil, Melhor Música Instrumental, Melhor Intérprete de Música Instrumental, Melhor Música Clássica, Melhor Intérprete de Música Clássica e Melhor Música eleita pelo voto popular (“internet”).

As 12 canções finalistas participarão da solenidade de premiação no dia 25 de setembro, quando serão anunciados os vencedores. Eles receberão troféus durante “show”, às 20h, em homenagem ao aniversário do radialista Roquette Pinto, considerado o pai da radiodifusão no Brasil.

O local ainda está sendo definido. A partir de 25 de setembro, os vencedores passarão a ser considerados “artistas residentes” da Rádio MEC que, segundo Thiago Regotto, “abre espaço democraticamente para a divulgação dessas novas obras musicais”.

(Fonte: Agência Brasil)

O deputado federal Juscelino Filho (DEM-MA), coordenador da Bancada Maranhense no Congresso, se reuniu com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na tarde desta quinta-feira (11/4). Em pauta, o programa do governo federal de fomento a agricultura familiar do Nordeste. O encontro foi motivado após notícia veiculada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” que informava a exclusão do Maranhão do programa, apesar de o Estado pertencer à região Nordeste. Na reunião, o deputado defendeu a inclusão do Maranhão no programa e ouviu da ministra a garantia de que o Estado será beneficiado pelo programa.

Ao tomar conhecimento da possível exclusão do Maranhão do programa federal, Juscelino Filho fez um breve pronunciamento no plenário da Câmara e procurou o Ministério da Agricultura para constatar a veracidade da informação.

“A ministra nos afirmou que a notícia é falsa e que o Maranhão está incluso no programa porque ele vai abranger todo o Nordeste e apenas parte do programa será específica para o semiárido nordestino. Hoje, apenas dois municípios maranhenses estão inseridos na área do semiárido, mas existe um projeto de lei no Senado, que já foi aprovado na Câmara, incluindo outros 15 municípios da região do Baixo Parnaíba, além de estudos para que 47 municípios maranhenses sejam inseridos no semiárido. Vamos trabalhar para que esse projeto avance rápido e seja aprovado ainda este mês, no Senado. Foi uma reunião proveitosa, e ela reiterou que ficássemos tranquilos porque o Maranhão será contemplado pelo programa de apoio”, afirmou o deputado.

No encontro desta quinta-feira, Juscelino Filho convidou a ministra Tereza Cristina a comparecer à Câmara Federal para apresentar o programa de fomento a agricultura familiar à Bancada do Nordeste. Essa visita deverá ocorrer assim que o programa for finalizado.

“Ela disse que o programa ainda está em fase de formatação, e a previsão é que seja lançado em junho. Convidei a ministra para vir à Câmara para fazer a apresentação do projeto à Bancada do Nordeste antes de ser lançado. Ela disse que precisará contar com o apoio e parceria dos governos estaduais”, explicou Juscelino.

Ainda de acordo com o coordenador da Bancada Federal maranhense, a intenção do ministério é buscar apoio da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) para dar suporte técnico paras as cooperativas do Nordeste. Além disso, a ministra Tereza Cristina confirmou vinda ao Maranhão em maio, durante a abertura da Agrobalsas 2019.

Pronunciamento

Na manhã desta quinta-feira (11/4), o deputado federal Juscelino Filho fez um pronunciamento de repúdio no plenário da Câmara a respeito da possível exclusão do Estado do Maranhão de um programa do governo federal de fomento à agricultura familiar no semiárido do Nordeste. Após o discurso, o parlamentar fez questão de marcar uma audiência com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

O democrata chegou a classificar de injusto a possível exclusão do Maranhão de um programa destinado à região Nordeste e que pretende beneficiar cerca de 150 mil famílias. Como coordenador da Bancada Federal do Maranhão, Juscelino Filho assegurou que levará a discussão a seus pares para evitar que tal injustiça seja cometida.

“A nossa bancada irá se reunir para tomar todas as medidas cabíveis junto ao governo e às atribuições legislativas para garantir a inclusão do nosso Estado em um programa tão importante como esse e que poderá beneficiar milhares de famílias maranhenses. O Maranhão faz parte do Nordeste e possui regiões do semiárido. Por isso, não é justo ficar de fora de um programa dessa dimensão. Quero aqui trazer o repúdio da Bancada Federal do Maranhão”, disse o parlamentar.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

O governo federal anunciou, nesta quinta-feira (11/4), regras que deverão vigorar no âmbito da educação domiciliar, caso seja aprovado projeto de lei (PL) sobre o assunto assinado hoje (11/4) pelo presidente Jair Bolsonaro. Segundo o PL, a opção por esse modelo de ensino terá que ser comunicado pelos pais do estudante, ou pelos responsáveis legais deste, em uma plataforma virtual do Ministério da Educação (MEC).

Além de comprovar o vínculo com o aluno, os pais ou responsáveis pelo estudante ficam encarregados de apresentar um plano pedagógico individual, detalhando a forma como as aulas serão conduzidas. A orientação do ministério é que o cadastro seja efetuado no sistema de dezembro a fevereiro, preferencialmente.

De acordo com o MEC, o cadastro deverá ser renovado a cada ano. Também a cada ano, os pais ou responsáveis pelo estudante precisarão apresentar um plano pedagógico correspondente ao novo ano letivo. Somente depois de a documentação e o plano serem analisados é que o MEC irá criar para o estudante uma matrícula que ateste a opção pela modalidade de educação domiciliar.

O ministério informou que os termos do cadastramento serão divulgados em regulamento próprio. No documento apresentado nesta quinta-feira, o governo destaca que, enquanto a plataforma virtual ainda não estiver disponível, as famílias têm assegurado o direito de exercer a educação domiciliar. A previsão é que a página eletrônica fique pronta no prazo de até 150 dias contados a partir da publicação da lei.

Avaliação

A proposta encaminhada ao Congresso Nacional exige que o estudante matriculado em educação domiciliar seja submetido a provas para aferir se ele está, de fato, assimilando o conteúdo transmitido em casa. A avaliação deve ocorrer a partir do 2º ano do ensino fundamental, uma vez ao ano, preferencialmente em outubro.

A elaboração e gestão da prova ficarão a cargo do MEC, que emitirá, posteriormente, um calendário em que informará a data. O teste terá um custo, mas o governo antecipou que condições de isenção de pagamento para famílias de baixa renda serão estabelecidas.

A certificação da aprendizagem, obtida quando o desempenho do estudante for considerado satisfatório, terá como base os conteúdos programáticos referentes ao ano escolar correspondente à idade do estudante, conforme a Base Nacional Comum Curricular. No projeto de lei, considera-se a possibilidade de avanço nos cursos e nas séries, nos termos do disposto na Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

Conforme as diretrizes do projeto de lei, os pais ou os responsáveis legais perderão o exercício do direito à opção pela educação domiciliar em quatro situações: quando o estudante for reprovado por dois anos consecutivos, nas avaliações anuais e nas provas de recuperação; quando o estudante for reprovado, em três anos não consecutivos, nas avaliações anuais e nas recuperações; quando o aluno faltar à avaliação anual e não justificar sua ausência; ou enquanto não for renovado o cadastramento anual na plataforma virtual.

Quanto à convivência com outras crianças e adolescentes, um dos aspectos questionados por críticos à modalidade de ensino domiciliar, o governo ressalta que é dever dos pais ou dos responsáveis legais assegurá-la. O PL estabelece também que caberá a eles monitorar, de forma permanente, o desenvolvimento do estudante, seguindo as orientações nacionais curriculares.

(Fonte: Agência Brasil)

Coordenador da Bancada Federal do Maranhão, o deputado Juscelino Filho (DEM-MA) classificou como “muito importante” a reunião realizada nessa terça-feira (9), com integrantes do Alto-Comando da Aeronáutica para discutir o novo Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), assinado recentemente, entre Brasil e Estados Unidos, que trata da utilização do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), unidade da Força Aérea Brasileira (FAB). Esta foi a primeira vez que os parlamentares maranhenses tiveram acesso ao texto original do acordo.

Desde que foi anunciada a assinatura do acordo, o assunto teve grande repercussão, mesmo sem a divulgação dos detalhes. Para o deputado Juscelino Filho, o encontro dessa terça-feira deixou claro a importância desse trato para o Maranhão e para o Brasil.

“A reunião da bancada com a Aeronáutica foi muito importante. Foi o primeiro contato que tivemos com o texto original do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST). Foi feita uma apresentação dos termos do acordo. Ficou claro que o acordo não trata de expansão e de utilização de novas áreas. Trata, apenas, de guardarmos as tecnologias americanas que serão disponíveis e aplicadas no Centro de Lançamento de Alcântara”, afirmou.

Ainda segundo o coordenador da Bancada Maranhense, o AST trata, unicamente, da viabilização comercial do CLA, que poderá resultar em um investimento de, aproximadamente, 4 bilhões de dólares nos próximos cinco anos.

“Temos que separar esses debates que estão vindo por conta de possíveis expansões ou remoção de algumas famílias quilombolas. Acredito que, em breve, o acordo deva chegar ao Congresso Nacional e, se aprovado, é importante para darmos utilidade para o que já temos construído lá e, assim, possam chegar investimentos ao nosso Estado. A estimativa é que nos próximos cinco anos, com a assinatura desse acordo, algo em torno de 4 bilhões de dólares sejam investidos e movimentem a economia local do Maranhão”, explicou.

Assim como Juscelino Filho, o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Antônio Carlos Moretti Bermudez, também destacou os benefícios desse acordo. “O Acordo de Salvaguardas Tecnológicas reveste-se de importância estratégica, uma vez que o uso comercial do CLA trará inúmeros benefícios à economia do Brasil e, em particular, à sociedade maranhense, com a criação de postos de trabalho, além da circulação de recursos no local”, disse.

Com o acordo, os Estados Unidos permitem que Brasil lance veículos e satélites de qualquer nacionalidade com componentes norte-americanos. O Brasil, em contrapartida, compromete-se a proteger e resguardar essas tecnologias. Isso é importante porque, segundo o diretor-geral do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), tenente-brigadeiro do ar Luiz Fernando de Aguiar, 80% das partes de todos os foguetes e satélites existentes hoje, no mundo, são de origem norte-americana.

(Fonte: Assessoria de comunicação)

O vencedor do prêmio Nobel de Química em 2016, Fraser Stoddart, 77 anos, disse, nessa terça-feira (9), à Agência Brasil, que o país poderia ter um “grande impulso” se investisse na criatividade latente dos jovens pesquisadores brasileiros. Em entrevista, após uma palestra aberta ao público na Universidade de Brasília (UnB), Stoddart afirmou que essa decisão política poderia renovar, “em 10 a 20 anos”, modelos da indústria e oportunidades em diversas áreas.

“Os políticos não deveriam pensar que é um gasto, mas um investimento em jovens brasileiros. Seriam novas indústrias, novas oportunidades em todas as áreas. Seria um grande impulso”, disse.

Para o químico norte-americano, a China deveria servir como modelo para o Brasil nesse aspecto. Segundo ele, em breve, a China vai assumir a liderança global da ciência e tecnologia.

“No governo chinês, os próprios líderes já são cientistas e tecnólogos, têm o compromisso de manter uma boa quantidade de recursos [na área], o que oferece condições para que os jovens chineses vão aos Estados Unidos e à Europa fazer doutorado e, depois, retornar para a China, para, quem sabe, fazer um pós-doc. A maioria volta para a China”, exemplificou.

Diante de alunos de diversos cursos superiores, reunidos em um auditório da Universidade de Brasília (UnB), Stoddart recomendou que os jovens busquem ambientes “onde tenham liberdade para expressar sua criatividade”.

Naturalizado americano, Stoddart ganhou o Nobel há três anos, ao lado do francês Jean-Pierre Sauvage e do holandês Bernard Feringa, pelo desenvolvimento de máquinas moleculares. O estudo pioneiro na área permite controlar movimentos que as células realizam para desempenhar tarefas com a adição de energia.

O trabalho pode contribuir para a nanotecnologia, sendo utilizado, por exemplo, em material com capacidade de autorreparação por meio de estímulos externos. A indústria japonesa tem utilizado a criação em revestimentos traseiros de “smartphones” para que, no caso de um arranhão, o movimento controlado das moléculas preencham os espaços reconstruindo a superfície. Stoddart também acredita em inúmeras aplicações na química e na ciência da saúde.

O químico norte-americano, reconhecido pelo trabalho com nanoestruturas mecânicas, recebeu o título de Doutor Honoris Causa da UnB.

(Fonte: Agência Brasil)

O deputado estadual Neto Evangelista é eleito presidente da Executiva Municipal do Democratas em São Luís. A escolha pelo nome de Evangelista foi confirmada na manhã desta segunda-feira (8), durante convenção municipal realizada na sede do DEM na capital maranhense. A solenidade contou com a presença do presidente estadual do DEM-MA, deputado federal Juscelino Filho, dos deputados estaduais do partido Paulo Neto e Daniella Tema e de outras lideranças políticas do Estado.

O presidente estadual do partido parabenizou a escolha de Neto Evangelista para ocupar a presidência do diretório de São Luís. Em seu discurso, Juscelino Filho falou do atual momento do Democratas e avaliou como positiva a nova composição da executiva municipal da capital.

“Fico feliz pela escolha pelo Neto. Tenho certeza de que ele dará uma significativa contribuição para o fortalecimento do nosso partido, assim como todos os novos integrantes da Comissão Municipal do DEM”, afirmou o deputado Juscelino Filho.

Neto Evangelista agradeceu as palavras do presidente estadual e garantiu que sua missão será a de ajudar no fortalecimento do Democratas. “Com muita honra, fui eleito presidente da Executiva Municipal do Democratas em São Luís. O partido vive um momento diferente no país, e estamos nessa corrente para fortalecer, ainda mais, a legenda na capital. Meus agradecimentos a todos pela confiança”, disse.

A composição da nova Executiva Municipal do Democratas em São Luís ficou da seguinte forma: Neto Evangelista (presidente), Rogério Cafeteira (vice-presidente), Naylton Flávio Araújo (secretário-geral), Marcos Almeida dos Santos (tesoureiro), Felipe Camarão (integrante), Fernando Fialho (integrante, Francisco Bezerra Júnior (integrante e Stênio Rezende (integrante).

(Fonte: Assessoria de comunicação)

Mais de 2,1 milhões de estudantes solicitaram a isenção da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A taxa de inscrição deste ano é R$ 85.

O prazo para pedir a isenção da taxa começou no último dia 1º e continua até esta quarta-feira (10). Até as 10h de hoje, 2.123.576 participantes haviam solicitado o não pagamento.

Podem solicitar a isenção da taxa os estudantes que estão cursando a última série do ensino médio, em 2019, em escola da rede pública; aqueles que cursaram todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral na rede privada, com renda, por pessoa, igual ou menor que um salário mínimo e meio, o que, em valores de 2019, equivale a R$ 1.497.

São também isentos os participantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica, ou seja, integrantes de família de baixa renda com Número de Identificação Social (NIS), único e válido, com renda familiar por pessoa de até meio salário mínimo, R$ 499, ou renda familiar mensal de até três salários mínimos, R$ 2.994.

Em nota, o Inep reforça que a isenção de taxa de inscrição não é automática para nenhum grupo de participantes e a solicitação não poderá ser feita durante as inscrições, por isso, pede que os estudantes estejam atentos ao prazo.

O pedido é feito pela Página do Participante, na “internet”.

Justificativa

Até o dia 10 de abril, os estudantes que não pagaram o Enem 2018 e que por algum motivo faltaram o exame podem apresentar uma justificativa e pedir de novo a isenção.

Esses estudantes precisam enviar, também pela Página do Participante, documentos comprobatórios da justificativa da ausência. Os documentos aceitos variam de acordo com a causa: acidentes, mortes na família, internação, trabalho, casamento, emergência médica, intercâmbio acadêmico, entre outros.

A relação dos documentos consta do anexo II do Edital do Enem. Não serão aceitos documentos autodeclaratórios emitidos pelos pais ou responsáveis.

Próximos passos

Os resultados do pedido de isenção e da justificativa de ausência no Enem 2018 serão divulgados no dia 17 de abril.

Os estudantes que não tiverem a solicitação aceita poderão entrar com recurso, no período de 22 a 26 de abril, na Página do Participante. O resultado do recurso será divulgado, no mesmo endereço, a partir do dia 2 de maio.

Para participar do exame, os estudantes, com ou sem isenção da taxa, devem fazer a inscrição no Enem no período de 6 a 17 de maio.

Enem 2019

O Enem será aplicado nos dias 3 e 10 de novembro. No primeiro dia de prova, os participantes responderão a questões de linguagens e ciências humanas e farão a prova de redação. Para isso, terão 5h30.

No segundo dia, os estudantes terão 5 horas para resolver as provas de ciências da natureza e matemática.

Os gabaritos das provas objetivas serão divulgados no Portal do Inep e no aplicativo oficial do Enem até o dia 13 de novembro. O resultado será divulgado, conforme o edital, em data a ser divulgada posteriormente.

As notas do Enem podem ser usadas para ingressar em instituição pública pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para obter bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superio pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

(Fonte: Agência Brasil)

O novo ensino médio terá formação mais voltada para o empreendedorismo, a investigação científica, os processos criativos e a mediação e intervenção sociocultural. Esses são os eixos que vão orientar os chamados itinerários formativos, ou seja, as atividades que os estudantes poderão escolher. O modelo deverá ser implementado nas escolas públicas e privadas do país até 2021.

Isso significa que, ainda no ensino médio, os estudantes poderão, por exemplo, aprofundar os conhecimentos referentes ao mundo do trabalho e à gestão de empreendimentos. Além disso, os estudantes deixarão a escola sabendo mediar conflitos e propor soluções para questões e problemas socioculturais e ambientais identificados em suas comunidades.

Os eixos que servirão de referência para a estruturação dos itinerários formativos estão em portaria publicada, na última sexta-feira (5), pelo Ministério da Educação (MEC). Os referenciais foram definidos pela gestão passada da pasta e já estavam disponíveis na “internet” desde o fim do ano passado. Agora, foi feita a publicação oficial.

Formação pela BNCC

No novo ensino médio, os estudantes de todo o país terão formação semelhante, orientada pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Em um ensino médio com 5 horas diárias de aulas, essa parte ocupará 60% dos três anos de formação, o equivalente a pouco mais que um ano e meio. No tempo restante, os estudantes poderão aprofundar os estudos em itinerários nas áreas de linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas ou ensino técnico.

Os referenciais publicados na semana passada servirão para orientar a elaboração dos itinerários formativos. Pelo texto, cada um dos itinerários deverá abordar, pelo menos, um dos eixos estruturantes, podendo abarcar inclusive os quatro. Ou seja, um estudante que optar por fazer, ainda no ensino médio, um curso técnico em informática, poderá aprender questões ligadas a processos criativos dentro da própria área, como fazer uma investigação científica relacionada à informática e assuntos afins e como empreender com o que aprendeu.

"A intenção é que, a partir de 2021, as novas turmas do ensino médio entrem nas redes, sejam públicas ou particulares, em um novo ensino médio, mais antenado como a garotada, com esses jovens que hoje estão na escola. Isso é muito importante", disse a ex-secretária de Educação Básica do MEC Kátia Smole, que coordenou a elaboração dos referenciais.

Implementação

A publicação dos referenciais era a etapa que faltava para que as redes de ensino elaborassem os currículos do ensino médio. Na rede pública, isso caberá aos Estados, responsáveis pela maior parte da oferta da etapa de ensino no país.

"A parte comum [que deverá ser baseada na BNCC] é mais fácil para nós. Estamos nos organizando. Os itinerários são coisas que nunca fizemos. Os eixos estruturantes vão dar um norte para que possamos escrevê-los", ressaltou a presidente do Conselho Estadual de Secretários de Educação (Consed), Cecília da Motta.

Cada município deverá oferecer, pelo menos, dois itinerários formativos aos estudantes. No ensino médio regular, até 20% das aulas poderão ser a distância e, no noturno, até 30% poderão ser ofertadas nessa modalidade.

Segundo Cecília, os Estados vão dialogar com os municípios para verificar as possibilidades de oferta em cada local. A escolha dos itinerários levará em conta, entre outros fatores, as áreas com maior empregabilidade em cada cidade. "Haverá município que poderá ofertar dois itinerários, e outros que poderão ofertar mais. Vamos construindo devagar", acrescentou.

A previsão é que todos os Estados concluam, até o fim do ano, a elaboração dos currículos. No ano que vem, os professores serão formados para atuar no novo modelo, que chegará às salas de aula em 2021.

Apoio do MEC

A construção e implementação dos currículos cabem, prioritariamente, aos Estados, mas cabe ao MEC auxiliar os entes federativos para que o novo ensino médio saia do papel. O Conselho Nacional de Educação (CNE), que foi responsável pela aprovação tanto da BNCC quanto das diretrizes curriculares do ensino médio, também acompanha o processo.

"Faremos o acompanhamento, o apoio, para que essa implementação possa ser bem-sucedida em relação àquilo que está normatizado", disse o conselheiro do CNE Eduardo Deschamps, que presidiu a comissão da BNCC no conselho.

"A expectativa é que, com a implementação do novo modelo, o ensino médio passe a fazer mais sentido e ser mais útil e adequado para os jovens, independentemente do caminho que eles queiram seguir. Se querem seguir para a universidade ou para o mundo do trabalho, que seja uma formação mais vinculada ao projeto de vida que eles têm", acrescentou Deschamps.

Na semana passada, o MEC lançou o Programa de Apoio à Implementação da Base Nacional Comum Curricular, que prevê ações como produção de materiais, cursos e impressão de documentos para discussão e formação dos currículos.

Além disso, a pasta vai ofertar bolsas de estudos e pesquisas, considerando a disponibilidade orçamentário-financeira, para o acompanhamento da elaboração dos currículos e formação de professores.

(Fonte: Agência Brasil)